Como ficar motivada com o seu bullet journal

Eu já cansei de falar sobre como o bullet journal salvou a minha vida e como eu serei eternamente grata por esse método maravilhoso que me ajudou a ser bem mais organizada, ainda mais trabalhando de casa. Mas mesmo tendo um carinho enorme por esse caderninho salvador, tem horas que dá uma baita de uma preguiça de escrever ali. Principalmente de final de semana.

Como ficar motivada com o seu bullet journal

Eu duvido que você não tenha sentido isso em algum momento do seu dia/semana/mês com o bullet journal e se você falar que não teve aquela preguicinha básica, é mentira. Mas o ponto aqui é que tudo que se torna uma rotina fica meio cansativo, às vezes, e pode ser difícil encontrar motivação para continuar em frente (ui, que profundo pra um texto sobre BuJo ahahaha). Se esse cara é você, aí vão algumas dicas pra ajudar a segurar essa barra que é gostar de você:

Pare de complicar

Se você usa o seu BuJo pra controlar o clima, o quanto de água você bebe num dia, o que você come, quantas vezes você postou no Instagram, quantas voltas você deu no quarteirão com o seu cachorro e mais mil coisas, vai ser difícil mesmo. O objetivo do bullet journal é você focar no básico, no que é necessário para que você continue organizada (e não pra que você vire um control freak). Uma dica é dar uma bela de uma maneirada no que você coloca ali e focar no que é importante mesmo.

Torne o BuJo o seu único método de organização

Se você tem o BuJo, mas insiste em mandar e-mails pra si mesma com lembretes de coisa pra fazer (euzinha), então tem algo errado. O bullet journal não foi criado para ser um método adicional, mas, sim, o principal. Por isso, deixe de lado todos os outros apps que você usa para se organizar e foque apenas nele. É impossível você não ficar motivada quando sabe que tudo o que você precisa está ali.

Reveja o que funciona e o que não dá certo

Por uns meses, esse ano, eu tirei o habit tracker do meu BuJo porque simplesmente não estava dando certo mais. Eu nunca lembrava de preencher e olhar para aquilo me fazia mal, me deixava para baixo. Mas agora eu coloquei de novo, porque senti falta de marcar algumas coisas ali. Então, é tudo uma questão de você saber como o seu bullet journal funciona a seu favor. Ele tem que ser uma ferramenta facilitadora, viu?

Pare de se comparar

Você tá fazendo o seu BuJo direitinho e ele está funcionando muito bem, mas fica com aquela sensação de derrota sempre que olha pras inspirações do Pinterest ou do Tumblr. Apenas pare, amiga. Cada pessoa funciona de um jeito e o seu bullet journal não precisa ser uma obra de arte para funcionar bem. Não se preocupe se a sua letra é meio bagunçada ou se você não sabe fazer mil caligrafias diferentes. O importante é que ele te ajude a se organizar. O que me leva ao próximo ponto:

Lembre do seu propósito

Qual o objetivo do seu bullet journal? Por que você está usando esse caderno? É só pra entrar na onda do momento? É pra postar foto com a hashtag no Instagram? Pra quê ele serve, afinal? Se você quer se organizar, então saiba que esse é o propósito dele. Se você quer usar como um arquivo de furtos, então o propósito muda. Mas tenha sempre em mente a resposta desse ‘pra quê’. Se você não sabe porque está fazendo alguma coisa, é hora de mudar o foco, não?

Sentir uma preguicinha vez ou outra é normal, mas se a gente manter em mente o nosso propósito, o porque de fazer qualquer coisa (mesmo um bullet journal), tudo flui muito mais fácil, sabe?

Como você se mantém motivada com o BuJo?

BEDA2016

Como usar o seu bullet journal para estudar?

Quando a gente tá com uma agenda super cheia (tipo eu, agorinha) só um método de organização muito bom pra gente conseguir manter as coisas em dia, ou tentar, pelo menos. Você já sabe que o bullet journal foi o grande salvador da minha vida nesse aspecto, e ele tem sido um verdadeiro brother nessa tarefa.

Como usar o seu bullet journal para estudar?

