como o amor vai salvar o mundo

o amor vai salvar o mundo

parece que o mundo não tem solução. que as coisas só pioram. que cada dia fica mais difícil. é mais violento, mais corrupto, mais sujo. mais triste. as pessoas ficam mais cínicas, mais casca grossa, mais insensíveis. é todo mundo matando um leão por dia. e quem não mata, bem, sempre tem a segunda opção.

teve um dia desses que eu parei pra me perguntar como diabos a gente vai sair dessa cilada. sério. eu olhei em volta, olhei pras coisas horríveis que eu ainda penso, pro medo que todo mundo sente e me perguntei: como é que a gente vai sair dessa? como? parece que não tem saída.

a resposta veio algumas (poucas) horas depois, quando eu recebi um abraço apertado e fui lembrada da solução. sabe quando você tá num dia estressante e para um segundo, e percebe o quanto o seu corpo tá tenso, todo doendo, todo encolhido? e aí você relaxa, respira fundo e repara que tá tudo certo? foi tipo isso. foi um acalento, foi um aconchego, foi uma certeza. o amor vai salvar o mundo.

não tem nada de romântico. de poético. apesar de ser a coisa mais linda que qualquer um de nós vai ver. na verdade, é muito prático. a única saída pra essa loucura toda é o amor. tem uma raivinha que a gente vai alimentando dia após dia e que nem parece que tá ali até você sair chutando a rua sem motivo e gritando ‘FILHO DA PUTA‘ no trânsito pra meio quarteirão ouvir. no meio do caminho, qualquer que seja ele, a gente esqueceu que do outro lado tem alguém igual a gente, que tá perdido igual.

as pessoas tão perdidas. elas se sentem sozinhas. elas têm medo. elas não sabem o que fazer com as próprias vidas, porque aprendem desde novinhas que o dinheiro é mais importante e que a gente tem que sacrificar tudo que é bom pra ser feliz em algum ponto do futuro. vai saber se é daqui 10 ou 50 anos. mas tá sempre lá na frente.

as pessoas esqueceram de se olhar. de perguntar sinceramente se tá tudo bem e de ter curiosidade em ouvir a resposta. elas têm certeza que já sabem. elas têm certeza também que todos temos coisas mais importantes para fazer do que ouvir os lamentos alheios. eu já pensei assim também. mas não venha me dizer que você não sente o coração apertar quando vira as costas e não fica pra dar um carinho que seja em quem pensou que você tava no clima de ouvir o que ela tinha a dizer.

vai dizer que você já não foi a pessoa contando com a boa vontade alheia e que ficou na mão também. sorriu ao invés de chorar. que deixou de falar que gostava ou que tava triste. que não ligou por medo de incomodar. que não saiu de casa porque achou que não seria bem-vinda. que quis voltar antes pra casa porque tinha certeza que ficar sozinha vendo Netflix era melhor. não venha me dizer que você não chegou em casa e pensou que tava se sentindo solitária. eu sei que você entende bem o que é isso.

e no meio dessa loucura toda, dos boletos a pagar, da fatura que só aumenta, da solidão e das garrafas de vinho bebidas às pressas no fim de semana, parece que não tem pra onde correr e que a esperança morreu, afinal.

como faz pra encontrar a esperança no mundo? como faz pra gente ser a esperança do mundo? desistindo da raiva, oras. e aprendendo a viver no amor. simples assim. como 2 + 2. como tomar picolé de limão no verão. como apertar o botão soneca quando você sabe que tá atrasada pro trabalho. como abraçar alguém que a gente gosta e não vê tem um tempão.

como faz pra gente ser a esperança do mundo, meu Deus? talvez a gente comece colocando um pouquinho de amor onde é mais fácil pra gente, sabe? num carinho com aquela pessoa querida. num trabalho que a gente curte muito fazer. numa foto bonitinha que a gente clicou pro Instagram. vale colocar até na hora de montar as marmitas todas pra semana ou de dar bom dia pro motorista do ônibus. essa coisa de pensar em grandes gestos de amor é démodé e dá trabalho. o amor é simples, é natural e não pede licença. ele não limita e não determina. ele não escolhe. ele é de todo mundo.

