ser jornalista é uma declaração de amor

jornalismo é uma declaração de amor

lá em maio eu participei de um evento de comunicação, inovação e tecnologia, o festival Path. foi um fim de semana incrível cheio de palestras maravilhosas (incluindo uma com a Jess e a Ari do Indiretas do Bem), mas a que me deixou mais encantada foi uma palestra chamada ‘o futuro do jornalismo é mais humano‘, em que o Denis Burgierman (ex-diretor de redação da Superinteressante e que agora tá no Nexo) e a Juliana Wallauer, do Mamilos, eram os convidados. eu juro que eu saí do painel com muito orgulho de ser jornalista.

tem quem diga que a minha profissão está morrendo – já até me falaram diretamente que eu serei substituída por um computador (alô, sensibilidade), mas eu confesso que nunca dei muita bola pra esses cavaleiros do apocalipse, por mais que as notícias de passaralhos (as demissões em massa) também me deixem com o coração apertadinho. eu sempre acreditei que estava fazendo algo importante – mesmo nos dias que só escrevia sobre o que as celebridades estavam fazendo por aí – e isso não mudou só porque, na teoria, o mercado de mídia está caindo aos pedaços.

na palestra com o Denis e a Juliana, eu fiquei maravilhada porque eles me deram uma esperança. querendo ou não, as pessoas sempre vão precisar do jornalismo. é uma profissão que leva pra todo mundo o que tá acontecendo de verdade por aí. por mais que as redes sociais façam isso muito bem, a gente ainda precisa de um editor para aprofundar e juntar todos os detalhes num lugar só, a gente precisa dele pra editar.

o problema é que, como a vida no mundo, o jornalismo representa exatamente o que as pessoa estão passando. e todo mundo perdeu a confiança. no jornalismo, no governo, nos outros. em si mesmo. isso é o que me deixa mais de coração partido. por um tempo, eu também deixei de confiar, e reaprender é um treino diário. não tem como virar essa chave de uma hora pra outra.

quando a gente se sente tão desesperançado, quando tudo parece tão errado, como é possível ter esperança de que as coisas vão melhorar? é bem impossível, né? mas, na real, não é não. o Denis disse, naquele sábado gelado de maio, que o sistema de imprensa como a  gente conhece hoje não funciona mais – e eu concordo. acho que a internet ainda é vista como um problema e tem muita empresa grande por aí que não soube desapegar do passado para entrar na nova era. e eu acho meio prepotente da nossa parte tentar adivinhar como vão ser as coisas daqui pra frente – eu não sei mesmo, vou ter que esperar elas acontecerem pra descobrir.

a Juliana parecia mais otimista (lembro muito bem que o Denis já chegou falando ‘eu não tenho ideia se o jornalismo tem futuro, nem se ele é mais humano‘), e trouxe um segundo ponto que eu achei o mais incrível de todos: o que o jornalismo (e o mundo, na verdade) precisa é de interesse. a gente tem que ter mais interesse no que tá rolando ao invés de só querer apontar o culpado de um lado ou de outro. todo mundo quer brigar no Facebook, mas ninguém quer entender como a outra pessoa pensa e porque ela pensa o que pensa.

isso bateu bem fundo no meu coraçãozinho jornalista. é isso mesmo. ninguém quer entender porque as pessoas pensam como pensam e porque o sistema todo tá do jeito que tá. todo mundo só quer achar um culpado, só quer encontrar um motivo pra brigar. e nesse meio tempo fica todo mundo correndo atrás do rabo sem saber pra onde correr, porque a sensação é que a coisa piora a cada dia.

quando eu escolhi ser jornalista eu lembro que fiz essa escolha porque queria mudar o mundo. hoje eu ainda quero – na verdade, hoje eu sei que vou -, e percebi que as palavras são a minha principal ferramenta para isso. é a forma que eu me comunico com você todos os dias, sabe? através dos meus textos, eu consigo colocar um pouquinho da minha meta em cada palavra e você sente um gostosinho no coração sempre que lê. o pulo do gato (sempre amei essa expressão) pra mim é conseguir fazer isso em todos os textos – os do blog, os que são pra trabalho, os que vão para as redes sociais…

cada dia mais eu sinto que consigo fazer isso, que uno um pouco do que o Denis falou com o que a Juliana defendeu tão fortemente, e ajudo a mudar o mundo, um texto por vez. o jornalismo me permite entrar em contato com um montão de gente todos os dias – as pessoas incríveis com quem eu trabalho, quem lê o que eu escrevo, as pessoas que eu entrevisto – e é uma rede de interesse que aumenta todos os dias.