Esse mês, eu estou pensando em voltar a estudar (pra colocar ainda mais coisa na agenda, só pode!), mas por conta mesmo. Tem tempo que estou afastada do francês e sinto que perdi muita coisa da língua por ficar tão longe (e ter me tornado a louca da cultura coreana não ajudou muito também).

Mas, pra isso, eu vou precisar de um certo nível de organização também. E é aí que o bullet journal entra! (de novo!)

Eu sou muito fã do Tumblr e, se tivesse tempo, com certeza perderia muitas horas da minha vida lá – não que eu não tenha feito isso antes. E o legal é que existe, dentro dele mesmo, uma comunidade chamada studyblr. São Tumblrs voltados para estudos, com dicas, inspirações, posts motivacionais… Tudo para quem estuda. Eu até comecei um, pra me seguir é só clicar aqui.

Esses blogs são mais voltados para quem está na escola/faculdade, mas isso não significa que a gente não pode tirar inspiração de lá e montar um plano de estudos pra quem já passou dessa fase.

E sempre lembrando do propósito. O que você quer com esse estudo? Qual a sua meta? Se você tiver isso claro na mente, fica muito mais fácil pegar o jeito da coisa e não desistir no meio do caminho.

Então, essas são algumas dicas que eu encontrei e que pretendo adotar no meu BuJo:

1.Analise a sua rotina

Puxa, mas o que que isso tem a ver com estudar?’ Tudo, pequeno gafanhoto. Tire alguns dias para prestar atenção na sua rotina, o que você faz, que horas acorda, quando almoça, quanto tem tempo livre, quando não tem, se tem curso ou horário de trabalho fixo. Tudo. Isso vai te ajudar a saber quando você pode encaixar horas de estudo no seu dia, sem ter que mudar toda a sua rotina. Se você, como eu, só trabalha, com certeza tem um horário determinado que toma bastante do seu dia, e aí o resto das suas atividades tem que se adaptar a isso.

2.Monte um calendário de estudos

Depois que você entendeu como funciona a sua rotina e em que momentos você pode colocar horários de estudo, é a hora de montar um calendário. O legal do bullet journal é que você pode montar esse calendário como uma collection normal (isto é, uma página extra, que faz parte do layout inicial do seu BuJo), basta colocá-la no seu Index da maneira mais otimizada. Ou então fazer no estilo Tracker, o que também é uma ótima ideia (e  mais fácil de montar, eu acho). Porém, isso pode ser feito da seguinte maneira:

  1. Faça uma página com o que você estudar: por exemplo, eu quero estudar francês. Tá, mas francês é uma língua extensa e cheia de coisas. O melhor a fazer seria colocar no papel mesmo tópicos que precisam ser estudados, da maneira mais detalhada possível. Por exemplo: Verbos > verbo ‘être’ >verbo ‘être’ no presente do indicativo. Quando mais detalhado, melhor.
  2. Separe os tópicos no seu calendário: agora que você já sabe o que você quer/tem que estudar, é hora de separar isso no seu calendário, com datas. Como eu vou estudar por conta, não tem porque me apagar aos dias em si, já que não tenho provas ou trabalhos para entregar, mas se esse for o seu caso, inclua os tópicos levando essas datas em consideração, claro.

3.Estabeleça metas

Lembra ali em cima quando eu falei de propósito? Então, quando você sabe porque você quer estudar o que você está estudando, já é meio caminho andando. Ainda assim, para manter você ‘na linha’, é legal estabelecer metas semanais, como ‘Cobrir 3 tópicos’ ou ‘Revisar X capítulos’. É uma forma de você se forçar a terminar o que precisa fazer, sem enrolar!

4.Siga o seu calendário!

É como com o próprio Bujo: se você tem, mas não usa direito, então de que adianta? O objetivo de fazer um planejamento de estudos no seu Bujo é, justamente, mantê-lo em dia e seguir da melhor maneira possível o que você estabeleceu. Se não, perde o propósito. Lembre-se de sempre voltar no Index para chegar as páginas em que você marcou as suas collections de estudo e anotar no seu tracker/calendário a evolução que você fez.

É isso! O principal é você ter sempre muito bem delimitado o que você quer estudar e quando. E sem pressão. Não vale de nada você montar um calendário, mas ficar ansiosa e se atrapalhar toda na hora de colocar a cabeça para trabalhar, sem absorver nada do que você precisa. O principal para estudar bem é sempre ter calma e seguir um esquema que funcione pra você.

