amorzices: um pouco sobre ser gentil

amorzices gentileza

foram poucos os momentos da minha vida em que eu fiquei verdadeiramente revoltada, mas um deles foi lendo O Lado Bom da Vida, do Matthew Quick. não me pergunte o porquê, mas a mesma revolta que eu senti lendo o livro, eu senti com o filme, um misto de ‘mas o quê?‘ com ‘não sei se peguei o que está acontecendo aqui‘. ainda assim, tem uma frase do personagem principal, o Pat, que me acompanha desde esse primeiro contato com a história:

“estou praticando ser gentil em vez de ter razão”.

meio que um tiro na testa, né? eu consigo pensar com muita clareza, hoje, nas vezes em que preferi ter razão a ser gentil. e tudo bem, sabe? no momento, parecia muito importante eu ter razão, e chorar pelo leite derramado não me faz voltar no tempo e agir de forma diferente.

o que fico pensando é que talvez a gente nem saiba exatamente o que é ser gentil, sabe? porque a gentileza não é educação. não é você fazer coisas pelas outras pessoas esperando quitar a sua dívida com o universo e ganhar um lugar no céu. sabe? não tem nada a ver com karma.

ser gentil é… amar. é cuidar. é fazer o que é melhor pra todo mundo só porque você sabe que todo mundo e você são a mesma coisa. não tem nada de ‘vou fazer porque é certo‘, ‘vou fazer porque é educado‘, ‘vou fazer porque eu espero ganhar alguma coisa em troca‘. ser gentil é ser quem você é e lembrar as pessoas disso também.

me vem na cabeça, de novo e de novo, que a gente tá sempre muito acostumado a pensar só na gente. em como a gente pode se sair bem de alguma situação, como ganhar alguma coisa no fim do jogo, de ‘sair na vantagem‘. só que isso não é gentil. percebe?

amorzices gentileza

ser gentil é ser carinhoso. é não se privar de sentir coisas gostosas e demonstrar o quanto você gosta de alguém. é segurar a porta pra alguém passar porque você não tá com pressa de chegar primeiro. é dar bom dia pro cobrador do ônibus porque ele deve ver tanta cara feia o dia inteiro que tem certeza que é invisível pras pessoas. é fazer uma xícara de chá e tirar uma pausa quando você não consegue escrever, porque forçar a barra alimenta uma violência mental, e você fica brigando consigo mesma até jogar a toalha e sair batendo o pé pela casa.

é isso. ser gentil é não ser violento – com o outro ou com a gente mesma, mesmo que só na nossa cabeça, só em pensamento. às vezes é bom, sabe, a gente parar pra pensar um pouquinho e lembrar o que significa ser gentil. eu criei uma listinha pra ajudar ó:

ser gentil é:

  1. desistir de ter razão
  2. não brigar com você mesma na sua cabeça
  3. prestar atenção de verdade quando alguém fala
  4. observar o que tá acontecendo antes de sair por aí falando o que dá na telha
  5. tentar entender como a outra pessoa está se sentindo (e oferecer conforto, sabe?)
  6. dar atenção pra quem tá pedindo atenção (e não soltar um ‘agora não tenho tempo pra você‘)
  7. aliás, esquecer o tempo e fazer o que você precisa fazer com calma e presença
  8. ler um livro querendo entender o autor
  9. oferecer carinho quando o carinho é devido
  10. oferecer o silêncio quando o silêncio é devido
  11. pensar duas vezes antes de soltar aquele comentário raivoso na internet (a gente já falou sobre isso, lembra?)
  12. responder uma mensagem com carinho em vez de pressa
  13. comer prestando atenção no que você tá comendo
  14. ficar ligada no que você tá sentindo e desistir das coisas ruins (tipo raiva. ninguém merece sentir raiva)
  15. cuidar. de você mesma e de quem tá pertinho (ou longe – oi, Lominha! ♥)
  16. não escolher especiais e tratar todo mundo do mesmo jeitinho carinhoso
  17. não julgar

gentileza é natural de todo mundo. não tem alguém que é mais ou menos gentil, tem só um pessoal que esqueceu que isso é assim, entende? e a nossa função é lembrar as pessoas que essa gentileza está aí, que ela existe, e que ela é nossa. a gente merece viver num mundo gentil, você não acha?

amorzices gentileza

me conta: o que é gentileza pra você?

você pode fazer parte dessa blogagem coletiva com a gente. o amorzices é um projeto mensal, publicado todo dia 15, criado pelo trio amorzinho Sernaiotto + Serendipity + Desancorando e que terá um tema de base: amor. a partir daí, a gente vai falar sobre um monte de coisas. o tema de fevereiro é ‘gentileza’. então, faz um post no seu blog e deixa o link nos comentários pra gente ver também, tá bom?