ser jornalista é uma declaração de amor porque num momento em que todo mundo desistiu de acreditar nas palavras, eu prefiro continuar acreditando – já dizia Desmond Doss:

‘Com o mundo tão dedicado em se destruir por completo, não parece algo tão ruim eu querer colar algumas partes de volta no lugar’

(aliás, se você não assistiu Até o Último Homem, faça o favor de assistir nesse exato instante – eu espero você voltar)

com tanta informação falsa por aí, tanta notícia ruim, tanta notícia tendenciosa, qual o problema em querer colocar um pouco mais de amor nas informações que a gente precisa ter? qual o problema em querer se interessar pelos outros pra entender de verdade o que eles estão pensando, o que estão sentindo?

é, jornalismo é um exercício de interesse: de querer entender o outro ao invés de julgá-lo, de observar e analisar ao invés de sair por aí dando opiniões como se fossem balas juquinha (amo bala juquinha, gente) é repassar a verdade dos fatos e fazer quem tá do outro lado pensar e questionar a realidade em que vive.

pode ser uma visão meio ultra otimista – e até meio Pollyanna – das coisas, mas eu amo muito a minha profissão e gosto de acreditar que ela tem um propósito. amo passar horas escrevendo, amo correr atrás de fonte, amo cobrir evento louco, amo usar as palavras escritas para me comunicar com as pessoas. amo, amo, amo, amo. vai ver é por isso que pra mim não existe crise, não existe tempo feio, só existe o arquivo do Word aberto e o cursor piscando, esperando eu encontre as melhores palavras pra você lembrar um pouquinho de quem é.

e aí tanto faz se eu tô falando de moda, de política, de bullet journal ou de armário cápsula. só o que me importa, de verdade, é você terminar de ler o texto com o coração quentinho e a sensação de que entende um pouco mais do que antes a forma como o mundo funciona e como é que você se encaixa nesse contexto.

o jornalismo é ferramenta. o computador é ferramenta. a pauta é ferramenta. é tudo ferramenta pra meta que eu escolhi no meu coração e que cada dia fica mais clara. o jornalismo tá em crise? puxa, depende. o que você considera como ‘crise‘? se for falta de propósito, talvez você tenha razão. mas, nesse caso, eu sei que tá tudo bem comigo, porque o meu propósito vai muito bem, obrigado.

banner beda desancorando

os 3 lugares que eu mais amo em são paulo

eu já falei o quanto amo são paulo por aqui? acho que não, né? mas eu amo demais essa cidade, gente, sem brincadeira. eu nasci e cresci aqui e nada do que você disser vai me fazer mudar de ideia – essa cidade é maravilhosa. como todo lugar do mundo, têm as suas questões, mas eu gosto de acreditar que sempre tive um olhar mais carinhoso com as ruas paulistanas.

eu acho que tem muita coisa incrível por aqui e pretendo (em algum ponto do futuro), fazer um post sobre os meus cantinhos preferidos pra comer, mas, por enquanto, achei melhor pagar a língua e finalmente fazer o texto com os lugares que eu mais amo nessa cidade. confesso que, na hora de sentar para escrever, me surpreendi ao pensar que são poucos, mas que cada um tem um motivo para estar nessa minha lista (e em todos os vídeos de #resumaki, hehe).

1.liberdade

lugares de são paulo liberdade

o tanto que eu amo esse bairro, gente. tô num ponto que vou pra lá um fim de semana sim, outro também. eu tenho um carinho e uma apreciação muito grande pela cultura oriental, e amo visitar os restaurantes típicos e as lojas tradicionais por lá. desde pequena, é um dos lugares que eu mais curto em são paulo, e um bairro que eu visito muito há eras. fosse pra comprar mangás, fosse pra dar uma volta na Ikezaki, eu sempre achava uma desculpa pra ir pra lá.