TOO LONG DIDN’T READ: Se esse post ficou gigantesco demais pra você, aqui vai o principal para você montar um plano de estudos no seu BuJo:

  1. Analise a sua rotina e descubra os melhores horários para estudar
  2. Crie uma collection com o que você quer estudar, em tópicos
  3. Com base no ponto 1 distribua os itens do ponto 2 em um calendário
  4. Estabeleça metas semanais.

Ufa! Assim fica até mais fácil – e motivador – voltar a estudar. E, se você precisa de um incentivo extra, criei uma pasta no Pinterest com dicas de estudos também, é só clicar aqui para ver.

Como você se organiza para estudar?

7 lições que eu aprendi em 7 meses de bullet journal

Tem quase sete meses que eu comecei a usar o bullet journal e, honestamente, não sei se conseguiria deixar de usá-lo a essa altura do campeonato. Ele entrou para a minha rotina e é uma ferramenta incrível pra quem trabalha em casa e é fã de métodos analógicos, como eu.

7 lições que eu aprendi em 7 meses de bullet journal

O mais legal é que, depois que eu comecei a usar o BuJo, vi várias pessoas que também passaram a usar e adorar esse método. A Nina, do Querido Click, é uma delas, e me contou que adotou o bullet journal porque sentiu a necessidade de se organizar. “Decidi começar com o Bujo porque senti uma necessidade de organizar não só a minha vida, como também todas as listas espalhadas que tinha em vários caderninhos diferentes. Com esse sistema vi a possibilidade de concentrar tudo em um só lugar, e deu super certo”

Uma coisa incrível que a Nina falou também, quando eu perguntei as lições que o BuJo ensinou para ela, é que o principal é que esse método a ensinou a ter prazer na organização. Olha que legal isso!

Acho que essa, na verdade, é a chave de tudo: ter prazer no que você faz. De nada adianta você adotar o BuJo se te enche o saco escrever nele todo dia, ir e voltar no Index, nos calendários, etc. O legal é você curtir fazer, assim como tudo na vida, não é mesmo? Nada precisa ser chato.

Com essa ideia da Nina na cabeça, eu separei algumas das lições que aprendi com o bullet journal nos últimos sete meses:

1.Improvisar

O legal do BuJo é que você pode improvisar muita coisa. Uma tabela de trabalho no meio da sua semana, uma lista de compras, um tracker pra controlar um remédio que você precisa tomar. Qualquer coisa! É bem a arte do improviso, nada é totalmente fixo no BuJo e você pode, por exemplo, usar uma página em branco que sobrou para fazer um desenho, escrever um quote que você gosta ou qualquer coisa assim. É uma forma de sair das amarras do ‘tudo tem que ter o seu lugar exato’, sabe?

2.Tudo bem errar

Eu sempre acreditei que não podia errar nada. Sou dessas que já recomeçou um caderno inteiro de anotações na escola porque não dava pra ter ~aquele erro grotesco~ de layout ou porque a minha letra tava ~feia demais~. (true story, bro) Como BuJo eu estou aprendendo que tudo bem errar. No meu caderno novo (como bullet journal de abril), eu errei um dia nos calendários do future log e me deu uma dor danada de passar o branquinho e refazer tudo, mas o layout tava tão legal, eu coloquei tanto carinho ali, que tudo bem, sabe? Tem horas que você escreve na pressa e erra o dia da semana, ou que esquece uma letra na hora de fazer aquela frase bonitona no meio página. Ok, não muda nada. É só um errinho. Tá tudo bem, bola pra frente!

3.Usar as mãos é legal!

Eu tinha esquecido o quanto eu gostava de fazer as coisas com as mãos. Eu amo escrever e eu sempre gostei muito de ter aqueles cadernos repletos de anotações, cheio de subtítulos e canetinhas coloridas e tudo mais. É legal reservar um tempo do meu dia pra ficar longe do PC e dedicar – 20 minutos que seja – pra montar o meu Daily Log do dia ou pra fazer um desenho ou uma anotação legal no BuJo. É uma terapia mesmo!