amorzices: 5 blogs para acompanhar (e amar muito)

amorzices blogs para acompanhar

eu, Mel e Lominha criamos o amorzices porque a gente queria colocar mais amor na internet. mas é meio impossível a gente fazer isso sem indicar blogs que a gente ama e tem acompanhado, por exemplo. por isso, quando a Loma deu a ideia de fazer esse mês um post com blogs para acompanhar este ano, eu fiquei muito feliz com a ideia de poder, de novo, distribuir um pouquinho de amor por quem tem se esforçado em manter a blogosfera viva.

então, sim! apesar de já ter feito essa ronda do amor antes (aqui e aqui) achei incrível a oportunidade de poder fazer isso mais uma vez e mostrar os blogs que tenho acompanhado (com muito carinho) nos últimos tempos e sugerir que você faça o mesmo!.

1.e agora, Isadora?

eu amo o blog da Isa de um tanto! além de escrever muitíssimo bem (e ser mega divertida nos textos), eu adoro as temáticas que ela aborda, que vai de decoração à plantinhas para ter em casa quando você também tem gatos. o layout é uma graça e dá pra passar horas ali lendo cada um desses textos acompanhado de uma xícara de chá.

2.outro blog

a Kat é tão fofa! eu adoro as fotos que ela faz e os posts que escreve. tem uma leveza e uma intimidade, sabe? a gente se sente íntima dela lendo os posts do blog. ela e o marido estão de mudança pra Polônia esse ano e vai incrível acompanhar por lá essa nova fase.

3.candy deer

descobri esse blog porque, uma vez, ele me citou em um post sobre bullet journal. desde então sigo apaixonada pelas fotos da Lai. uma mais linda que a outra, uma verdadeira fonte de inspiração. sigo apaixonada pelo feed dela no Instagram também. coisa mais maravilhosa e cheia de delicadeza.

amorzices blogs para acompanhar

4.the Anna edit (em inglês)

eu já nem lembro como cheguei no blog da Anna, mas adoro o conteúdo que ela faz. os posts são super completos e detalhados, a linguagem é muito gostosinha e ela é do tipo que ama compartilhar a vida com os leitores. e ela sempre tem dicas práticas incríveis.

5.casal das gerais

a Wanila (eu amo tanto esse nome!) é uma fofa e vive comentando por aqui ♥ (oi, Wan!). adoro que ela coloca no blog coisas bem do dia a dia, sabe? os livros que ela está lendo, uma receita fácil que fez no fim de semana, uma série gostosa pra maratonar… tudo bem levinho e feito com carinho!

eu já falei que eu amo blogs? MEU DEUS, EU AMO BLOGS! óbvio que aqui não poderiam faltar os próprios blogs da Lominha e da Mel, que me inspiram desde que tudo isso aqui era mato e a gente precisava de um discador do IG pra conectar na internet (mentira, não faz tanto tempo assim).

qual blog você ama acompanhar esses dias?

você pode fazer parte dessa blogagem coletiva com a gente. o amorzices é um projeto mensal, publicado todo dia 15, criado pelo trio amorzinho Sernaiotto + Serendipity + Desancorando e que terá um tema de base: amor. a partir daí, a gente vai falar sobre um monte de coisas. o tema de janeiro é ‘blogs para acompanhar em 2018’. então, faz um post no seu blog e deixa o link nos comentários pra gente ver também, tá bom?

amorzices: o que eu amo nessa época do ano não é uma coisa

amorzices 2

é estranho eu não ter muitas lembranças de Natais passados e férias de verão? sei lá, eu tenho algumas memórias de abrir presentes debaixo da árvore, ir pro Guarujá no Ano Novo e comer muito tender com molho de mel na ceia (e a decepção de saber que tender é carne vermelha?). ok, talvez eu tenha exagerado ao dizer que não tenho muitas lembranças, mas acho que é porque o que eu mais amo nessa época não é a ceia ou o Natal em si ou os presentes. é o tempo.

estranho pensar em como o tempo é um ‘bem‘ precioso ao mesmo tempo que ele não tem significado nenhum. quero dizer, é muito estranho as pessoas acharem normal que aqui no Brasil é manhã e na Coreia é de noite e dizer que isso envolve alguma verdade universal com um selo de as coisas são assim mesmo™ e a gente tem que aceitar.

ao mesmo tempo, eu lembro de gostar da sensação de poder acordar a hora que quisesse, mas levantar cedo pra passar o dia envolta dos meus livros, entrando em histórias maravilhosas e usando as horas de sol pra desbravar novos universos e sonhar com personagens fictícios.

hoje é diferente. eu não tenho pausas tem mais de três anos (quatro anos? já nem lembro mais) por escolha própria. e nos poucos momentos em que me permito ficar sem fazer nada (e por ‘não fazer nada‘ entenda: não trabalhar) eu penso que deveria estar fazendo coisas que não estou fazendo e esse é um loop eterno do qual a gente não sai nunca e nos custa alguns neurônios nesse processo que chamamos de vida.

