diário #93 – eu mereço

eu mereço maki de mingo

Foto: Luísa Chequer Fotografia

a gente tem uma mania maluca de achar que felicidade demais é um problema. não pode sorrir demais porque é estranho, não pode estar sempre bem porque ‘a vida não é assim‘, não pode ficar de boas quando o mundo tá caindo porque a gente tem que se desesperar todo mundo junto ao invés de focar numa solução.

eu tava pensando esses dias sobre como é fácil a gente sentir medo quando as coisas estão bem, porque parece que a felicidade é curta demais e tem hora pra acabar. a gente precisa passar por esse ciclo de altos e baixos, caso contrário não é a vida – ela fica sem graça, sem sentido, precisa ter um pouco de emoção.

eu me peguei com medo. medo que tudo não passasse de um sonho, que eu acordaria um dia no mesmo ponto em que estava dois anos atrás: triste, sem esperança, me sentindo presa no alto de uma torre sem chance de saída. e tudo isso que eu estaria vivendo seria apenas uma criação do meu imaginário, uma alucinação boa, um sonho feliz.

o meu primeiro impulso é correr pra proteger tudo. segurar nas bordas do barquinho salva-vidas pra ele não virar  – e, se virar, que pelo menos me leve junto. é o medo da perda, da solidão, de comprovar que estamos mesmo todos fadados a viver um ciclo monótono de nascer e morrer permeado por alguns momentos de alegria e outros de tristeza.

eu quis chorar também. chorar porque jamais imaginei que poderia ser tão feliz como estou sendo agora. chorar de pavor, com receio de que tudo possa desmoronar de uma hora para a outra, sem justificativa, e eu me vendo de mãos vazias, no meio de uma avenida mais vazia ainda, os joelhos no asfalto, tomando chuva e perguntando ‘o que foi que eu fiz de errado‘.

felizmente, a vida não é um drama hollywoodiano, muito menos uma sucessão de momentos alegres e tristes, porque a alegria de verdade não tem opostos. pelo contrário ela é, hoje e sempre, alegre. felizmente, também, eu sei que tenho um backup dos mais completos, um suporte inteiro me lembrando diariamente de duas palavras que eu vivo esquecendo de novo e de novo: eu mereço.

eu mereço ser feliz. eu mereço viver dias felizes. eu mereço coisas bonitas, e momentos de completa abundância e comidinhas gostosas. mereço também dormir de conchinha, receber abraços carinhosos logo cedo, tomar uma xícara de chá num quartinho espaçoso numa noite chuvosa. mereço roupas confortáveis e passeios de um dia inteiro andando pelos meus lugares preferidos de São Paulo.

mereço viver a verdade sobre a vida e sentir o amor todo os dias. em cada toque, em cada palavra, em cada gesto e cada palavra escrita. mereço também cumprir a minha função no mundo, porque só ela vai me levar pra esse lugar plenamente alegre.

eu mereço. mereço entender que tá tudo bem comigo e com todos e que a gente tá junta nessa caminhada de volta pra casa. enquanto a gente não chega lá, a gente treina essa lembrança, de que merece. por mais absurdo que pareça a gente fazer um treino pra lembrar o tempo inteiro que merece ser feliz.

ainda entre altos e baixos, eu aceito. eu me lembro. eu me sinto feliz e completa. amada. eu choro sem motivos (mas sempre de alegria) e eu passo momentos repletos de amor. e cada um desses momentos, vem o reforço carinhoso, as palavras felizes que ficam repetindo nessa minha cabecinha cheia de caraminholas:

eu mereço.

8 comentários

  1. Karupin comentou:

    Hoe, Maki! Tudo bom?

    Ai menina, você tem uma câmera escondida aqui no meu quarto e eu não tô sabendo? É que você escreve uns posts que parecem umas trouxinhas de amor carregadas com o que eu preciso ouvir e absorver na hora certa!
    Claro que, infelizmente, não dá para aplicar de uma hora para outra, apertar um botão de reset na cabeça para ver as coisas de uma forma mais positiva, mas tenha certeza que seus textos sempre me ajudam muito a interiorizar pensamentos melhores sobre a vida e sobre mim mesma.

    O que eu mais gosto nos seus textos é que, diferente de outros que parecem sugerir que esse tal botão existe, colocando verbos no imperativo para a gente deixar de ser leso e tocar a vida já, você senta do nosso lado, fala que já se sentiu assim e tá tudo bem, dá um abraço apertado e sugere um plano de ação mais palatável. É um passinho pequeno e tranquilo de se dar, mas importantíssimo rumo a uma vida mais leve que a gente também merece.

    Obrigada por mais esse colo quentinho, flor!
    Beijos~

    1. Maki respondeu Karupin

      Karupin, obrigada você por topar sentar do meu lado e ter essa conversa com xícaras de chá quentinhas. eu fico muito feliz de saber que os meus textos tem esse efeito em você ♥

  2. yuri s comentou:

    muito lindo ♥ quando fico feliz bate um medinho de tudo dar errado depois, pq apesar de saber que eu EU MEREÇO ser feliz parece que o universo não quer :(
    só desejo que tudo permaneça bem pra mim, pra vc, pra todos! beijos!

    1. Maki respondeu yuri s

      vai permanecer ♥

  3. Mariana comentou:

    Nossa, que foto bonita! Forte, desesperadamente feliz…! Merecemos.

    1. Maki respondeu Mariana

      obrigada ♥

  4. Chell comentou:

    Ai que lindo.
    As vezes a gene se esquece que a gente merece um pouco de paz mesmo e quando ela vem sentimos até culpa. Delícia de texto. Você merece sim!

    1. Maki respondeu Chell

      nós merecemos ♥

deixe seu comentário