o que um mês de alimentação saudável me ensinou sobre cuidado

você lembra quando eu contei sobre começar a tomar proteína – foi um choque e eu ainda acho engraçado ter me tornado esse tipo de pessoa, que leva a garrafinha cheia para a academia e toma de bom grado a misturada de pó doce dom água (dica: evitem a de baunilha, crianças, é enjoativa demais!). mas pouco mais de um mês de toda essa mudança alimentar, eu fiz o retorno no nutricionista e percebi que essa foi a melhor decisão que eu tive na vida.

ter uma dieta saudável parecia um sacrifício, uma coisa ruim, algo que eu não queria porque era chato comer legumes, e eu preferia mil vezes mais me encher de chocolate no fim de semana. andar com uma garrafinha de chá de hibisco para cima e para baixo também não parecia assim o melhor dos mundos. mas quando veio a necessidade de cuidar do corpo, aquele chamado que eu não pude ignorar, eu dei um passo para trás e topei esquecer tudo o que eu sabia sobre dietas para pensar só numa coisa: como eu poderia cuidar do meu corpo para cumprir a minha função.

a alimentação, claro, foi essencial para isso. mas a questão é além do meu almoço milimetricamente medido em uma balança de comidas que eu pego emprestada da roomie. tem gente que come super bem, mas se ataca, pensa mal de si mesma, a cada garfada de rúcula. tem outras pessoas que fazem a mesma coisa, mas com um bolo de chocolate ao invés de uma porção de quinoa. tem uma galera ainda que se ataca não comendo nada. e tem quem faça todas essas coisas e não se ataca nunca, porque não usa a comida como uma ferramenta pra alimentar a raiva que sente, em maior ou menor grau.

eu já fiquei mais tempo sem comer do que deveria. já comi muito e compulsivamente. só comi besteira e só comi salada. em nenhuma dessas vezes eu me senti cuidando de mim. agora é diferente. colocar a minha comida na balança e comer as porções exatamente como o nutricionista indiciou – além de tomar todos os complementos vitamínicos – me fez olhar para a forma como eu como, como dou cada garfada, como eu vejo a comida e o meu corpo.

assim como um prato de mandioquinha com patinho moído e legumes refogados (alô, amo muito – quem diria) é uma ferramenta, o meu corpo também. é com ele que eu escrevo essas palavras, que eu trabalho, que converso com as pessoas que amo no Whatsapp ou no ônibus. é com os olhos do corpo que olho pra você, pra te lembrar que o corpo é só uma ferramenta e que você não depende dele pra ser feliz.

oras, mas se eu faço isso com você, como não faria isso comigo? cuidando de mim eu cuido de você! e cuidando de você, você cuida de mim também. é assim que as coisas funcionam, sabe?

ficar sem comer doce esse tempo todo não foi um sacrifício. não foi triste, muito menos algo que ficou passando pela minha cabeça! puxa, eu diria até que foi feliz! quando eu comi aquelas sobremesas maravilhosas, comi sabendo que tava tudo bem e que eu não estava cometendo um pecado horrível por sair da dieta. nada de culpa nas minhas garfadas.

quando eu almocei o lámen na Liberdade, foi também pensando em como é gostoso poder usufruir de um prato tão delícia ao lado de pessoas que eu gosto tanto. mesmo que não seja 100% dentro do que o nutricionista passou. levar a garrafinha de chá de hibisco se tornou leve, porque é só mais uma forma de eu entrar nesse plano de cuidado. eu cuido de mim e cuido de você.

cuidado é uma coisa tão bonita, sabe? a gente acha que só um punhado de pessoas sabem fazer isso bem, mas a gente tá ligada em como essa roda gira. hoje, eu me sinto mais disposta, não tenho tanto sono, trabalho mais focada e durmo melhor – tudo porque eu comecei a pensar no cuidado na hora de comer. eu cuidei de mim e, como resultado, cuido mais (e melhor) de você. e assim a gente se cura, entende?

verdade, tiveram algumas mudanças físicas bem impressionantes – os sete centímetros e meio que eu perdi de abdômen e os cinco de quadril não me deixam mentir -, mas por  incrível que isso seja, o mais legal de tudo foi começar a cuidar. a olhar. o que que tem nessa garfada, hein, dona Maki? vish, tá comendo cheia de raiva, isso não vai dar certo.

para, respira fundo, lembra do cuidado. cuidando de você, você cuida dos outros; cuidando dos outros, você cuida de você. come de novo. agora sim. desce redondinho. o corpo fica cheio de energia e amanhã de manhã a gente consegue acordar feliz sem precisar apertar o botão da soneca 52 vezes.

