o que eu e Anna Oliphant temos em comum

anna e o beijo francês

se você me perguntar, eu não vou saber dizer quando foi que Anna e o Beijo Francês apareceu na minha vida a primeira vez. teve uma época, há alguns anos, que eu criei um hábito de passar horas andando pelas livrarias da Av. Paulista (a Livraria Cultura do Conjunto Nacional sempre foi uma preferida) e levar de volta para casa um livro novo.

tudo o que lembro é que li esse livro da Stephanie Perkins em menos de três dias, porque ele conquistou o meu coração completamente. acho que ninguém nunca entendeu exatamente porque Anna e o Beijo Francês foi tão marcante para mim – afinal, é um livro young adult água com açúcar, um romance que deixa o coração quentinho e nada mais -, mas na fase em que eu estava, ele conversou muito comigo.

eu me vi na Anna muitas vezes. a menina que não sabia muito como fazer amizades, que se apaixona pelo cara com um sotaque bonitinho e nutre um amor platônico que só acontece na cabeça dela por muito mais tempo do que deveria ser permitido por lei. eu achava, como ela, que era injustiçada e vítima de coisas que eu mesma causei. eu chorava muito e guardava ressentimentos e fazia coisas que não queria tanto assim pra provar um ponto.

enfim, Anna e eu éramos muito parecidas.

ela também tinha uma necessidade de pertencimento que eu sempre busquei. chegando em Paris, ela se sentiu perdida, meio sem saber o que fazer e querendo voltar pra casa. eu sempre tive esse desejo de voltar pra casa também (mesmo sem saber o que ‘casa‘ significava) e queria só me sentir aceita pelas pessoas ao meu redor. era uma necessidade de saber que tá tudo bem, sabe?

anna e o beijo francês

quando eu morei na França, passei um fim de semana em Paris com duas amigas e tinha uma única condição: eu precisava ir até Catedral de Notre-Dame tirar uma foto no Point Zéro, o local de onde saem todas as principais estradas da França, e fazer um pedido como o da Anna: ‘que se dane. deixe os fatos decidirem. eu desejo o que é melhor para mim‘. direto ao ponto. ainda bem, meu desejo se realizou e hoje eu vivo aprendendo todos os dias a escolher o que é melhor para mim – porque também é o melhor para todos.

naquele momento, em cima daquela estrela no meio da calçada do pátio da catedral, cercada de turistas que tentavam entender o que eu estava fazendo (e, obviamente, fizeram a mesma coisa depois de mim), eu me senti conectada com essa personagem e a sua realidade, que apesar de já estar bem longe da minha (eu já não era mais aluna colegial quando li esse livro a primeira vez), representava tudo o que eu sentia.

eu me senti feliz, sabe? de poder colocar os pézinhos na estrela e fazer o meu pedido de buscar o que é melhor pra mim pro universo. verdade seja dita, assim como a Anna, eu estava cansada de pensar no que eu queria e não queria e de tentar descobrir sozinha qual caminho eu deveria seguir. melhor deixar o universo decidir e esperar que eu esteja atenta o suficiente pra ver o sinal néon que ele coloca na minha frente toda vez que eu erro a rota.

anna e o beijo francês
eu e minhas botinhas surradas no Point Zéro, em 2014

hoje eu sei que não foi o universo que decidiu coisa alguma, mas eu que escolhi melhorar. já comentei que tava no meio do meu processo depressivo quando fiz essa viagem e que lembro de boa parte dela com o coração pesado – a dor que eu sentia era tamanha que passar um mês inteiro só na minha casa em Nice, mal saindo para as aulas, parecia totalmente aceitável.

mas, naquele momento, quando eu lembrei da Anna de pé ali, no seu primeiro passeio pela Cidade Luz, e o St. Clair dando às boas vindas pra ela em Paris, eu me senti confortada e esperançosa. talvez as coisas não estejam bem mesmo, mas, pelo menos, a Anna me ensinou que quando a gente se abre pra entender os outros, a gente percebe coisas que nunca viu antes e isso deixa a gente em paz. foi o que aconteceu com ela e comigo também.

ainda hoje eu reservo um tempo no ano pra reler esse livro – e toda vez é uma leitura diferente. cada novo virar de página eu descubro um detalhe da escrita da Stephanie que torna a história tão envolvente. cada vez que eu vejo a Anna se abrindo pra essa experiência de viver num país novo, eu me lembro dos desafios que eu mesma enfrentei e como mudei de lá para cá. não tem nada a ver com amadurecimento e tudo a ver com abertura: pra olhar pra fora da minha cabeça e entender que o mundo não gira a minha volta e que as pessoas precisam de mim tanto quanto eu preciso delas. e nisso a gente se ajuda e se fortalece, sabe?