é o melhor lugar pra comer, sim, senhor, e eu piro nos restaurantes de lámen e de comida coreana. gosto de chegar cedo porque lota demais e os melhores restaurantes sempre ficam com filas imensas se você deixar pra comer mais tarde (tipo, umas 13h). fora que é bom lembrar: muitos dos estabelecimentos por lá abrem meio-dia e fecham entre 14h30 e 15h, pra abrir depois só às 18h,pro jantar.

2.av.paulista

lugares de são paulo av. paulista

eu morei boa parte da minha vida a algumas quadras da paulista. essa avenida sempre foi o meu refúgio, era normal eu sair andando por ali nos dias que não me sentia bem. eu sentava no Starbucks da Campinas com a Santos e passava horas lendo enquanto tomava um chá preto tall e depois ia de ponta à ponta da avenida só observando as pessoas. amo o Conjunto Nacional e a Livraria Cultura (um dos meus lugares preferidos DA VIDA!), as escadarias da Casper e, principalmente, a diversidade: se tem um lugar onde você vai ver de tudo um pouco, esse lugar com certeza é a avenida Paulista.

de domingo então… eu fico maravilhada com o caos criativo que aquele lugar vira. é banda de axé de um lado, roda de samba do outro, uma banda de metal num canto e um grupo de forró na esquina. tem de tudo, mas, principalmente, tem um montão de gente tentando se conectar com alguma coisa verdadeira e procurando motivos pra continuar em frente, sabe? acho que isso sempre foi o que mais me chamou a atenção.

3.as ruas do alto da lapa

lugares de são paulo alto da lapa

quando eu saí da casa da minha mãe, mudei da Paulista pro Alto da Lapa. se você nasce e cresce num mesmo lugar, parece que não existe vida fora dali e foi um treino me abrir pra descobrir um lugar novo. hoje eu sou completamente apaixonada pelas ruas desse bairro, pela calma, pelo verde, pelo gostosinho de andar por aqui todos os dias e descobrir cantinhos gostosos todo fim de semana. eu achava que não conseguiria viver longe do caos da paulista, mas sou mil vezes a tranquilidade daqui hoje em dia. é tão gostosinho, sabe? a gente começa a descobrir a beleza em cada detalhe, e – hey – pode não ter um Starbucks a duas quadras de casa, mas tem uns cafés de bairro que são a coisa mais fofa do mundo e um monte de gente que eu amo morando bem pertinho (ou seja: tenho companhia na distância de uma mensagem de Whatsapp ♥).

é óbvio que são paulo tem muitos outros lugares legais que fogem desses três tão ~genéricos~ (o centro!, a Pinacoteca!, a Estação da Luz!, a Catedral da Sé!), mas esses são pontos que me trazem um quentinho no coração e que eu sempre tenho um prazer genuíno de visitar. dificilmente você vai me ver chateada de ter que ir na Liberdade pela milésima vez no mês ou de passar a tarde andando na Paulista. aliás é fácil você me encontrar em qualquer um desses lugares (faça o favor de me dar um abraço se me vir por aí, hein?), porque eu tô sempre em um dos três ♥

qual o lugar favorito da sua cidade? me conta nos comentários!

banner beda desancorando

maki, e os seus dias tristes?

outro dia, me senti sozinha. acordei chorando sem motivo e me peguei desamparada. na minha cabeça, eu só pensava em me machucar. tropeça aqui. bate ali. ai, se essa faca escapasse um milímetro que fosse… eu pensei na morte, e a minha garganta fechou. eu estava sufocando.

para quem vive numa redoma de amor e carinho, um momento de tristeza que seja parece um tsunami. a gente acha que vem sem avisar, de repente. mas os sinais estavam todos lá. a água começou a recuar. os pássaros voaram na outra direção. o mar ficou estranhamente calmo. para um olhar atento, estava tudo perfeitamente mapeado. pros desavisados, a violência da água parece um golpe de má sorte. eu tava no lugar errado, na hora errada, só isso.

o céu azul ficou cinza. e eu só consegui olhar pra dentro da minha própria cabeça, procurando uma saída. sem sucesso, tudo ali me levava pro mesmo lugar. pro desconforto, pra solidão. eu me senti perdida de novo e um dia pareceu uma eternidade. quando a gente não tá bem, nada caminha do jeito que deveria e a gente fica brigando sem sair do lugar. parece areia movediça.

