como se recuperar de uma semana difícil

semana difícil

as pessoas sofrem muito no mundo. e tem semanas que nada parece fazer sentido, é um 7×1 diferente todos os dias. você ouve de longe os locutores gritando ‘goooool da alemanha‘ e a espinha fica toda arrepiada só pensando no tanto de coisa pesada que você vai ter que lidar nas próximas horas. tem semanas que parece não ser fácil viver.

mas a gente precisa lembrar de não desistir e que tudo isso tem um motivo. quando parece que o universo inteiro tá contra a gente, lembrar que a gente tem uma vida muito maior do que os nossos problemas no trabalho é uma saída pras coisas estranhas que a gente sente.

em uma semana tudo pode mudar, e o mundo é impiedoso. ele não espera a gente se sentir pronta o suficiente para lidar com as coisas. ele só as apresenta. e aí a gente tem que fazer um malabarismo pra conseguir equilibrar tudo e (tentar) não perder a cabeça. na maior parte das vezes, essa é a real missão impossível.

eu escrevo esse texto, então, pensando em você: você que precisa de um abraço depois de uma semana difícil e um pouco de esperança de que as coisas vão ser melhores na semana que vem (ou, quem sabe, amanhã).

1.se dê tempo para respirar

sabe sexta à noite quando você chega exausta do trabalho e só quer se jogar na cama por tempo o suficiente até a sua barriga começar a doer de fome e você precisar levantar pra comer? se dê esse tempo. respire. relaxe. tire uns minutinhos pra ficar deitada em posição fetal se você acha que precisa. abrace o seu cachorro. tente abraçar o seu gato (a gente sabe que às vezes eles não querem, né?). abrace a sua mãe. abrace qualquer pessoa ou coisa, vale até o seu travesseiro preferido ou aquele bichinho de pelúcia que você disse pra todo mundo que jogou fora, mas que continua em cima da cama.

2.faça um plano

cada pessoa lida com uma semana ruim de um jeito, mas acho que usar o papel e a caneta para colocar as ideias em ordem é uma das melhores coisas que eu aprendi nesse caminho. faça um plano. pense no que você precisa resolver e qual a melhor maneira de fazer isso, faça uma lista de tarefas que você possa cumprir. nem tudo pode ser planejado assim, mas colocar as coisas em perspectiva já ajuda –  muito – a lidar com momentos complicados. é uma das alegrias que o bullet journal me trouxe. ♥

semana difícil

3.faça algo que você ama

se você acompanha o blog, então sabe que eu nunca digo ‘não’ para uma boa xícara de chá. toda vez que sinto que o dia está complicado ou que a semana está puxada, eu paro tudo, faço um chá e tomo uma xícara aconchegada na cama, assisto um pouco dos meus doramas preferidos ou ouvindo uma música que amo. é tipo um momento de ‘desconecte-se’ pra eu lembrar do porquê estou fazendo as coisas, sabe? uma lembrança do meu propósito.

4.desabafe

uma coisa que eu aprendi nos últimos tempos é que falar sobre o que você sente é uma forma de aliviar o seu coração. quando a gente fica com esse monte de barulho mental rodando na cabeça, a sensação de que você está completamente perdida (e sozinha) é inevitável. mas se você conversa com alguém sobre o que está acontecendo, vai perceber que muito provavelmente o seu problema é mais fácil de ser resolvido do que você imagina. isso ajuda, sabe?

5.saia do seu casulinho

por mais que às vezes seja bom você ficar quietinha no seu canto, um dos melhores remédios pra superar uma semana difícil é saindo de casa e vendo o mundo – encontre com os seus amigos, dê uma volta no seu bairro, pare para tomar um café no Starbucks… saia de casa e aproveite os momentos de folga como eles merecem ser aproveitados! ficar em casa pode ser legal, mas é também o maior convite para você passar dois dias fritando e remoendo sobre o que aconteceu durante a semana. e ninguém precisa disso, né?

 

semanas difíceis podem acontecer mesmo, mas a boa notícia é que elas passam. ao invés da gente ficar alimentando o que rolou de ruim, não é muito mais produtivo a gente agradecer pelas lições aprendidas e olhar pra frente? eu gosto de acreditar que sim ♥.

o que você faz pra se recuperar de uma semana ruim?

como eu monto o meu bullet journal

como eu monto o meu bujo

há algumas semanas (meses? anos? nem lembro mais!) eu mostrei um passo a passo para fazer o bullet journal e como eu montava o meu – tinham fotos detalhadas e tudo mais. no último final de semana eu sai enlouquecida por são paulo atrás de um caderno novo (quem viu meu drama no Twitter?) porque percebi que o antigo não teria páginas o suficiente para o mês.

então, decidi registrar em vídeo todo esse processo de ‘montagem’ de um novo bujo. mais ou menos como o plan with me que eu fiz no começo do ano, mas mais longo (deu 7 minutos de vídeo dessa vez!) e com mais coisinhas. algumas considerações importantes:

