porque A Bela e a Fera virou o meu filme preferido da vida

A Bela e a Fera sempre foi uma das minhas animações favoritas da Disney. eu me identificava muito com a Bela porque era a louca dos livros e nunca achei que me ‘encaixava’ – sabe essa coisa de achar que você é diferente demais e que ninguém te entende? então.

eu sempre fui muito apaixonada pelos filmes da Disney, mas A Bela e a Fera era aquele para o qual eu sempre voltava quando precisava de uma afago. eu não só gosto muito da história, como da simbologia da rosa. no filme, ela é vista meio que como um mau agouro, cada pétala que cai é um sinal de que o tempo está acabando. mas pra mim ela é um presságio de esperança. ainda tem mais uma pétala, mais uma chance…. se essa rosa está aí é porque tem uma saída, a gente só precisa olhar de novo e tentar mais uma vez.

daí veio a versão live-action e ao mesmo tempo que eu fiquei muito empolgada, eu fiquei meio com um pé atrás. e se estragassem a minha história preferida? mas com um elenco tão incrível, eu achei muito difícil que isso acontecesse de verdade. veio a estreia e eu sai do cinema em prantos – o filme é uma das coisas mais lindas que eu já vi.

sabe quando eu falo de fazer as coisas com carinho? esse filme é cheio de carinho. cada detalhe, cada música nova, cada piada, cada adaptação das músicas originais…. só de ver o castelo da Fera logo no comecinho já me deu uma emoção que eu não consegui segurar… tem uma sensação envolvida que me conta o tanto de amor que tinha nesse projeto.

depois dessa experiência, A Bela e a Fera virou, mais uma vez, o meu filme preferido de todos os tempos. tanto a versão nova quanto a animação, porque ambas me mostram o poder do amor.

é por isso que eu tatuei a rosa no braço, com a redoma e tudo mais. ela me lembra todos os dias que a resposta para todas as minhas dúvidas está no amor. e é atrás disso que eu vou. às vezes, a gente tropeça, cai no meio do caminho, acha que tá indo pro lado errado… as dúvidas e a desconfiança fazem parte do processo (apesar de não precisarem), mas a gente ajusta a rota conforme vai andando. tipo a Bela pensando de novo antes de deixar a Fera na neve depois do ataque dos lobos.

esse filme, pra mim, foi a maior prova de que é possível fazer as coisas com muito carinho, com amor, e passar uma emoção que a gente precisa sentir – é aquela coisa gostosa que não sabe explicar muito bem, mas que dá um quentinho no coração e faz a gente pensar que o mundo tem salvação (ele tem mesmo).

no mais: fiquei encantada com a Emma Watson cantando não por cona de potência vocal, mas porque ela foi muito honesta no talento dela para a música, cantou o tanto que podia, sem exageros e ficou perfeito. Josh Gad merece ser ovacionado de pé pelo papel de LeFou (um dos melhores personagens do filme inteiro) e a mesma coisa vale para o Luke Evans no papel de Gaston. Dan Stevens apareceu pouquíssimo como ele mesmo, mas ganhou meu coração mesmo assim.

outra coisa que eu simplesmente amei nesse filme é como ele dá um contexto histórico muito maior e explora mais a trama… até a Feiticeira aparece mais vezes no filme do que na animação.

enfim, é maravilhoso e se vocês puderem, por favor, assistam de coração aberto. eu garanto que você não vai sair do cinema decepcionada, mas sim cheia de amor.

você já viu A Bela e a Fera? me conta o que achou?

2 comentários

  1. Que tatuagem linda Maki! ♥

    Eu ainda não consegui assistir o filme, mas estou tentando! rs Se tudo der certo vejo hoje.

    Gosto muito como você vê as coisas por outro lado. Seus textos são sempre inspiradores, mesmo falando sobre filmes!

    1. Maki respondeu Claudia Hi

      ahh obrigada! essa tattoo é o meu xodó ♥

deixe seu comentário