eu não conseguia me concentrar no que tinha pra fazer, escrever virou um sacrifício. parecia sem sentido colocar palavras no papel, fazer reuniões, medir audiências, conversar com pessoas. tudo o que eu queria era ficar encolhida na cama. no aconchego das minhas cobertas. não foi uma surpresa perceber que nem todos os cobertores felpudos do mundo conseguiam aquecer o meu corpo gelado. cadê a motivação que tava aqui? sumiu, junto com uma enxurrada de pensamentos horríveis sobre mim mesma. um tsunami de tristeza, uma condenação eterna e suas punições mais que necessárias. eu errei, falhei, pequei. e agora é pra valer. não tem mais volta desse fundo de poço.

mas aí… veio um abraço, e eu comecei a me lembrar de como é bom viver no aconchego, quando a gente sabe exatamente quem a gente é e o que veio fazer no meio de tanta gente confusa. a mente desanuvia, as pesadas nuvens que cobriam o sol começam a se dissipar e a sumir aos pouquinhos, já sem um motivo para chover.

num abraço, vem também um beijo. e a coisa toda fica ainda mais leve. eu sou lembrada, com um gesto de carinho, do quanto eu sou inocente e que os meus pecados não passam de imaginações e devaneios da minha mente atormentada. tá tudo bem comigo, nada aconteceu e tudo segue exatamente como sempre foi. eu nunca fui capaz de mudar o que o amor criou, afinal.

junto do beijo, vem as palavras gentis. palavras essas que reforçam o que já foi mostrado em gestos e que me fazem pensar, novamente, no quanto eu sou amada. só o amor cura o coração que dói, que bate descompassado e cheio de medo de um futuro que nunca aconteceu e de um passado que a gente faz questão de remoer na cabeça todos os dias.

mas, Maki, você não tem dias tristes, então? o que seria um dia triste, se não um erro de visão? aliás, o que é ser triste? o que é sentir tristeza? se é o tipo de coisa que me deixa longe de mim, então: não, obrigada, troco todos os dias tristes do mundo por aqueles regados a xícaras de chá quentinhas e mãos entrelaçadas. eu desisto de dias tristes, porque sei que eles não fazem parte de mim.

se eu acordar esquecida, que eu me lembre do caminho de volta e que leve junto comigo os meus parceiros de jornada, sempre tão felizes em me ajudar a colocar a mente de volta no céu.

banner beda desancorando

como não enlouquecer trabalhando sozinha

se você acompanha o desancorando há um tempo, sabe que eu trabalho de casa porque sou freela. eu sou bem apaixonada por essa vida e todas as suas emoções (alô, expediente de 12 horas), mas confesso que foi todo um processo pra me adaptar a trabalhar “sozinha

coloquei o “sozinha” assim, entre aspas, porque dificilmente eu estou sozinha. eu tenho chefes e colegas de trabalho com quem converso diariamente, mas fica tudo no âmbito do virtual. a gente faz reunião por videoconferência (muito moderno, se você quiser saber a minha opinião), conversa pelo Slack o dia inteiro, às vezes eu tenho umas reuniões presenciais… mas, sim, a maior parte do tempo sou euzinha dependendo de mim mesma pra me motivar a trabalhar.

eu fui demitida do meu trabalho ~tradicional~ em junho (ou julho?) de 2015 – e foi a melhor coisa que me aconteceu, porque já não estava dando certo. eu já tinha alguns freelas naquela época e percebi que queria mesmo seguir com essa vida, ter essa flexibilidade de horários e tentar o máximo de experiência que eu poderia conseguir, escrevendo pra vários lugares diferentes (outra coisa que eu consegui!).

mas o mais difícil foi estabelecer o ritmo e não ficar completamente maluca, conversando com as paredes ou estabelecendo longos diálogos com a cachorrinha da casa da minha mãe, a Olivia. (nessa parte, eu fui totalmente má-sucedida porque conversava com ela diariamente sobre tudo o que vinha na minha cabeça).

foi um treino e eu custei um pouco a pegar o ritmo. hoje já estou totalmente acostumada e já sei quando preciso mudar de ambiente e o que fazer pra não me sentir tão só (eu ainda não citei propósito nesse post, né? então: propósito!). pensei em dividir algumas coisas com você:

1.mudar de ambiente de vez em quando

quando eu morava na casa da minha mãe, eu peguei o costume de ir trabalhar no Starbucks que ficava a algumas quadras dali uma ou duas vezes na semana. era bom mudar de ambiente, ver gente e comer uma coisinha gostosa. fora que, quando eu tava bem predisposta a procrastinar horrores, ir para outro lugar me coloca no modo foco total. afinal, eu saí de casa só pra fazer isso, né? agora que moro com outras pessoas e em outro bairro, eu mantenho a tradição. duas vezes na semana vou trabalhar lá no prédio da Coexiste, em algum cafézinho de bairro que tem por aqui (minha nova paixão – encontrar lugares diferentes pra passar a tarde escrevendo). quando preciso trabalhar de final de semana, costumo ir pra Paulista e sentar num Starbucks por lá mesmo – faço tipo o que as pessoas fazem num dia normal: pego ônibus, levo mala e cuia e remonto meu escritório. é sempre bom sair das quatro paredes de sempre.

2.nunca, jamais, em hipótese alguma trabalhar da cama

essa regra eu estabeleci logo nos primeiros dias que comecei o homeoffice. percebi logo de cara a tentação de trabalhar deitada na cama, jogada entre as cobertas. mas isso é horrível por dois motivos: 1) você fica muito preguiçosa e com vontade de passar o dia todo dormindo; e 2) faz miséria com a sua coluna. coisa de vó, eu sei, mas é verdade. então, a cama está totalmente fora de cogitação. a única exceção é quando eu coloco o laptop na cama pra ver um filme ou alguma coisa assim antes de dormir. fora isso, eu preciso sentar na escrivaninha, na cadeira de trabalho, pra fazer as minhas tarefas.

3. ter uma rotina tipo a das pessoas que trabalham fora

eu acordo às 07h todos os dias. tomo banho, me arrumo (coloco roupa de verdade e não um pijama ou roupa de ficar em casa), tomo café da manhã e aí sento na mesa pra começar a trabalhar por volta de 08h30 ou 09h, depende do dia. esse ‘trabalho‘ inclui fazer coisas do blog ou algum freela que eu preciso resolver antes do meu trabalho fixo, que começa às 10h. tem dias que eu aproveito esse tempo extra pra ler ou pra me atualizar no mundo, ver meus MVs de kpop (amo) ou fazer fotos pros posts. varia bastante. mas a norma é sempre começar mais ou menos no mesmo horário e fazer todo esse processinho. eu fecho a lojinha às 19h, saio do computador e me arrumo pro treino ou pras aulas que faço à noite.

4.conversar com alguém

é normal eu ficar tão envolvida no trabalho que passo horas e horas sem falar com ninguém. daí vem aquela dorzinha no coração e aquela vozinha na cabeça me falando ‘meu Deus, eu tô muito abandonada aqui em casa‘. nessas horas eu paro, faço uma pausa, chamo uma amiga pra conversar na internet mesmo, desço pra conversar com o porteiro aqui do prédio (faço muito isso), dou uma volta no quarteirão… eu saio da minha cabeça pra olhar pra fora e lembrar que essa história de que eu tô sozinha é mentira.

5.aliás, fazer intervalinhos

trabalhar de casa tem dessas: o ~cliente~ acha que você não tem hora pra terminar de trabalhar e você sai emendando um trampo no outro até que são 23h e você não levantou da cadeira nem uma vez. eu ando pecando um pouquinho na parte dos intervalos, ultimamente (mas pretendo corrigir isso esse mês!), mas eles são a coisa mais importante, principalmente pra você sair dessa visão tão fechada de que não tem ninguém por perto. fisicamente, pode até ser isso mesmo, mas a solidão só existe na mente. quando a gente tá muito apegada aos próprios pensamentos, é fácil mesmo achar que tá completamente sozinha no mundo, quer você seja freela ou não.