  1. eu deixei as páginas em branco, só ‘montadas’ mesmo porque tinham informações pessoais que eu não ia registrar em vídeo , né? preenchi tudo depois ♥;
  2. vocês vão perceber que eu vou e volto muito nas páginas, mas eu vou completando as coisas conforme acho ‘mais fácil’: primeiro faço os títulos, depois volto para fazer as legendas e assim vai;
  3. as canetas que eu usei estão na descrição do vídeo, mas você podem saber mais sobre elas clicando nesse link;
  4. prometo que da próxima vez coloco menos baderna na mesa pra ficar mais fácil de ver o que importa!

e, aqui em baixo, a lista de collections que eu montei:

  1. index;
  2. dados;
  3. senhas;
  4. legenda;
  5. leituras;
  6. tv e cinema;
  7. future log;
  8. calendário junho;
  9. metas, tarefas e tracker de junho;
  10. desancorando (ou: coisas do blog);
  11. finanças de junho;
  12. pautas a fazer para o trabalho;
  13. memórias;
  14. daily log de junho.

é isso! se você quiser se inscrever no canal, pode clicar no botãozinho aí em baixo, pra acompanhar mais vídeos que eu postar por lá! ah, e se você tiver alguma dúvida, é só deixar nos comentários, tá bom?

 

me diz o que você acha desse tipo de vídeo?

um domingo cheio de amor

domingo cheio de a mor

todo mundo ama aquele domingo chuvoso e friorento em que a gente se enrola nas cobertas, coloca o seu filme preferido pra rodar e fica o dia todo ali naquele casulo, só aproveitando o climinha e tudo de bom que ele pode oferecer (como uma boa xícara de chá). mas a gente também ama aqueles domingos agitados e barulhentos, cheios de gente, de abraços, de beijos, de caminhadas, de solzinho de inverno, de Paulista fechada e comidinhas gostosas. o último domingo foi assim pra mim.

foi um dia em que eu acordei cedo pra tomar um café da manhã com pão de queijo caseiro e mineiro, chá britânico e frutas brasileiras. teve cafézinho, teve cházinho, teve abraçinho, teve aconcheguinho. teve muito riso, me rendeu fotos incríveis e um coração quentinho.

depois eu corri pra Paulista pra encontrar ela mesma, a Déa, essa pessoa que é parte de mim. a gente andou e falou um bocado, mantendo a tradição. no meio do caminho teve um sorvete delicioso, essas capas incríveis de Harry Potter em comemoração aos 20 anos de A Pedra Filosofal (a capa é da Lufa-Lufa, mas eu sou #TeamGrifinória), pôr-do-sol bonito e florzinhas pra completar.

domingo cheio de amor

domingo cheio de amor

domingo cheio de amor

domingo cheio de amor

domingo cheio de amor

domingo cheio de amor

domingo cheio de amor

como é um domingo agitado pra você? 

a solução surge da necessidade (ou: como o blog começou)

como o blog começou

o desancorando nasceu na sala de imprensa do SPFW. o ano era 2014 e eu estava completamente perdida. não conseguia tirar da cabeça a ideia de que eu precisava de um lugar para extravasar, para compartilhar com as pessoas coisas eu parecia não ter outro lugar para falar.

eu blogo desde que tudo isso aqui era mato e, antes desse, tive um blog por 5 anos chamado Manias de Moça. era um blog de moda e beleza que eu tentei fazer dar certo por muito tempo e na hora que eu mais precisava, senti que ele me deixou na mão. não daria mais certo entre nós. eu precisava começar do zero. eu sempre fui muito fã de recomeços, a ponto de achar que recomeçar a vida (literalmente) seria a melhor saída para o meu problema.

eu lembro de ter algum tempo entre um desfile e outro e a cobertura estava meio fraca aquele ano. então sentei no computador para matar o tempo e não me segurei. abri o WordPress, registrei um blog novo… e deletei alguns minutos depois. daí fiz esse mesmo processo algumas vezes até gostar de um nome – sempre a parte mais difícil.

não vou saber dizer de onde veio a ideia de desancorando (lembro que eu pesquisei no Google pra saber se a palavra existia – e existe, significa que o navio está levantando âncora -, mas lembro bem da sensação: era um misto de sentimentos entre encontrar um lugar para firmar os pés e deixar para trás tudo aquilo que me fazia mal. ancorar e desancorar.

a minha conexão com as palavras, até por profissão, sempre me acalentou. era como se eu tirasse um peso do peito e aliviasse o nó da garganta. curiosamente, eu nunca consegui manter um diário por mais do que algumas semanas depois de crescida. escrever para a internet pareceu mais fácil.

é mais ou menos a mesma coisa com o jornalismo. não lembro quando me apaixonei pela profissão, só que escrever sempre foi o meu futuro. não conseguia me ver muito longe disso, mesmo eu tendo insistido em virar advogada por um tempo (obviamente, não deu certo). pareceu a escolha mais lógica, já que escrever era o que eu sabia fazer de melhor e a escrita sempre me confortou.

como o blog começou

no meio de um ambiente que, hoje eu sei, não tem nada a ver com o blog, ele nasceu como uma esperança. na real, ele foi uma solução. eu tinha uma necessidade de colocar para fora coisas que me sentia confortável falando com as pessoas que eu conheço. vai ver o segredo era mesmo jogar tudo para a internet me dizer o que fazer (se bem que ela não parece saber muito bem o que quer da vida também).

