Um amor: vestidos de festa

Posso dizer que os designers que fazem vestidos de festa, tipo Elie Saab ou a própria Patricia Bonaldi, são os meus preferidos de todos os tempos.

Com certeza minha terapeuta tem algo a dizer sobre o meu amor por esse visual princesa, mas eu sempre sonhei em usar um vestido como o que a Jennifer Lopez ou a Lupita Nyong’o usaram para o último Oscar . Alô, para o trauma de não ter sido a Cinderela quando era criança (ou a Bela, o que seria mais legal porque aquele vestido amarelo é muito amor na vida – mesmo eu detestando amarelo).

vestido-festa-1

Mas eu penso que o meu carinho por esse tipo de peça vem, justamente, da vontade me sentir uma princesa. Sabe aquele vestido maravilhoso que faz sentir como se você estivesse flutuando no tapete vermelho? Mais ou menos isso mesmo.

Elie Saab, como eu comentei ali em cima, e Zuhair Murad, são dois dos meus estilistas favoritos. Sempre presto atenção nos destiles dos dois durante as semanas de moda e sempre, SEMPRE, fico completamente encantada com as criações de ambos para a passarela, especialmente para as coleções de alta costura. Claro que não é de se surpreender que criações como essas acabem nos tapetes vermelhos mais disputados do showbiz.

vestido-festa-2

Adoro o trabalho que vai em cada uma das peças, a delicadeza de algumas delas e até mesmo o brilho, apesar de brilho ser a última coisa que tem no meu guarda-roupa desde que me conheço por gente. Apesar disso, acredito, claro, que devemos sempre nos sentir bem em relação a nós mesmas, mas não há como negar a existência de algumas peças de roupa que, de verdade, nos fazem sentir como verdadeiras princesas.

Vocês curtem esse tipo de vestido? Têm um estilista preferido no ramo?

 

Sobre Victoria Beckham e o poder da mudança

Vou contar uma coisa para vocês: eu sempre fui muito, MUITO, fã de Spice Girls. Sabia todas as músicas de cor, as coreografias, e meu maior sonho de vida era ser Baby Spice. Mas, depois de um tempo, deixei de acompanhar um pouco a vida das cantoras, principalmente porque entrei numa fase punk rock muito forte que não permitia esse tipo de música no meu discman.

Por isso, qual foi a minha surpresa ao descobrir, anos depois, que Victoria Beckham, a Posh Spice, se tornou um grande nome no mundo da moda? Para mim, esse tipo de mudança era impossível, onde estava a mulher das coreografias ensaiadas?

victoria-beckham

Mudou, simples assim. Victoria Beckham é uma das pessoas que eu mais admiro ultimamente porque mostrou o poder da mudança, da dedicação e do trabalho duro. Muito marcada pela sua fama como parte de uma girl band nos anos 1990, com uma imagem até que bastante sexualizada, como ela poderia entrar em um ramo conhecido pelo glamour e pelas panelinhas? Aos poucos é claro.

Depois do fim das Spice, Victoria fez alguns trabalhos como modelo, enquanto tentava manter a carreira de cantora, antes de assinar sua primeira parceria no mundo da moda, com a marca Rock & Republic. Depois disso, e contando com a ajuda de muitos contatos que ela fez no mundo fashion ao longo do tempo, ela passou a migrar do entretenimento para a moda de alto luxo, sendo conhecida, pouco a pouco, como uma das mulheres mais elegantes do mundo atual.

victoria-becham-2

Victoria lançou sua marca homônima em 2008, tendo antes lançado uma linha de jeans e um perfume sob o seu nome. Como parte do sucesso e do seu trabalho duro, Victoria foi chamada para fazer uma série de campanhas de moda e desfilar para mais algumas marcas, antes de deixar o lado modelo um pouco de lado para se dedicar à sua marca. Nem por isso, ela deixou de estampar capas de revistas e ganhar (apesar de eu não gostar desse termo) o título de uma verdadeira it-girl.

