20 coisas que você pode fazer tomando uma xícara de chá

todo dia, lá pelas 16h, eu paro o que eu estou fazendo pra tomar uma xícara de chá. virou tipo um ritual de trabalho e também um momento pra eu me desconectar um pouquinho. pra quem passa mais de 10 horas por dia na frente do computador, é bom sair da frente da tela pra olhar pra outras coisas, dar um descanso pra cabeça.

eu já falei mutias vezes sobre o quanto eu amo chá e como esse é um momento muito gostoso pra mim. toda xícara é tipo um abraço apertado, tipo uma lembrança de que dá pra aproveitar tudo, de fazer as coisas de um jeito prazeroso, sabe?

no último fim de semana eu tive um desses momentos, mas de um jeito diferente: como parte do World Wide Insta Meet 15 (um encontro semestral de instagrammers) eu fui ‘desafiada’ a fazer uma postagem, relacionada ao tema: gentileza. a ideia era que eu convidasse alguém para tomar uma xícara de chá comigo, porque, segundo quem me desafiou, esse é um momento em que eu demonstro a minha gentileza.

como eu falei no Instagram, no fim isso não foi desafio algum, porque ser gentil é parte de quem a gente é de verdade e compartilhar isso com pessoas que eu amo foi muito natural e uma dádiva. aproveitei esse desafio para pensar 20 coisas que a gente pode fazer tomando uma xícara de chá, para lembrar dessa nossa gentileza e pra ficar mais pertinho de quem da gente mesma e dos outros, sabe? olha só:

  1. olhar a paisagem pela janela
  2. ouvir uma música gostosa (eu recomendo essa aqui que é meu vício eterno)
  3. conversar com alguém que você ama
  4. fazer carinho no seu gatíneo
  5. assistir um filme delicinha (já viu Love, Rosie? combina bem com uma xícara de chá – e uma caixa de lencinhos)
  6. ler um livro
  7. cuidar de alguém
  8. fazer carinho numa pessoa próxima
  9. se enrolar nas cobertas e aproveitar o quentinho do chá
  10. ligar para alguém com quem você não fala tem tempo
  11. ler uma revista
  12. escrever no seu bullet journal
  13. desenhar no seu bullet journal
  14. fazer qualquer coisa que você ame no seu bullet journal
  15. escrever uma carta (que você pode mandar ou guardar no coração)
  16. esquentar as mãos (amo/sou)
  17. ler os seus blogs preferidos
  18. fazer um dia de spa com hidratação no cabelo e máscara no rosto (euzinha ontem)
  19. treinar tocar um instrumento musical
  20. amar alguém

no fim das contas, fazendo isso tudo a xícara de chá deixa de ser uma xícara de chá pra se transformar em algo muito mais legal e gostoso. olhando com clareza, tudo isso vira uma forma de carinho, com as outras pessoas e com você mesma. e é isso que a gente precisa né? de mais carinho, de mais gentileza, de mais presença em todos os momentos e menos imaginações.

me conta o que você gosta de fazer enquanto toma uma xícara de chá?

 

‘não tenho recursos’

uma pessoa perfeccionista sabe que se não estiver perfeito (dur) nem vale a pena ser feito. isso me perseguiu por muitos anos porque eu, perfeccionista que era, achava que tudo tinha que ficar nos trinques (ou, pelo menos, perto do que eu julgava ser perfeito)  pra ter algum valor. é por isso que, muitas vezes, eu desistia das coisas no meio do caminho.

na verdade, ‘muitas vezes‘ é errado, o certo é sempre. eu sempre desisti das coisas porque elas não estavam de acordo com um ideal de perfeição que eu tinha na minha cabeça. pra ser perfeito, eu precisava ter tudo ‘certo‘: o melhor material do mercado, as melhores ideias, a execução mais redondinha… se não, não dava.

eu caía muito naquela zoeira do ‘não tenho recursos pra fazer isso de um jeito legal‘. sempre foi assim. foi assim com as fotos que eu fazia pro blog, com os vídeos (que eu parei de fazer POR ISSO), com as minhas roupas… a única coisa que, até agora, conseguiu fugir desse lugar é o bullet journal. por um milagre divino, eu consegui quebrar essa ideia que tinha na minha mente por um propósito maior: ficar organizada e conseguir ajustar à minha rotina de freela.

o mais legal é que, com ajuda de algumas pessoas incríveis, e de todo um processo que muda completamente tudo o que eu penso, eu tenho andado mais em direção a um lugar que preza a sensação com a qual eu faço as coisas do que o formato. não ter a câmera mais potente não é uma desculpa pra fazer uma foto com uma sensação ruim, que não passe o aconchego que eu quero que o blog tenha. a mesma coisa para os vídeos.

sabe, quando eu falo por aqui da importância de querer mesmo alguma coisa, de correr atrás, não é à toa. a gente usa muito essa ideia de ‘não consigo fazer que nem fulana’ para passar mal e falar mal da gente mesma. é uma comparação que vai matando aos pouquinhos: você, porque isso tira a sua importância em todos os momentos e em todas as cenas; o outro, porque não te deixa ver quem ele é verdade e que ele sente exatamente as mesmas coisas que você.

