Na Web #24

Queria começar este post dizendo que estou com uma ressaca de pastel, crepe, paçoca, pé de moleque e todos os outros quitutes deliciosos que só se encontra em uma verdadeira festa junina! Meu Deus, como eu dancei e ri na festa que fui ontem! Vocês não têm ideia! Não lembro da última vez que me diverti tanto assim! O que aconteceu em ótima hora porque no dia anterior estava escondida embaixo das cobertas com febre e dor de garganta.

Como foi a semana de vocês? A minha foi bem boa. Aliás, aproveitando que tenho falado tanto desse assunto por aqui, queria anunciar: TIVE MAIS UMA  ALTA DO PSIQUIATRIA! (ou seria baixa? Fico confusa com esses termos). Ontem tive consulta e o meu médico achou que eu estava bem o suficiente para aguentar quatro meses antes da próxima sessão. É muita alegria ver que a minha evolução já chegou nesse ponto!

na-web-24

Bom, sem mais delongas, vamos aos links dessa semana!

1. Reflexão: somos muito ansiosos?

2. Elle Brasil, a primeira revista nacional a entender a necessidade de mudar o jeito de falar de moda

3. 5 vantagens de um guarda-roupa resumido

4. A forma como você consome moda está mudando

5. I watched my ex fall in love with someone else on Facebook (link em inglês)

6. Ser feliz é para os corajosos

7. Massacre na internet

O que vocês acharam? Curtiram?

 

O funcionamento da mente insegura

Li no jornal a história daquela menina que ficou super famosa fazendo o que ama. Foi uma história tão bonita, tão inspiradora… Juro que sonho todos os dias em ser assim também… Em ter coragem de pedir demissão desse trabalho que já não me satisfaz há muito tempo e dominar o mundo com os meus talentos…

Mas, sejamos honestas, eu não sou essa menina. Nem de longe. Não tenho nem um terço da beleza ou do talento dela. Se eu tentasse fazer o que ela fez, com certeza falharia. Por isso, é melhor eu nem tentar, melhor evitar a humilhação certa e deixar as coisas como estão. Prefiro evitar os comentários maldosos e as risadas pelas minhas costas.

insecure

Aliás, essa menina usa umas roupas tão legais. Queria me vestir como ela. Até tenho um vestido bem parecido com o que ela usou na foto da reportagem no armário, eu poderia usar manhã naquele barzinho com os amigos… Mas, , eu tenho as pernas muito grossas, não fico bem de vestido. Ele também é meio solto então parece que eu tenho 20 quilos a mais. Talvez se eu fosse um pouco mais alta ou um pouco mais magra ficaria bem com um look assim… É tão bonito.

Eu até poderia fazer como ela e usar um batom diferente, vermelho, tentar mudar um pouco a cara de todos os dias. Ai, mas e se todo mundo ficar olhando pra mim? Melhor não, não quero nem saber o que vão pensar de uma menina sem graça como eu usando uma coisa assim.

Seria tão legal se eu tivesse esse tipo de confiança. Eu faria tanta coisa. Mas eu sei que sou comum, simples, desimportante. Melhor evitar passar vergonha e continuar a minha vidinha de sempre, quietinha, no meu canto, sem incomodar ninguém.

Eu queria tanta coisa pra minha vida. Mas sei das minhas limitações, da minha insegurança. Eu não tenho esse tipo de criatividade, muito menos de dedicação. Eu não sou assim, sabe? Eu até poderia tentar… Mas já sei que não vai dar certo. Melhor ficar com o que eu sei. A vida não pode ser incrível para todos… ?

Queria ser como a menina bem-sucedida. Ter ideia do que eu desejo de verdade para a minha vida e conseguir correr atrás para conquistar os meus sonhos. Ter esse tipo de força de vontade, sabe? Mas eu não sou assim, confiante. E o que tem de extraordinário em mim? Nada. Eu sou só isso, essa junção de poucas ideias, de poucos talentos e muito medo. Eu não sei ser outra coisa além disso. Para mim, sempre vai existir aquele ‘mas‘ que coloca as coisas em perspectiva e lembra o meu lugar na cadeia alimentar. Lá embaixo, junto com o krill e os fungos.

Deixe as grandes conquistar para o rei da floresta, menina! Em comparação com ele,você não passa de um gatinho domesticado e indefeso. Seu lugar é esse.

Eu queria conquistar o mundo… Mas.

Na Web #23

Queria começar esse Na Web dividindo uma coisa muito legal que aconteceu comigo essa semana, relacionada ao blog. Gente, eu tive o Manias de Moça por cinco anos – CINCO ANOS – e nunca, nunca, recebi tantos comentários legais quanto nesses pouco mais de sete meses de Desancorando.

Tanto o post em que eu falo sobre suicídio quanto no sobre o look militar meets boho a resposta que eu recebi de vocês, pessoas maravilhosas que me leem, tem sido incrível. Essa semana eu não só li muitos comentários queridos, mas também recebi um email fantástico de uma leitora que me deixou super emocionada. Tudo isso tem me incentivado demais e me inspirado muito mais do que eu jamais imaginei, então, OBRIGADA! Vocês são demais!

na-web-23

Dito isso, voltando ao assunto do post, essa semana eu encontrei um monte de links bacanas para dividir por aqui. Espero que vocês gostem!

1. Sem tristeza no Dia dos Namorados

2. 22 razões porque ser fangirl nos anos 90 era sofrido, mas muito mais legal!