e, nisso, a gente entende de verdade o que significa soltar um ‘eu desejo o que é melhor pra mim‘ pro universo. por que ele tá ouvindo, viu? e se o pedido for sincero, a resposta vem.

anna e o beijo francês

se você quiser dividir um pouquinho desse amor pela Anna (e por Paris!) comigo, pode comprar Anna e o Beijo Francês clicando aqui.

este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem criativa criada por desancorando + sernaiotto +serendipity  saiba mais sobre o projeto clicando aqui e confira os posts já publicados aqui.

projeto detalhes novo

detalhe: as flores do caminho

flores

eu gosto de morar onde moro porque tem um monte de verde. aqui perto de casa tem várias pracinhas e casas com jardins e eu fico encantada toda vez que saio na rua e vejo as florzinhas coloridas. ainda mais porque é primavera e essa época do ano tem um tanto de frô bonitinha, né?

daí que quando eu vou pra Coexiste ou comer na padaria, eu passo por uma casa que tem uma arvorezinha com essas flores branquinhas. não sei porque eu acho essas flores tão bonitinhas, mas elas são muito fofas! eu faço esse caminho todos os dias, e todos os dias eu me sinto dando um sorrisinho quando passo por ela e vejo as florzinhas.

flores

flores

eu trabalho de casa, né, e tem dias que faço questão de ir a pé até a Coe só porque é um momento que eu obrigatoriamente fico longe do computador e ainda mexo um pouco o corpinho. eu treino três vezes na semana, mas não custa nada movimentar um pouco mais as perninhas, né?

fazer esse caminho me deixa feliz – mesmo quando chove -, porque eu lembro que existe vida fora dessa caixinha cheia de teclas, eu escuto uma música gostosinha (200% de chance de ser kpop!) e tiro um momento pra respirar fundo antes de voltar pro trabalho. e é uma delícia ver essa árvore toda floridinha!

flores

flores

flores

eu gosto do formato dessa florzinha (apesar não saber o nome – alguém conhece?), das hastes verdinhas com pontinhas rosadinhas e o formato das pétalas, meio curvadas de dentro pra fora. é amorzinho, você não acha?

este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem criativa criada por desancorando + sernaiotto +serendipity  saiba mais sobre o projeto clicando aqui e confira os posts já publicados aqui.

projeto detalhes novo

como a papelaria faz parte da minha vida

mais um mês, mais projeto detalhes. e dessa vez com uma adição incrível. a Mel, do Serendipity, agora faz parte da nossa blogagem coletiva do amorzinho também, e eu não consigo nem colocar em palavras o quanto isso deixou Lominha e eu felizes. bem-vinda, Mel, e vamos juntas encher o mundo online de detalhes incríveis e cheios de amor.

a ideia do post de hoje era mostrar tudo o que a gente tem de papelaria. ou, pelos menos, os nossos itens preferidos de papelaria. e tirando fotos das coisas que eu uso, percebi que não tenho muitas. na hora fiquei encucada. eu era apaixonada por papelaria quando mais nova e tinha uma coleção gigantesca de papéis de carta que ninguém podia colocar a mão. hoje em dia… eu tenho coisas básicas, mas que cuido com muito carinho e que são essenciais pra montar o meu diário em tópicos.

papelaria

papelaria

o primeiro item é o caderninho. eu sou apaixonada pelos cadernos da Cícero, e o pontilhado virou o meu queridinho. eu, particularmente, acho que é a melhor maneira de montar um bujo. e dá para perceber que o pessoal da Cícero pensa muito na hora de montar esses cadernos, sabe? pra fazer com carinho e entregar um produto legal. o que eu estou usando agora, eu ganhei com o livro Diário em Tópicos (meu xodó) e tô amando essa capa bonitinha.

eu já mostrei por aqui as canetas que uso para isso, mas a minha favorita pra bujo eu demorei pra encontrar. é a Frixon, da Pilot, e ela é maravilhosa. fininha, de gel, e que apaga. ela tem uma borrachinha de silicone na ponta que você usa pra corrigir errinhos – e apaga mesmo, viu, não é como aquelas de antigamente que ficava um borrão na página.