Acho muito admirável a forma como a Victoria conseguiu mudar completamente a sua imagem. Tem horas que é difícil pensar na estilista como aquela mulher que cantava Wannabe e Spice Up Your Life. Na minha visão das coisas, acho que a música nunca foi uma paixão dela, mas a moda, sim.

Hoje, confesso que sou apaixonada pelas roupas que a Victoria faz, ainda mais pelas peças da linha Victoria by Victoria Beckham, muito feminina, cheia de vestidos rodados e algumas estampas mais divertidas. Gosto muito das peças dela por conta da vibe mais normcore, simples, minimalistas, normalmente monocromáticas e com um corte impecável.

Peças da coleção de primavera/verão 2015 da linha Victoria Beckham
Peças da coleção de primavera/verão 2015 da linha Victoria Beckham

Mas, principalmente, admiro essa mudança de vida, de imagem, em como ela se encontrou no mundo mesmo quando as pessoas ainda a viam como uma cantora pop ícone de uma década só. Ela, realmente, criou e recriou a própria vida, aproveitando ao máximo as oportunidades que apareceram no caminho. Porque sim, ser uma Spice Girl foi uma verdadeira oportunidade, que ela agarrou com unhas e dentes,

 

Beleza: Taylor Swift e Karlie Kloss para a Vogue

Semana passada (no começo dessa semana?, no ultimo mês? Tô perdida no tempo/espaço!) foram liberadas as imagens da nova capa da Vogue norte-americana, com Taylor Swift e Karlie Kloss na capa. Eu amo as capas dessa revista porque sempre tem um trabalho super intenso (e, algumas vezes, photoshop demais :/) e essa deve, com certeza, ser uma das minhas preferidas.

taylorkarlie-1

O que eu mais gostei? A beleza do ensaio! Nada de olhos mega marcados, batons super coloridos nem blush demais nas maçãs do rosto, mas um look mais natural, bem com cara de verão (apesar de ser inverno por lá agora) e que trabalhou muito o bronzer e o iluminador.

taylorkarlie-2

Combinado com os cabelos soltos e levemente ondulados,o visual geral do ensaio ficou com um ar tão natural que é difícil não achar lindo. Aliás, acho que isso colaborou muito para a vibe meio anos sessenta do ensaio, ou será que só eu vi isso?

taylorkarlie-3

Vocês curtiram?

Moda: A onda das peças de crochê

Chegou verão, Boogie Oogie continua passando na Globo e eu vejo cada vez mais peças de crochê na rua, na chuva, na fazenda (ou numa casinha e sapê – tu dum pssss).

peças-de-croche-1Foto: Lookbook Manuela

Eu, particularmente, não sou muito fã esse tipo de roupa. Acho que simplesmente não combina comigo, mas estou curtindo bastante ver as combinações do pessoal para o verão. Além do mais, biquínis de crochê estão por todos os lados, então é um pouco impossível ignorar essa moda!

O crochê varia muito por conta da linha e da agulha, podendo resultar em uma trama mais simples e delicada ou outra mais forte e firme, o que é bastante comum hoje em dia. Acho que o que eu tenho mais visto por aí são tops, tipo os cropped, feitos de crochê para serem combinados com shorts de cintura alta e quimonos, por exemplo. Uma coisa bem Vanessa Hudgens, sabem?

peças-de-croche-2

Fotos: Lookbook Anoushka, Stardust Luise

Tenho pra mim, porque o crochê foi muito famosos na década de 1970, que qualquer produção montada com uma peça dessas fica um ar meio boho, mas é claro que isso pode variar muito, dependendo do tipo de combinação. Você pode criar um visual totalmente seventies com uma calça boca de sino, colete e chapéu floppy, ou dar um ar mais descontraído para um look com shorts de alfaiataria e sapatos de alto alto.