14 comentários

  1. Rebeca comentou:

    Menina, não sei como vim parar aqui. Mas estou agradecida aos algoritmos do Google que nos uniram, rs.
    Vou salvar este texto para relê-lo algumas vezes, por muito tempo. Que lição linda que você acabou de me ensinar, que coisa mais sublime, necessária e transformadora essa de mudar a perspectiva sobre si mesmo, o corpo enquanto máquina, enquanto alma, carente de um amor que apenas nós mesmos podemos dar alterando escolhas e o cotidiano.
    <3

    1. Maki respondeu Rebeca

      AMÉM GOOGLE! e volte sempre, Rebeca (e leva essa lição no seu coração ♥)

  2. Joyce comentou:

    Maki sem.palavras para descrever o que senti lendo esse texto, apenas GRATIDÃO! Também estou neste momento da vida, de me encontrar comigo e com minhas escolhas e emoções, especialmente aquelas ligadas a alimentação, e seu texto organizou em mim uma série de impressões e aprendizagens! Obrigada!

    1. Maki respondeu Joyce

      brigada você, Joyce! ♥

  3. Um post bem amorzinho, nada novo sob o sol por aqui, ainda bem haha
    Se cuidar é realmente uma tarefa que a gente vai conquistando, porque no começo parece tudo tão pesado mas depois que o corpinho da gente começa a florir de novo e os resultados vão aparecendo, tudo vem naturalmente, e quando a gente tá bem, fica mais fácil cuidar de quem está ao nosso redor, sim, não é só nossa disposição que muda né? Como o nosso sorriso chega na outra pessoa muda também :3
    beijo beijo e amei o post
    Neoguedes

    1. Maki respondeu Bruna Guedes

      exatamente, Bruna! o nosso sorriso vai muito mais longe do que a gente imagina

  4. Cuidar de nós mesmos é essencial, é importante e eu entendi isso tudo quando comecei a fazer o yoga. Hoje me sinto mais feliz, também mais focada, e também aprendendo o que é bom para o meu corpo e o que não é. Às vezes é difícil porque eu amo chocolate (mas sei que a minha ansiedade também tem um papel nisso; ela me faz ter mais vontade de comer doces!), mas estou conseguindo alcançar alguns objetivos, como eliminar a Coca-Cola e diminuir o café (meu médico exigiu hehe).

    1. Maki respondeu Ana Beatriz

      eu ainda caio do cavalo com o café de vez em quando, mas refrigerante seu, ainda bem, aboli da alimentação há uns anos! aos pouquinhos a gente vai aprendendo e se adaptando, né?

  5. Su comentou:

    faz umas três semanas, por aí, que comecei a ir no nutri também. meu foco era aprender a comer mais saudável (claro, enxugar as gorduras no processo também HAHA) e nesse tempo aprendi a comer com gosto coisas que antes eu só torcia o nariz: frutas, verduras, legumes, chia, linhaça, granola, aveia e afins. incrível o quanto já desinchei e senti a pele mais saudável só nesse tempinho. sempre fui um tanto quanto desleixada em matéria de self-care e tô conseguindo mudar isso aos pouquinhos, pois vejo que quanto mais eu cuido, mais eu me sinto bem.
    acho que é isso, quando a gente testa e vê que isso melhora a nossa vida, a gente aprende a cuidar do nosso corpo cada vez mais! <3

    1. Maki respondeu Su

      exatamente, Su! é uma delícia criar esse hábito de cuidado, sabe? faz pra gente e pros outros também
      e é tudo questão de aprender a comer mesmo. eu tinha mil frescuras com comida, mas agora tô comento de tudo!

  6. Ai Maki, como eu queria que todos meus pacientes (sou nutricionista) entendessem dessa forma como você entendeu todo esse cuidado. É isso que sempre tentei passar, mas alguns, como você disse tinham raiva do próprio corpo e da sua relação com a comida. Atualmente anda muito difícil trabalhar com essa área porque é tanta informação errada, tanta modinha que a gente fica louca, porém seguimos em frente.
    Queria te falar duas coisinhas: primeiro, você conhece o blog Não Sou Exposição? É de uma nutricionista comportamental, creio que você vá gostar. E segundo, posso te dar uma dica? Em vez de falar “dieta saudável” poderia trocar pelo termo “alimentação saudável” porque dieta dá a ideia de uma coisa que você vai fazer por um período e depois parar e alimentação é algo pra sempre.

    Beijinhos, amo você Maki <3

    1. Maki respondeu Ana Bonfim

      ahhhh, Ana! que incrível saber disso, sério! fiquei muito feliz mesmo. e suas dicas estão anotadas aqui, e já vou fazer essa correçãozinha. ♥
      brigada e amo você também!

  7. Chell comentou:

    Acredito muito que “nosso corpo é nosso templo”. Se não cuido de mim, cuido de quem? Começa de dentro pra fora =D

    Parabéns!!

    1. Maki respondeu Chell

      exato! cuidado é cuidado, independentemente de quem recebe. quando a gente cuida, cuida muito mais do que uma pessoa ou um corpo, é da vida como um todo, sabe? e aí a gente acaba com esse ciclo de ataques.

deixe seu comentário