papelaria

papelaria

papelaria

fora ela, as canetas Tombow são as minhas queridinhas. essa cor-de-rosa é a favorita de todos os tempos e uma das que eu mais uso, com certeza. a Mildliner verde que eu comprei há pouco tempo virou outro xodó também ♥. eu também uso duas washi tapes: uma rosinha e uma verdinha, que eu comprei durante os meus passeios pela Liberdade!

eu sou a louca do post-it, e uso muito esses pequenininhos pra fazer anotações e alguns outros detalhes no caderno. esse grampinho rosa me salva na hora de deixar as páginas certinhas e sem que o caderno fique fechando sozinho só porque tá muito cheio haha.

papelaria

o que eu percebi, principalmente, é que não existe nada de papelaria que seja mais importante para mim hoje do que ter uma caneta e um pedaço de papel. porque aí eu crio o que é importante pra mim, sabe? a papelaria vira cada lettering que eu faço, cada washi que eu colo ali, cada frase que eu encontro e coloco ali com carinho, sabe?

papelaria

papelaria

este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem criativa criada pelo desancorando, sernaiotto.com e serendipityvocê pode saber mais sobre clicando aqui.

projeto detalhes novo

 

 

aquele domingo em que entendi que sou gostável

 

domingo evento de tutoria

tem momentos que parece que a gente tá vivendo dentro de um filme. as cenas se movem em câmera lenta, a gente parece viver num universo paralelo, suspenso no tempo-espaço, um mundinho só nosso e que é inquebrantável. invulnerável. feliz.

domingo passado foi como um filme, mas repleto de realidade. eu acordei voluntariamente às 9h15 pra tomar um banho gostoso. colocar uma roupa escolhida com carinho (e que era 50% emprestada, 50% minha). fazer uma maquiagem confortável e tomar uma xícara de café. tava meio frio. tava chovendo também. mas esse foi só um detalhe no dia em que eu lembrei que sou gostável.

domingo evento de tutoria

domingo evento de tutoria

domingo aconteceu o 12º Evento de Tutoria e Integração de Turmas da Coexiste. é um evento para alunos e professores, em que a gente passa o dia inteiro junto relembrando o nosso compromisso uns com os outros e com o mundo. é um dia em que a gente fica mais de 12 horas aproveitando a companhia das pessoas, sorrindo sem motivo, abraçando só porque pode, cantando alto, pulando, dançando, comendo, mas, principalmente, amando.

domingo evento de tutoria
Lu e Eri (os roomies!), Luminha e eu ♥

domingo evento de tutoria

nesse evento, alunos como eu recebem um tutor e um professor que vão acompanhar o nosso processo e evolução nos cursos da Coe pelos próximos meses. são duas pessoas que vão cuidar da gente, ajudar nos momentos de dificuldade, clarear a mente quando ela ficar confusa e, principalmente, ser uma lembrança pra gente de que a vida é leve, é feliz e de que o relacionamento verdadeiro é possível.

domingo evento de tutoria
Clau e Carol ♥
domingo evento de tutoria
Kaw Yin e Yan Yin com os envelopes de tutores e professores

sabe, o evento desse ano rolou num lugar super legal ali perto da Marginal Tietê. tinha um bosque. e flores bonitas. tinha chá e pão de queijo. tinha pudim de leite de sobremesa. tocou Anitta e Black Eyed Peas. a gente cantou as músicas do Kaw Yin também. a gente chorou muito percebendo o carinho em cada detalhe.

a gente tirou muitas fotos. fez muitos Stories. teve gente que fez live. a gente tirou uma selfie com t o d o  m u n d o que eu tenho certeza que é uma das mais alegres que o mundo já viu. a gente ficou conversando sobre a vida deitado no sofá. a gente trocou declarações de amor verdadeiras. agora eu tenho a Clau e a Carol pra me levarem pela mão quando eu me sentir meio perdida. tenho também um copo lindão de lembrança desse dia incrível.

domingo evento de tutoria

domingo evento de tutoria

domingo evento de tutoria

mas o principal é que eu entendi, sabe? entre uma dinâmica e outra. entre uma florzinha e outra, uma selfie e outra. eu entendi que tenho as costas quentes, que tenho uma galera comigo nessa jornada. e que a gente tá indo todo mundo pro mesmo lugar. eu entendi que as pessoas gostam de mim. e que eu gosto delas, sabe? eu gosto mesmo.