“I know that love is just a shout into the void, and that oblivion is inevitable” – Augustus Waters

eu amo aquela frase de A Culpa é das Estrelas em que o Augustus se declara para a Hazel na Holanda, e ele diz que sabe que “o amor é só um grito no vazio e o esquecimento é inevitável”, mas que ele a ama mesmo assim. porque parece que é verdade. a gente joga as coisas pro mundo e espera ver o que vem de volta. foi mais ou menos isso que eu fiz no blog (mas nunca fui tão vidrada em ser esquecida quanto o Gus).

eu já sei bem que o amor não é só um grito no vazio, ele é parte de mim, de quem eu sou e colocá-lo no mundo é uma forma de lembrar as outras pessoas que nós somos iguais. o desancorando acabou se tornando uma ferramenta pra isso, e eu sou grata por cada post que eu fiz e cada comentário que recebi de volta.

outro dia, lá no Instagram, eu perguntei o que você aí do outro lado da tela gostaria de ler por aqui e a fofinha da Laysla comentou que queria saber como tudo começou nesse espacinho. na hora que bati o olho nessa sugestão hoje, me veio um sorriso no rosto e uma vontade de contar pra você o começo de tudo… foi divertido lembrar do momento que o blog surgiu, num lugar tão frenético, agitado e maluco como a sala de imprensa de um São Paulo Fashion Week.

mas dizem que é assim que funciona, né? quando as coisas estão no ápice da loucura, a gente sai em busca de uma salvação real. é fácil pra mim dizer que o blog foi essa minha pontinha de salvação.

eu quero saber de você: por que você começou um blog / canal no youtube? como foi?

resumaki #5

resumaki maio

maio conseguiu o posto de mês mais longo do ano (mas vamos ficar no aguardo por agosto, não é mesmo?)

um pouquinho sobre maio…

eu pensei (muito) sobre o que falaria desse mês. de verdade. eu acho que não tenho palavras para descrever tudo o que aconteceu nos últimos 31 dias. não é sem motivo que maio pareceu gigantesco, mas, ao mesmo tempo, passou rápido. quando a gente começa a focar as nossas energias do que é real, no que importa de verdade, o tempo perde o significado e essa coisa de dias e semanas não faz mais tanto sentido.

eu já tive muitos momentos em que senti que terminei um mês completamente diferente da forma que ele começou, mas posso dizer que nunca essa sensação foi tão forte quanto dessa vez. parece que tudo mudou, que o mundo virou de cabeça para baixo, que a rotação da terra trocou de sentido… e que sensação maravilhosa, essa! é hora mesmo de eu mudar de postura de novo e assumir, de vez, a minha função.

dito isso, esse mês teve alguns momentos incríveis. eu fui no Festival Path (um evento de dois dias sobre inovação e criatividade), que foi tão incrível que me rendeu ideias maravilhosas e uma bela reciclada, profissionalmente falando. o ponto alto, porém, foi poder conhecer a Jessica e a Ariane do Indiretas do Bem. acompanho o trabalho delas desde que a página começou e tenho muita admiração pelo o que elas fazem. foi incrível assistir a palestra delas (sobre como os youtubers são os novos best sellers) e abraçar as duas.

teve também muitos dias delicinha de tempo frio e perfeitos para ficar debaixo das cobertas, fazendo maratonas de doramas e de Sense8 (que série, minha gente. Sun melhor personagem sim ou sim?). teve o buquê de rosas lilases (nunca tinha visto dessa cor!) que eu comprei pra minha mãe e teve também um brunch maravilhoso, pleno sábado de manhã.

teve altas risadas e fotos incríveis que eu fiz com a Déa, essa pessoa maravilhosa que entrou na minha vida pra nunca mais sair (amém). a gente já passou por tanta coisa juntas que eu olho pra trás e fico emocionada de lembrar, de olhinhos marejados mesmo! fora que esse mês foi cheio de emoções pra nós duas e muitas mensagens surtadas no Messenger.

foi um mês de muito amor. de muito carinho. de muito dorama. de muito kpop. de muito despacito. de sair dessa caixinha que eu criei pra mim éons atrás e colocar a cara no sol. de abraçar muito e dizer ‘eu te amo‘. de ser mais eu.

… e mais uma coisinhas que valem a pena compartilhar

um post que amei escrever: para o dia que você pensar em desistir

um post que amei ler: quanto maior a tempestade, mais brilhante o arco-íris

uma música: *UL GO SHIP JIK A NAAAAAAA* 

uma série/ dorama: MEU SENSE8 TÁ VIVO, GENTE ♥ (Wolfie + Kala 4ever)

um livro: O Garoto dos Sonho, do Erick Mafra

uma palavra: função

uma pessoa: a Déa , que é, sempre foi e sempre será parte de mim

vem, junho! tô te esperando cheia de amor pra dar ♥