Se você não é muito fã da transparência pode usar uma regatinha por baixo da blusa de crochê, ou combiná-la com uma jaqueta (o que no verão é um verdadeiro sacrifício) ou com um colete de linho, mais leve (uma opção bem mais bacanuda).

peças-de-croche-3

Fotos: Lookbook Victoria, Toshiko e Adriana

Ah, e os vestidinhos assim são uma boa aposta para os dias bem quentes. É uma variação legal do top cropped, que dá impressão de look muito mais despojado e descontraído. Uma coisa mais final de semana, talvez. O que vocês acham? Curtem essas peças?

Kendall Jenner e o futuro da moda

A revista Glamour deste mês trouxe uma pessoa um tanto quanto polêmica na capa (Thássia Naves!), mas tem uma matéria muito bacana sobre internet e, mais especificamente, sobre a tal compra de seguidores para Instagram, Facebook e afins, além de uma reflexão sobre a importância da relevância e do engajamento online e, claro, valores de publi-editoriais (que podem ser tema para um outro post!).

kendall-jenner-1Tanto que, na carta escrita pela Mônica Salgado (diretora da redação da revista!) sobre a edição, ela explica, por exemplo, que Kendall Jenner pode não ser a mais bela das modelos, mas ela, com certeza, é a mais relevante para o momento. Já cheguei a comentar sobre a admiração que tenho por Kim Kardashian aqui no blog, e com a irmã mais nova da socialite não é muito diferente.

Kendall pode vir de uma família super exposta no mundo, afinal, ela tem a vida inteira passada na televisão mais próxima com os realities da família, mas ela teve que começar na moda como qualquer outra pessoa. E mais! Por ser justamente quem é, ela sofreu preconceito na hora das seleções para os trabalhos, porque sua família é até considerada meio bagaceira. Ela chegou a contar que deixou de usar o sobrenome para tentar se desligar do clã Kardashian e conseguir os trabalhos por mérito próprio.

Isso, somado ao fato de que ela pediu distância dos familiares nos primeiros desfiles que participou, lhe rendeu uma acensão meteórica no mundo fashion. Ainda mais quando é colocado na equação a relevância online que essa menina tem. Como a própria Glamour colocou na carta editorial do mês, Kendall tem mais de 18 milhões de seguidores no Instagram, enquanto nossa querida Gisele Bündchen está nos três milhões e meio.

kendall-jenner-2
Kendall para a revista Interview e na passarela da Givenchy no ano passado

Quando eu paro para pensar em moda, eu vejo que a internet é cada vez mais relevante nesse meio. Revistas e blogs têm seu espaço (tem pra todo mundo, sempre, como já disse a querida Carla Lemos, do Modices), mas as gerações mais novas, com certeza, passam mais tempo online do que lendo revista. Kendall é um verdadeiro exemplo disso. A menina é uma influência tão grande, tem tanto engajamento na rede, que é impossível ela não ser vista como uma verdadeira potência no cenário fashion. Não é toa que até mesmo a Vogue, que até então tinha certa aversão às Kardashian, colocou a Kendall no recheio mais de uma vez, e a irmã, Kim, na capa. Ou seja, é o que tem espaço online mostrando seu potencial offline.

Eu, honestamente, adoro a Kendall. Não só acho a menina linda de viver, como uma modelo de muito potencial (ela já fez umas campanhas incríveis!), tem um estilo super bacana e é divertidíssima nas redes sociais. Admiro mesmo e a considero uma das modelos mais importantes da atualidade, ao lado de nomes como Cara Delevingne (que é outra que manda muito bem no Insta, com mais de nove milhões de seguidores!).

Vocês curtem a Kendall? Já vi a irmã de Kim, Kourtney e Khloé em várias passarelas e sempre acompanho os editorais e campanhas que ela estrela e gosto demais do resultado! Parece mesmo levar o trabalho super a sério e tem feito de tudo para fazer o nome se destacar lá fora! O que vocês acham?