é uma barreira mental que a gente coloca pra não entregar o que a gente já tem dentro da gente, esse carinho e amor incondicionais por tudo e todos. a gente se priva de cuidar das pessoas usando as ferramentas que a gente tem: uma foto, um texto, um blog, um vídeo… até um caderninho quadriculado com as tarefas do dia.

tem ficado cada vez mais claro como a gente faz questão de reforçar essas barreiras pra ficar mais distante da nossa essência, sabe? e não tem necessidade, é besteira, é uma forçação de barra sem sentido. a gente precisa mesmo parar de acreditar que a nossa felicidade depende de uma câmera DSLR ou de do último lançamento da Apple (sério, gente, quem consegue acompanhar tanta novidade todo ano?).

o que você já deixou de fazer por causa disso? topa correr atrás de verdade junto comigo?

como se manter motivada para acordar cedo

eu nunca fui dessas que aperta o botão soneca umas 40 vezes antes de acordar de verdade. sempre acordei bem fácil, tinha o sono leve, e o despertador era sinal de que eu tinha mesmo que sair da cama, sem nem pensar duas vezes. de uns tempos pra cá, eu confesso que ando mais preguiçosa, e dormir quase uma da manhã pelo menos três vezes na semana não me ajuda a acordar às 6h sem apertar o snooze pelo menos uma vez.

agora, eu estou no processo de voltar a acordar na hora sem ficar chorando pelos tais ‘só mais 5 minutinhos‘. não é fácil, confesso. nos dias em que eu durmo cedo, parece que o sono multiplica por mil e nos que eu durmo tarde ele desaparece. mas a gente vai ajustando a rota conforme o andar da carruagem.

encontrar a motivação pra sair da cama na hora certa, parece uma missão impossível, mas depende de uma única coisa: propósito. eu já falei muito disso aqui no blog, mas não canso de reforçar o quanto é importante você saber porque você faz o que faz. se você tem uma meta certa, um objetivo verdadeiro, então levantar da cama no horário X não é um problema e, sim, uma dádiva! e se você precisa de uma ajudinha a mais, eu separei algumas dicas pra gente conseguir acordar sem medo de assustar as pessoas com o nosso bom humor:

1.tenha um propósito

eu já citei ali em cima, mas vou falar de novo: saiba porque você está acordando cedo. se for só por acordar, sem uma meta, não vai dar certo. por que você quer mudar isso? é pra ter mais tempo pra tomar café da manhã? pra tomar banho antes do trabalho? pra ter mais tempo com a sua família/namorado/marido? é pra não chegar no trampo querendo deitar na mesa e dormir de tanta preguiça? é pra ir pra academia antes do trabalho? saiba o porquê. isso, por si só, já vai te motivar.

2.estabeleça um hábito

dizem por aí que a gente precisa de 21 dias pra estabelecer um hábito. isso significa que a prática é essencial para que você consiga o que quer, então, se o plano é acordar todos os dias às 6h, use um aplicativo, um calendário, ou até mesmo o seu bujo para anotar os dias que você conseguiu esse feito. quanto mais você pintar quadradinhos (no caso dos trackers do bujo), mais motivada você vai se sentir para continuar pintando, até que você nem precisa mais anotar.

3.pense em algo gostoso

uma das coisas que me ajuda a sair da cama, sem brincadeira, é pensar no café da manhã. é uma das minhas refeições preferidas, e eu amo preparar o que eu vou comer. normalmente, o café da manhã é a única refeição que eu consigo fazer longe do computador (a sina de quem é freela), então essa é mais uma vantagem. sentar na mesa da cozinha, comendo a minha tapioca de peito de peru e tomando o meu chá, ou comendo meu mingau de aveia… é uma das coisas mais gostosas do meu dia!