4.Tudo é adaptável

É como eu falei ali no começo: sendo um fiel escudeiro da arte do improviso, tudo pode ser adaptável no BuJo. Você não gosta do modelo original? Dá pra adaptar às suas necessidades. Você prefere separar o seu log por semanas? Pode fazer, sim. Quer ter uma página só pra marcar o número de vezes que você viu carros azuis na rua? Pode também! Ele serve pro que você quiser, essa é a beleza da coisa. O mais importante é você estabelecer o propósito do seu BuJo e aí moldar o caderninho ao que você precisa.

Eu já comentei que tenho mesmo muito prazer em fazer o meu bullet journal, né? E é verdade. Eu amo parar pra escrever nele, fazer desenhos nele, tudo! Tem dias que vejo a página com um cantinho em branco e já penso ‘Hum, o que que dá pra colocar ali?’. É uma diversão mesmo. E isso é o mais bacana de tudo: quando você faz alguma coisa de acordo com quem você é de verdade, tudo fica divertido, tudo fica leve!

Me conta, o que você aprendeu com o bullet journal?

Respondendo: tudo sobre bullet journal

Eu prometi muito fazer um vídeo sobre esse assunto, mas enquanto ainda estou repensando esse formato (e como ele se encaixa no meu propósito), queria responder um tanto de perguntas que me fizeram sobre o bullet journal há algum tempo, no Facebook e no Instagram.

Respondendo: tudo sobre bullet journal

Aproveito esse post – que vou fazer mais no estilo perguntas e respostas – pra mostrar também o meu BuJo de Abril! Eu comentei no Insta que comecei um caderninho novo esse mês e sei que estava devendo mostrar o layout novo. Então, bora lá!

1. Como eu me acostumei a usar o bullet journal?

Olha, não tem muito segredo. Foi questão de criar um hábito mesmo! Eu sempre deixo o meu BuJo aberto do lado do computador, ele é a primeira coisa que eu vejo quando sento para trabalhar! Assim fica difícil eu deixar de anotar o que eu preciso ali. A minha dica é: deixe num lugar à vista! É mais fácil de pegar o hábito quando você tá vendo o caderno ali, olhando pra você o tempo todo!

Respondendo: tudo sobre bullet journal
Index novo – agora com mais espaço!

2. Como eu me mantenho motivada?

Puxa, essa é outra pergunta que não tem muito segredo. A questão é: lembram que eu falei que o BuJo precisa ter um propósito? Pois bem, o meu tem um muito claro: me manter organizada. Trabalhando de casa, eu preciso de algum tipo de sistema que me ajude a cumprir prazos e entregas, que seja prático e fácil. Quando comecei o BuJo e logo vi os resultados (positivos!) não tinha porque eu não continuar com ele. Fora que você vai pegando o jeito de fazer as letras, os cabeçalhos, vai usando o caderno como um arquivo de furtos e a coisa vai tomando forma. Fica divertido!

Respondendo: tudo sobre bullet journal

3. Que tipo de caderno eu uso?

Essa pergunta eu já respondi neste post aqui. Mas vale lembrar que é um caderno quadriculado da marca Pombo, tamanho A5 (aquele menorzinho, que cabe melhor na bolsa).

Respondendo: tudo sobre bullet journal

4. Como é a minha rotina?

Essa é fácil! Eu normalmente acordo, faço as minhas coisas e sento para trabalhar. Antes de ligar o computador eu olho no calendário do meu BuJo se tem algum evento previamente marcado para aquele dia e, se não, eu começo a montar o meu daily log. Eu não listo as tarefas por prioridades. Coloco sempre tudo o que tenho pra fazer ali, sem ordem, e aí conforme o dia vai passando eu sinto o que é mais ou menos importante de fazer a cada momento.

Respondendo: tudo sobre bullet journal

Respondendo: tudo sobre bullet journal

5. O que colocar no Key?

Isso vai muito de cada uma. Eu sou bem básica, não gosto de colocar mil ícones porque sei que não vou usar Então deixo só aqueles que são ‘usáveis’ mesmo, como o de tarefa, compromisso, tarefa cumprida, cancelada, etc. Pensa no que é prático pra você, tá?