domingo evento de tutoria

domingo evento de tutoria

domingo evento de tutoria

a gente fez uma foto da nossa turma. começou AVP 14 – curso A Verdade Presencial, turma 14. agora é Pós 8. e eu amo essas pessoas. amo muito. eu confio nelas. a gente se cuida, se apoia um no outro. se leva junto pelo mesmo caminho. se um tropeça, a gente se dá as mãos pra ajudar a levantar. ou carrega no colo mesmo, o que for mais fácil. mas a gente vai junto. e vai longe. e vai com o coração cheio de amor e a lembrança de um domingo em que cada um de nós entendeu que, acima de tudo, é gostável e gosta. de si mesmo. do outro. da florzinha. do abraço. do pudim. do copo lindão. de todos.

domingo evento de tutoria

este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem criativa criada pelo desancorando e o sernaiotto.com. você pode saber mais sobre clicando aqui.
projeto detalhes

como fazer o fantástico chá de mel com limão da maki

chá de mel com limão

quando eu e a Lominha decidimos os primeiros temas do detalhes, mostrar uma receitinha que a gente ama seria um dos posts. na hora, eu nem pensei muito sobre isso, mas senti a pressão de fazer um post sobre uma receita quando bateu quarta-feira e eu não tinha ideia do que falar.

pra ser bem sincera, eu me viro bem na cozinha, mas não sei fazer nada muito extraordinário. em parte por falta de tempo, em parte por falta de planejamento, eu me mantenho no básico. não fico com fome, mas as pessoas também não pedem pra eu cozinhar pra elas. o que eu posso ensinar, então? a resposta que me veio foi a mais simples: um chá. eu vou ensinar as pessoas a fazer um chá.

o meu chá preferido é de mel com limão. eu não tomo todos os dias, mas sempre que preciso de um afago extra no coração, eu recorro a ele. também é tiro e queda quando eu tô meio resfriada ou gripada e me ajuda a dormir melhor. então, essa é a receita de hoje: como fazer o fantástico chá de mel com limão da maki. o nome foi inventado pra não parecer que a receita é muito mais simplória do que a realidade, mas eu garanto que é bem delicinha. ♥

você vai precisar de:

  1. um limão
  2. mel à gosto
  3. água
  4. uma leiteira
  5. a sua xícara preferida

o truque é cortar algumas rodelas de limão (eu sempre opto por 2 ou 3 porque acho que o gosto de limão fica mais forte) e colocar na leiteira junto com a água para esquentar. eu normalmente coloco o equivalente à uma xícara e meia de água, porque, quando esquenta, ela evapora um pouco e dá a medida certinha pra mim.

chá de mel com limão

 

chá de mel com limão

o segundo truque é não deixar a água ferver completamente. isso ‘queima’ o limão e ele perde as propriedades mágicas e todas as coisas boas que tem dentro dele e que te fazem sentir bem. eu coloco cinco minutos no relógio, com a água no fogo de médio para baixo e desligo quando as bolinhas já estiverem visíveis e subindo.

o terceiro (e último, juro!) truque é colocar o mel no fundo da xícara antes de despejar a água. é bom, porque ele dissolve quando você joga á água por cima e já fica tudo misturadinho e pronto pra tomar. a quantidade vai do gosto, mas eu coloco uma colher de chá de mel.

chá de mel com limão

‘mas, Maki, só chá com limão e mel é bom?’ é, sim! é uma delícia e fica gostosinho pra tomar num dia friorento de frente pra janela, olhando o movimento da rua, ou quando você tá deitada na cama lendo aquele livrinho delicinha antes de dormir.

se você quiser, dá pra complementar com outras coisinhas gostosas: um pouquinho de gengibre (que é ótimo pra garganta e pra quem tem problemas respiratórios) ou um pouco de cravo (eu recomendo uns quatro cravinhos). os dois dão uma mexida no gosto, é só adaptar ao seu paladar, tá bom?

chá de mel com limão chá de mel com limão

e, depois de todo esse processo incrível que leva no máximo 10 minutos (num dia que você tá meio devagar), voilá! tá tudo pronto e você pode passar a sua manhã aproveitando esse cházinho e pensando no quanto é bom começar o dia respirando fundo e que vale a pena a gente desacelerar de vez em quando.

chá de mel com limão

qual o seu chá preferido? me conta nos comentários!

este post faz parte do projeto detalhes, uma blogagem criativa criada pelo desancorando e o Sernaiotto.com. você pode saber mais sobre clicando aqui.

projeto detalhes