3. Quanto mais selfies, mais compras

4. Por que resoluções de Ano Novo não dão certo ou você não consegue alcançar os seus objetivos

5. Em um relacionamento sério comigo? Não, com meu celular

6. If you’re worried about what other people think of you, consider this (*link em inglês!)

Têm alguma sugestão de link? Deixem nos comentários!

Covers maravilhosos para um dia maravilhoso

Acho que comentei muitas vezes como a música me influencia. Eu sou, de verdade, apaixonada por música e amo como ela consegue passar sensações e mudar o humor em apenas alguns minutos. De verdade, acredito mesmo que ler e ouvir música são algumas das coisas mais incríveis que essa nossa vivência na Terra nos proveu (exagerada? Imagina!).

imagine-dragons

Daí que eu adoro os vídeos da BBC Radio 1. Não sei se vocês já viram, mas eles sempre convidam bandas ou cantores(as) para se apresentarem ao vivo na rádio, e toda vez eles gravam um cover e o vídeo é colocado no Youtube.

Tem cada cover incrível e super criativo que eu fico de cara! E algumas versões maravilhosas que eu gosto mais até do que as músicas originais. As minhas preferidas até agora são as do Imagine Dragons e do Bastille. Duas bandas incríveis fazendo cover de duas musas pop: Taylor Swift e Miley Cyrus.

Uma versão que não sai da minha cabeça tem dias é a versão da Tove Lo da música See You Again, criada pelo Wiz Khalifa para o filme Velozes e Furiosos 7, em homenagem ao Paul Walker. Posso ouvir essa música o dia inteiro!

E Ellie Maravilhosa Goulding fazendo o Justin Timberlake e cantando Mirrors? Eu LOUCA com essa música.

Dá bem pra perder um dia inteiro ouvindo todos os covers legais que tem ali! Eu tô viciada e acho que uma música boa pode mesmo mudar o dia de qualquer pessoa, passo minhas tardes trabalhando com essas músicas no fone e é impossível eu não ficar animadinha com algumas dessas versões.

Vocês curtem covers? Eu confesso que sempre procuro vários quando tô viciada em uma música, pra variar as versões!

 

Carta aberta para a Sofrência

Outro dia estava pensando em você. Pensei no quanto éramos próximas, mas como a nossa relação era tóxica, como era com o medo (que insiste em me visitar, de tempos em tempos). Na verdade, a minha vida está cheia de relações assim que eu estou tentando, sinceramente, cortar de vez.

Sabe, Sofrência, me peguei refletindo sobre como as coisas seriam fáceis se você não me obrigasse a transformar tudo em uma peça grega de proporções trágicas. Eu sei, muitas vezes eu me aproveitava de você para continuar no papel de vítima e não tomar as rédeas da minha própria vida. Não pense que não me martirizei por isso.

sofrência

Eu sempre gostei muito de você, Sofrê. De verdade, eu amava como você distorcia a minha visão e me fazia jogar a culpa das coisas nos outros. Afinal, você deixava bem claro que eu nunca tinha culpa de nada.

É tão mais fácil culpar os outros, ? Não tomar a responsabilidade de nada e colocar no ombro alheio as decisões sobre a sua vida. “Eles não gostaram de mim, por isso não consegui o emprego“. “Meus pais não têm dinheiro, por isso não fiz aquele curso“. “Aquele cara era um babaca, por isso terminou comigo“. O problema nunca foi comigo, então tá tudo certo.

Sofrência, eu quero que você vá embora. Não aparece aqui mais de mãos dadas com o medo para me fazer deitar em posição fetal e chorar até dormir. Não destrua mais os meus dias com os seus rancores e desejos de autoafirmação. Acredite quando eu digo: ninguém gosta quando você está presente, e nas ruas você é conhecida como ‘mimimi‘. Não é um elogio.

Viver com você é muito cansativo, sempre foi. Mas acho que só agora eu tenho consciência de como dói ter você montada nos meus ombros. Tenho certeza que a minha péssima postura é por culpa sua.

Cansei de travar uma batalha medieval comigo mesma toda vez que preciso tomar uma decisão. Espero que você entenda que isso não só é chato, como já me encheu o saco. Eu já não tenho mais paciência para os seus ataques, Sofrência. Cansei mesmo, sabe?

Eu estou aprendendo a levar a vida com mais leveza, e nessa nova vida não tem espaço para você. Nessa vida, tudo é mais fácil e tranquilo e eu estou cada vez mais convencida de que você é só mais uma criação da minha mente, tentando me prender a uma vida que eu já não amo.

Eu preciso mudar, Sofrê, e a mudança pede que você vá azucrinar outra pessoa. Aliás, é melhor que você suma de uma vez, porque ninguém merece sofrer tanto assim. Ninguém merece sofrer, ponto.

Sentir paz é tudo o que eu mais quero. Deixar a vida me mostrar o caminho naturalmente, não deixar você alimentar o medo que ainda existe em algum lugar escuro do meu coração.

Não quero mais viver essa existência sofrida, que busca nos sentimentos ruins as justificativas para a minha falta de ‘sorte’ (se é que a sorte existe). Passar dia após dia convivendo com você me fez ansiosa, e a ansiedade é um bichinho malvado que te devora aos poucos, começando pelas bordas.

Você é tão cruel que aparece até em antecipação, e eu já sei que você vem antes mesmo de dar as caras na porta da minha mente. E eu deixei de fazer o que queria porque sabia que você surgiria em algum momento, até sem razão alguma.

Então some daqui e me deixa viver sem o peso das suas lágrimas. Me deixa ser leve, tranquila, e não se aproveite dos meus medos para alimentar o seu ego – quer dizer, o meu ego. Vai e não volta…

… Me deixa ser feliz.