pra ser sincera, eu nunca fui muito fã de férias porque eu amava estudar. ainda amo, mas essa minha mania de achar que o trabalho é a coisa mais importante da vida (não é) não me cedeu o bom e velho tempo pra voltar a estudar coisa alguma. ainda assim, lembro com carinho dos dias que eu passava deitada na cama ou encolhida num dos cantos do sofá lendo um livro novo enquanto meu irmão jogava videogame ou o meu pai assistia o jornal.

talvez, então, o que eu mais ame dessa época do ano sejam as histórias. histórias essas que vinham dos milhares de livros que eu me dispunha a ler enquanto tomava xícaras e mais xícaras de Toddy com leite (Toddy rainha, o resto nadinha), das fanfics que passava horas procurando (Draco x Gina melhor ship) e dos personagens que eu descobria e inventava diariamente, e que me faziam companhia nos dias longe da escola.

amorzices 2

pra ser sincera, eu me sentia muito sozinha – e essas histórias, elas me faziam companhia de alguma forma. elas me lembravam que eu não estava só e que tudo bem eu aproveitar esse momento para recuperar as energias, pra acordar cedo mesmo podendo dormir até tarde, porque eu tinha as minhas histórias para ajudar com o processo.

não é à toa que Harry Potter é um dos meus livros preferidos e, possivelmente, a lembrança mais vívida que eu tenha das férias. ele era meu melhor amigo, meu companheiro de aventuras, ele tinha dificuldades como as minhas e ele também se sentia sozinho numa escola cheia de pessoas incríveis. ele precisou se abrir pros próprios amigos e lembrar que ele não precisava enfrentar tudo isso com o coração solitário e eu, querendo ou não, descobri a mesma coisa ao longo do tempo.

eu passava os meus dias sonhando acordada, esperando que o mundo resolvesse a minha solidão de um dia pro outro, de uma hora pra outra. mas mesmo isso parecendo uma coisa ruim, mesmo parecendo triste e sozinho e sem graça, eu sou muito grata por esses dias de tempo livre. sem eles, não dá para dizer que eu conseguiria hoje perceber que é muito mais legal ficar junto das pessoas que eu amo do que sozinha num quarto, ouvindo Avril Lavigne e Blink 182 e lendo histórias que não são reais.

eu ainda amo ler. ainda amo histórias. mas hoje eu acho mais legal compartilhar cada uma delas com vocês, pra gente aproveitar junto, sabe? e, assim como o Harry, eu percebi que é bem mais fácil passar por tudo lado a lado com pessoas que têm a mesma meta que eu e que se comprometeram a sempre ser a verdade sobre mim, pra que eu não pense que sou outra coisa além do que eu sou.

no meio do caminho, eu fico aqui pensando porque ainda faço como Hamilton e escrevo como se tivesse ficando sem tempo e lembrando dos dias em que não fazia nada e coletava milhares de histórias pra guardar no coração.

amorzices 2

você pode fazer parte dessa blogagem coletiva com a gente. o amorzices é um projeto mensal, publicado todo dia 15, criado pelo trio amorzinho Sernaiotto + Serendipity + Desancorando e que terá um tema de base: amor. a partir daí, a gente vai falar sobre um monte de coisas. o tema de dezembro é ‘o que você ama dessa época do ano?’. então, faz um post no seu blog e deixa o link nos comentários pra gente ver também, tá bom?

amorzices: como recuperar o amor pela blogosfera?

amorzices blogosfera

acho que o meu maior trabalho, nesse momento, é conseguir trazer um pouquinho mais de amor pra todos os lugares. mesmo que indiretamente, o blog nasceu desse meu desejo, né? e percebi que qualquer oportunidade de fazer isso vira uma prioridade na minha vida. daí, quando a Mel e a Lominha toparam a ideia de criar mais um projeto de blogagem coletiva, que mostrasse como colocar o amor em todas as coisas, eu fiquei tão feliz que quase chorei.

o amorzices nasceu dessa nossa vontade de colocar mais amor na web – independentemente da forma – e por que não começar falando de um lugar mais palpável pra gente? a própria blogosfera precisa de salvação, você não acha?

pensando sobre o tema desse post, eu tive um daqueles momentos ‘nossa, que ideia incrível‘, não anotei a tal ideia na hora e ela escapou por entre os meus dedos como água. e o quão metalinguístico é isso? como não fazer isso o tema do próprio post e ser o gancho que vai ajudar a gente a colocar um pouco mais de amor nesse assunto?