4.não se culpe por não conseguir

apertou a soneca? dormiu mais 10, 15, 20 minutos ou meia hora? tudo bem! essas coisas acontecem, tem dia que a cama é muito mais confortável mesmo, e a gente precisa desse tempinho a mais. não tem problema você acordar um pouquinho mais tarde, só não deixe isso afetar o seu dia inteiro. não faz sentido você achar que o dia todo vai dar errado só porque você não acordou na hora. tá tudo certo, viu?

acostumar a acordar super cedo pra mim foi muito fácil, porque eu sempre soube muito bem queria tempo pra tomar o meu café direitinho e pra ‘acordar’ antes de começar a trabalhar. a pior coisa pra quem trabalha em casa é acordar cinco minutos antes e cair no computador direto. o dia não rende e parece que tá tudo meio confuso. sabe como é isso?

me conta como você faz pra se manter motivada e acordar cedo? 

20 coisas para ficar mais perto de quem você é de verdade em 2017

2017 mal nasceu e eu já considero pakas. sabe, todos os dias são uma nova oportunidade da gente fazer diferente, da gente mudar e tentar ser quem a gente é de verdade (porque a real é que todo mundo – TODO MUNDO – é incrível, a gente só não lembra disso). e, tudo bem, a gente até pode usar a desculpa do ano novo pra tentar ficar mais próximo de quem a gente é, mas isso não precisa ficar limitado à todo dia 31 de dezembro.

nesse caminho, não existe certo e errado. existe ‘mais próximo’ ou ‘mais distante’ de quem eu sou. isso me deixa mais pertinho de mim ou me coloca lá longe? essa é uma pergunta que eu comecei a me fazer e que tem me ajudado muito em toda essa jornada.

 

se você não sabe muito bem por onde começar, não tem problema, viu? é normal a gente se sentir meio perdida de vez em quando, ainda mais nesse mundão doido em que todo mundo parece que tem que postar o que faz a cada cinco minutos no Snapchat (aliás, alguém ainda usa Snapchat?). então eu separei algumas coisas que a gente pode tentar esse ano pra ficar um passo mais perto da gente mesma. e, ó, o caminho é longo, mas não precisa ser triste viu? pelo contrário, ele pode sempre ser muito feliz.

  1. ouvir o seu coração (e não ignorar quando ele fiz ‘não’)
  2. ter mais conversas longas com quem você gosta
  3. dormir sem se preocupar com horários
  4. comer coisas gostosinhas sem culpa
  5. dar mais abraços
  6. olhar no olho de quem você ama
  7. falar que você ama (nunca canso dessa!)
  8. fazer o que você tem vontade sem medo
  9. não comprar brigas que não valem a pena (aliás, não comprar brigas e ponto)
  10. substituir o ‘não consigo’ por ‘não quero’
  11. sentir mais o sol batendo no rosto (mas com protetor,né?)
  12. pedir por mais carinho
  13. dar mais carinho
  14. não reclamar tanto das coisas
  15. prestar atenção em quem fala com você
  16. segurar mais na mão das pessoas
  17. tentar entender o que o outro está falando antes de tirar as próprias conclusões
  18. deitar no colo de alguém que a gente ama
  19. trocar mais beijos sinceros
  20. escolher ter um dia bom

é muito fácil a gente achar sempre que as coisas acontecem com a gente ao acaso, que a gente não tem poder de escolha. Mas sabe quando você acorda e já fala assim ‘ih, hoje vai ser um dia do cão’? o que será que aconteceria se você falasse ‘não, hoje eu quero que o dia seja bom’ e tentasse de tudo pra ter um dia bom? tipo o Barney tentando salvar o encontro dele com a Nora em How I Met Your Mother, mas da ‘vida real’.

não precisa muita coisa pra você ficar em paz, sabia? pra sentir o coração quentinho sempre. precisa só querer. e treinar. e querer e treinar. até que isso vira automático. até que você nem lembra mais porque reclamava de ter que acordar às 6h da manhã todos os dias, desde que isso seja uma oportunidade de você ver quem gosta e abrir um sorrisão na hora do café.

o que você faria pra ficar mais perto de você mesma esse ano?

a única resolução de ano novo que vale a pena fazer

legacy. what is a legacy? it’s planting seeds in a garden you never get to see.

de todas as músicas incríveis de Hamilton, The World Was Wide Enough é uma das minhas preferidas por causa desses versos. e eu acho que dá muito bem pra resumir 2016 nessas poucas palavras escritas tão lindamente pelo Lin-Manuel Miranda.

já aconteceu muitas vezes de chegar essa época de Natal e virada do ano e eu pensar como a música: ‘então é natal e o que você fez?’. a resposta era normalmente um grande NADA. um grito no eco que ninguém jamais ouviria, um vazio, um buraco no tempo espaço. mais um ano em que eu prometi milhares de coisas e não fiz nenhuma delas.