e vai salvar o mundo. o amor vai salvar o mundo porque ele vem chegando assim. devagarzinho. tem horas que você nem percebe. quando vê, PLUFT, já foi. daí você tá sorrindo de orelha a orelha e nem sabe muito bem o que rolou. você tomou o sorvete mais delicioso do mundo inteiro ou tirou a foto mais incrível de todas e solta um ‘nossa, nunca mais isso vai acontecer de novo‘. verdade, não vai mesmo. porque da próxima vez vai ser outro sorvete mais delicioso do mundo e outra foto mais incrível de todas – não tem nada a ver com a foto ou o sorvete, sabe, mas com o amor que tá ali. e a vida fica bonita de novo, entende?

de novo. porque ela sempre foi bonita. sempre vai ser. a gente só esqueceu. ô, menina. só não esquece a cabeça porque tá presa no pescoço. tipo assim. exatamente assim. só que numa escala um pouco maior, que faz a gente duvidar que tem jeito. que dá pra distribuir amor pra quem fecha a gente na marginal (e olha que eu nem sei dirigir) ou que usa a camiseta do time inimigo (também não gosto de futebol). mas tem ponto de partida. tem saída, minha gente.

é o amor que vai salvar o mundo. só o amor. políticas públicas parecem vitais, mas não cuidam da mente doente. cuidar do meio ambiente não é mais importante do que mostrar que as pessoas são confiáveis e que a gente não precisa ter medo de quem tá sentado do nosso lado no ônibus. isso são detalhes, a gente tem que olhar a big picture, o quadro geral das coisas, o contexto. e dentro do contexto, o mundo será curado à medida que a gente se abrir pro amor.

mas vai demorar, Maki? tá doendo agora. eu preciso de ajuda agora‘. então, toma aqui, ué. toma um abraço. um carinho. um cafuné. toma uma xícara de chá. respira fundo. a gente tá junto nessa. você não tá sozinho. não tá no escuro. tá tudo bem. a gente vai salvar o mundo. e se você ainda tem medo de dar esse passo, não tem problema. eu começo amando você.

banner beda desancorando

6 comentários

  1. A cada dia que passa gosto mais do seu blog.
    Concordo com você, é o amor que vai salvar tudo. Nos amar, amar a pessoa do lado, amar o que estamos fazendo, simplesmente amar.
    Parabéns por esse cantinho tão lindo.

    1. Maki respondeu Ana Beatriz

      não é, Ana? eu acredito nisso mesmo e faço o que eu posso pra colocar em prática ♥
      brigada pelo seu comentário, viu?

  2. Boa noite! Adorei chegar aqui através do blog “Coffee and flowers” e, sobre o texto, concordo com você. Aliás me sinto até aliviada por lembrar que a ideia de que só o amor cura, não é real apenas para mim. Com isso, adorei a forma como você demonstrou detalhadamente por que o amor é a solução, e mais do que um discurso vazio da nova(antiga) moda “goodvibes” seu texto dá forma e concretude para essa verdade. Ou seja, traz esse abraço que faz a paz reinar novamente, mesmo que seja apena dentro de nós e por alguns instantes. Obrigada pelas palavras e por ainda acreditar no amor simples e prático como ele é, que como você bem disse “ele não escolhe. ele é de todo mundo”. Que possamos inspirar com nossas palavras e gestos mais pessoas a demonstrarem e viverem esse amor no seu dia a dia, com cada um que cruzar o seu caminho. Juntos somos mais fortes, né? :)
    Beijos!

    http://www.vestidadeceu.blogspot.com.br

    1. Maki respondeu Bárbara

      somos mesmo, Bárbara! brigada pelo seu comentário lindo ♥

  3. Eu acredito nisso taaaaaaaaaaaaaaaanto, Maki!
    E obrigada pelos abraços quentinhos que são seus textos!
    Beijos!

    1. Maki respondeu Laura Nolasco

      Laura, você é MUITO fofa. sério. vontade de te apertar ♥

deixe seu comentário