6.música!

preciso mesmo falar o quanto a música é importante nesse processo todo? não, né? acho que já falei muito disso por aqui. mas música é o que me move, é o que me deixa focada e o que me ajuda a não enlouquecer 90% do tempo.

pra mim, a parte mais difícil foi ficar tanto tempo dentro do meu quarto. por isso eu uso qualquer oportunidade que posso pra sair dele, dar uma volta, ver outras pessoas e mudar um pouco de ambiente. hoje em dia, tudo isso é mais tranquilo, e apesar de ter os meus momentos de ‘meu Deus, quero quebrar as paredes desse quarto com uma marreta‘, eu já sei como sair rapidinho dessa sensação.

você trabalha sozinha? o que te ajuda a não ficar maluca?

banner beda desancorando

diário #91 – sobre ser forte e ter força

eu sempre tive uma certeza maluca de que era uma pessoa fraca. por mais que eu me exercitasse, que fizesse academia e anos de balé, a ideia de que eu era frágil dificilmente saía da minha cabeça. e não era só uma fraqueza física, mas emocional também.

sabe quando você se faz de difícil, tenta mostrar que é uma pessoa forte, mas qualquer levantada de voz já te deixa com o olho cheio d’água? pois é. eu era assim. qualquer coisinha me fazia chorar, qualquer peso extra me deixava com os braços tremendo, qualquer sustinho e eu saia correndo pra me esconder embaixo da cama. eu nunca serviria pra ser protagonista de filme de terror e com certeza seria uma das primeiras a morrer num apocalipse zumbi.

é, ‘forte’ nunca foi uma palavra que eu usaria pra me descrever. ‘frágil’, ‘sensível’, ‘sentimental’… essas são mais de acordo com quem eu era. na verdade, não deixam de ser eufemismos que eu inventei para a palavra ‘fraca’. fraca de coração, de corpo e de espírito. o tipo de pessoa que não dura muito tempo no mundo, que não aguenta os monstros que vê fora da janela e que passa os seus dias trancadas no quarto, com medo da vida que passa lá fora.

outro dia, eu estava no banho depois do treino e levei um susto comigo mesma. eu procurei na minha cabeça onde tava aquela ideia de pessoa fraca e me surpreendi quando não a encontrei em canto nenhum. não tava mais lá. sumiu. eu poderia dizer que tem tudo a ver com os treinos pesados que eu faço três vezes na semana, e os músculos que eu ganhei não me deixam mentir. meu corpo nunca foi tão forte.

poderia dizer também que foi a minha nova alimentação, que dá pro meu corpo o que ele precisa pra funcionar bem e que me deixa cheia de energia – e isso é verdade também, mas seria reduzir toda essa recém-encontrada força a coisas que são minúsculas comparadas ao amor que eu sinto diariamente pela vida.

não, a minha força não tem nada a ver com o meu corpo, com o que eu como ou com o quanto eu treino. mas também não tem absolutamente nada a ver com a tal da resiliência, essa capacidade humana de se adaptar e resistir. nada disso. não é superação. não é o aprendizado com as dificuldades que me deixaram com a casca mais grossa e coração mais escuro. pelo contrário, foi a desistência.

em algum momento dessa jornada, eu desisti. desisti de me defender, de atacar, de achar que o mundo tá contra mim e que eu sou só mais um pontinho entre 7 bilhões. é fácil se sentir fraca e insignificante quando você pensa na suposta grandiosidade do mundo, com todas as suas responsabilidades e dificuldades.

mas eu desisti. desisti de achar que o mundo é responsável pela minha alegria e que eu sou a maior vítima que o planeta já viu. vítima das pessoas, das circunstâncias e da minha própria fraqueza. como se eu andasse descontrolada por aí todos os dias, sem saber pra onde ia ou o que fazia. e era mais ou menos essa a sensação mesmo.

desistir me mostrou a força que eu sempre tive, mas que deixava entuchada num canto escuro da minha mente, contando pra mim mesma que a força não existia e que a minha fraqueza era real. mas era só um engano da visão que maltratava o meu coração. desisti de dizer que eu era fraca e me vi forte. e, como num passe de mágica, o meu corpo começou a mostrar o quão forte eu sou de verdade. eu sou grande, eu sou gigante, eu cresço cada vez que me permito desistir um pouco mais das mentiras que contei sobre mim.

eu caminho, agora, com pernas fortes e o corpo ereto, não mais me escondendo do mundo, mas pronta pra desbravar cada um dos seus quatro cantos, gritando a plenos pulmões para quem quiser ouvir que desistir do que a gente pensa sobre a gente é o segredo da felicidade. porque é mesmo. e aqui está o meu sorriso forte para provar.

banner beda desancorando