porque assim: já que eu esqueci a ideia que eu acho que é brilhante, nada do que eu escrever vai parecer tão bom quanto. e aí eu escrevo o post com essa sensação de ‘isso não é tão legal, mas tá valendo‘. e eu clico em ‘publicar‘ com isso em mente. e eu divulgo o post com isso em mente. e eu olho pra ele depois de um tempo e penso ‘não ficou tão incrível quanto a primeira ideia que eu tive (e não lembro), mas pelo menos o post saiu‘.

deu pra perceber onde eu tô indo com isso,né?

toda vez que a gente escreve um post ou um comentário achando que a gente é menos importante ou menos incrível ou pior do que qualquer outra pessoa, a gente tá colocando essa vibe na blogosfera. essa coisa de ‘não é tão legal quanto, mas tudo bem‘. de ‘eu nunca vou fazer igual, mas pelo menos posso deixar um comentário‘. a gente se ignora. se diminui. e de quebra diminui o amiguinho junto.

amorzices blogosfera

eu vou contar um segredo que, na verdade, acabou de me acertar aqui que nem um saco de tijolos na cara: quando a gente fala mal de si mesmo, fala mal do outro também. então, se você se diminui quando lê um post meu e diz que ‘nunca faria tão bom quanto‘, você me diminui também. eu sumo. eu apago. e eu me sinto mal comigo mesma. e a gente fica nesse loop.

daí a gente volta pra primeira pergunta. como recuperar o amor pela blogosfera? e acho que a única resposta plausível pra isso é: se permitindo. se permitindo amar blogs e aceitando que eles são amáveis. parando um segundinho pra pensar em quem escreve na hora de comentar. ‘puxa, o que essa pessoa ia gostar de ouvir sobre isso que ela acabou de escrever?‘. pensando em quem te lê também. ‘nossa, será que eu tô escrevendo isso com carinho, pensando nas pessoas que me acompanham?‘. divulgando com carinho e colocando essa vibe de amor até na hora de escrever o tuíte com o link. ‘olha aqui esse post que eu escrevi com carinho, leva um pouquinho pra você‘.

de tanto falarem que os blogs vão acabar, eu acho que eles decidiram voltar com força só pra provar o contrário. e aí é o nosso trabalho usar mais essa ferramenta pra distribuir carinho na internet e não reforçar essa coisa de ‘blog é melhor que youtube, sai daqui com essa câmera!‘. imagina. por que a gente vai falar mal da gente (e do youtuber, tadinho) desse jeito?

o que é distribuir amor pela blogosfera, se não lembrar de viver o amor que a gente já é. daí ele nem fica reservado só pros blogs, né? vai pra todo lugar, pra todos os lados, e a gente tem uma galera ajudando a gente nessa tarefa. coisa doida. a gente se une na meta do amor. dá até uma emoção. cai uma lagriminha que a gente limpa disfarçadamente pra não parecer manteiga derretida (sem sucesso, claro).

recuperar o amor pela blogosfera e na blogosfera é isso. é escrever com carinho pensando em fazer a pessoa do outro lado da tela se sentir melhor, abrir um sorriso, ficar o dia todo com um quentinho no coração. é deixar um comentário que reconhece que quem lê e quem escreve são parças numa coisa muito maior do que um texto publicado na internet. é reconhecer o carinho que tem ali, em cada palavra, em cada foto, em que cada hora dedicada a um projeto que, vamos combinar, não é o trabalho de muita gente.

amorzices blogosfera

é também compartilhar aquele texto muito amor que a gente leu no blog daquela pessoa que adora pra outras pessoas terem acesso a esse carinho também. ‘vai, textinho, distribui o seu carinho pra essa galera da minha timeline também, eles precisam disso tanto quanto eu‘. é deixar um like quando vê o link passando pelo Facebook, mesmo sem tempo de ler, só porque sabe que o que tem ali é o que você quer de verdade (amor, se não ficou claro). é mandar uma mensagem no Twitter quando você não consegue ler os posts das amigas, mas sabe que elas seguem funça. ou mandar um recado no Messenger só lembrando alguém que você admira que ele tá fazendo um bom trabalho.

é, às vezes, não fazer nada disso: só ler um texto, receber todo esse carinho em forma de palavras e levar ele com você pra distribuir entre as pessoas que você encontrar no seu dia. é voltar pra ele quando você precisa de um afago e lembrar que tanto faz o formato – se é vídeo, foto, textão -, a mensagem é sempre a mesma. o amor existe. e ponto final.

você pode fazer parte dessa blogagem coletiva com a gente. o amorzices é um projeto mensal, publicado todo dia 15, criado pelo trio amorzinho Sernaiotto + Serendipity + Desancorando e que terá um tema de base: amor. a partir daí, a gente vai falar sobre um monte de coisas. o tema de novembro é amor na blogosfera. então, faz um post no seu blog e deixa o link nos comentários pra gente ver também, tá bom?