lembro tão claramente quanto o dia que na virada de 2014 para 2015 eu fiz apenas uma resolução de ano novo. não pedi para ser mais feliz, não pedi para viajar, nem mesmo pra ‘encontrar o amor’, o que quer que isso significasse pra mim naquela época. não. as minhas exatas palavras foram ‘esse ano eu juro pra mim mesma que eu vou melhorar’.

naquela época eu tava no meio de uma depressão pesada. O pior já tinha passado, mas ainda assim, melhorar era uma decisão total e completamente minha. essa foi a única resolução de ano novo que eu já cumpri em toda a minha vida. a única com a qual eu me importei de verdade, na real.

desde então a minha vida… ah, ela tem sido maravilhosa. ela mudou muito. eu consegui novos empregos, eu saí da casa da minha mãe e, oficialmente, comecei a andar só com as minhas pernas. mas não foi isso que aconteceu. eu mudei, e eu decidi seguir o meu real propósito na vida. eu topei um trampo que vai garantir que ninguém nunca mais sinta o que eu senti um dia.

a solidão, a tristeza, o desespero. o medo. isso tudo tem ficado cada vez mais para trás, um pontinho que eu vejo no retrovisor que, às vezes, ainda aparece para incomodar, mas que agora eu não deixo mais sufocar o meu coração e me arrancar lágrimas sofridas dos olhos. não sem saber onde recorrer para acabar com isso de uma vez, pelo menos.

também é insano falar que só dois anos se passaram desde então, porque são éons – centenas de milhares de anos – que separam a Maki de hoje com aquela que prometeu melhorar em 2014. E, não, não tem nada a ver com a passagem do tempo, com o amadurecimento ou com a proximidade dos 30 anos. De jeito nenhum, isso tem tudo a ver com o meu propósito.

quando essa jornada toda se apresentou pra mim e eu topei fazer parte dela, mal sabia eu que o trampo seria muito mais profundo e muito mais abrangente. melhorar de vida não tem sentido mais. é preciso treinar muito para salvar todo mundo dessa loucura que a gente chama de mundo.

entra aí a frase de Hamilton. o que é um legado se não uma semente que você planta em um jardim que nunca vai ver? há muito tempo, alguém plantou uma sementinha que está sendo colhida só agora, e eu faço parte desse time que vai te ajudar a ver a única verdade em que vale a pena acreditar: só o amor existe.

toda a tristeza, decepção, insegurança, toda a raiva que a gente vê na tv e todas as vezes que a gente chorou porque não se sentiu amada… tudo isso vai sumir como num sonho, e a gente vai acordar para perceber que a vida é maravilhosa, a gente só tava muito distraído para perceber.

nessa última semana, me veio muito na mente as pessoas que se sentem só e desamparadas, que se sentem tristes e que estão passando por um momento complicado. escrevendo esse texto, eu penso em vocês com um sorriso no rosto. sorrio, porque tem saída. essa nuvem escura que gira incessante em torno da sua cabeça, existe um jeito de mandar ela embora. existe um jeito de você ser feliz todos os dias sem aquela falsidade, de você se sentir amada mesmo sozinha, porque a solidão, no fim das contas, é só uma ilusão a nossa cabeça.

então, peça. faça um pedido sincero. queira ver junto comigo que a vida é sim tudo de bom e que culpar um ano por coisas ruins é démodé. ‘ruim’ é só a forma como a gente vê, no fim das contas.

e quanto a mim? a única resolução de ano novo que eu posso fazer (se é que eu ainda acredito nisso) é essa: eu prometo me abrir para o amor. eu prometo treinar todos os dias, quantas vezes for necessário para que, um dia, você olhe pra mim e reconheça o amor que existe dentro de você. que você me veja e pense que se eu consegui você consegue também. e, acredite, você consegue.

eu prometo me abrir para o amor. eu prometo fazer o que estiver ao meu alcance para que ninguém mais se sinta sozinho, para que ninguém mais sinta que não é amado. não espere que uma mudança no calendário faça da sua vida melhor. se você quer mudar, mude. é tão simples quanto esquentar água pro chá.

então, eu prometo. por você. eu prometo fazer o que eu puder pra gente viver feliz. e se você ainda não consegue ver a coisa assim, não tem problema. eu prometo ver dessa maneira por nós duas (ou três, ou quatro), até que você queria ver igual a mim.

e que venha 2017.