Respondendo: tudo sobre bullet journal
Detalhe do layout novo

6. O que colocar no tracker

Isso também é muito pessoal, vai de cada uma. Esse mês eu decidi mudar o tracker e colocar só tarefas relacionadas ao blog, porque eu estava esquecendo de marcar as caixinhas e isso estava deixando de ser produtivo. Eu gosto de deixar as coisas do Desancorando ali porque assim consigo ter uma ideia de como anda a minha produção (meio esquizofrênica, como vocês podem ver! Ahahah).

Respondendo: tudo sobre bullet journal
Tracker agora mais voltado para o blog

7. O que o meu BuJo tem de diferente?

Olha… Eu diria que são doses cavalares de amor. Eu amo muito fazer o BuJo, sabe? Coloco ali tudo o que me inspira, tudo o que me faz bem, lembretes de quem eu sou de verdade e qual o propósito disso tudo, qual a minha meta. Não sei se isso pode ser considerado diferente, mas eu sei o tanto de carinho que coloco nesse caderninho. Não à toa ele virou parte da minha rotina!

Respondendo: tudo sobre bullet journal
Daily Log e páginas ‘extras’

Ufa! Acho que nem preciso dizer o quanto o bullet journal tem me ajudado, né? Você já sabe bem disso (ainda mais se me segue no Instagram e vê as mil fotos que eu posto dele toda semana).

Tem mais alguma dúvida sobre bullet journal? Me conta aí!

O arquivo de furtos perfeito chama bullet journal

Eu falei na semana passada que estava relendo Roube Como Um Artista, do Austin Kleon, e como eu adoro os conceitos que ele apresenta pra incentivar a criatividade.

Daí que desde que voltei a ler esse livro eu percebi que o bullet journal é PERFEITO pra ideia que ele lança do arquivo de furtos. Não sei se estou atrasada nisso, mas só hoje me caiu essa ficha. E serve pra esse propósito principalmente se você, como eu, acha que não consegue guardar coisas diferentes em lugares diferentes.

o arquivo de furtos perfeito chama bullet journal
Log de Roube como um Artista no meu BuJo

O que é um arquivo de furtos?

É um lugar (um caderno, uma pasta, um arquivo, sei lá!) que você usa para guardar coisas que te inspiram de alguma forma, tipo frases motivacionais, artigos de jornais, tirinhas, fotos, recortes… Enfim, o que você quiser! A ideia principal é pegar alguma coisa do trabalho de uma pessoa que você considera inspiradora (um artista, escritor, o grafiteiro da esquina da sua casa, qualquer um vale!) e ‘roubar‘, guardar em um arquivo que você pode ver depois e tirar inspiração dali. Entendeu?

E por que o BuJo é perfeito pra isso?

No conceito original do bullet journal, o Ryder Carroll (que idealizou esse sistema) explicou que o objetivo do índice no BuJo é você ter uma página para marcar tudo o que entra no seu caderno, não só os calendários e logs. Ou seja, se você quiser, no meio de um mês, colocar uma página só com frases bacanas de um autor que você está lendo, ou colar ali o recorte de uma matéria que você gostou, ou fazer um desenho, você pode! Pra isso serve o índice, você marca essa coletânea nova lá e pode voltar a ela sempre que quiser. É isso também que torna esse método tão eficiente: ter um índice sempre atualizado.

Sendo assim, você pode usar o seu BuJo pra tudo o que você quiser – é por isso que ele é tão legal -, e ele serve perfeitamente pra você guardar ali todos os seus furtos.

Lembram que eu falei que um BuJo não funciona quando ele não tem um propósito? Então, se você precisa que ele seja apenas uma agenda mesmo, no sentido apenas de manter você organizada – tudo bem! Mas, o seu propósito pode ser também: guardar tudo o que inspira. Quem disse que a minha agenda não me inspira? Me manter organizada é uma forma de inspiração – eu não abro espaço pra preguiça, entende? – então eu vou só colocar nele mais coisas ainda pra me inspirar.

O meu BuJo agora está com esse propósito. Ser um arquivo de furtos/agenda. Quero colocar nele tudo que me inspira de alguma forma e levar comigo sempre,pra sempre ter esses furtos a mão. É uma forma de ter comigo uma senha pra me levar pra um lugar legal na mente, onde as minhas ideias estão meio escondidas por conta de todo o barulho, saca?

O que você acha? Já pensou em usar o seu BuJo como um arquivo de furtos?