Tudo que Austin Kleon me ensinou sobre ser criativa

Eu sou dessas que gosta de reler o mesmo livro zilhões de vezes. Tanto que a minha edição de Roube como um Artista tá inteira grifada, com as páginas meio amassadas, bem com cara de usada mesmo.

Esse livro, do Austin Kleon, virou um dos meus preferidos da vida. Normalmente, quando eu sinto que preciso de um boost de criatividade, de um incentivo pra criar o que quer que seja, eu leio de novo pra me inspirar.

Tudo que Austin Kleon me ensinou sobre ser criativa

Os publicitários de plantão podem dizer que o livro é superestimado (já ouvi isso de algumas pessoas!), mas não muda a sensação que ele me passa sempre que eu leio, de que eu posso fazer qualquer coisa mesmo (e eu posso, isso é verdade!), que eu sei, sim, ser criativa. Pra mim, é um livro empoderador, sabe?

Ele não é um livro grande, tem mais ou menos 160 páginas e um tamanho que não é comum, bem menor, quadrado, e dá pra ler de uma taca só. Tem uma linguagem bem divertida e leve e um monte de frases de gente gigante pra aumentar ainda mais o nível da barrinha de criatividade no jogo da Vida.

De tudo o que eu já absorvi desse livro, três coisas mais se sobressaem:

1.Mastigue um pensador

Taí uma coisa que eu já quis fazer mil vezes, mas nunca segui em frente com o plano (ou seja, eu não queria de verdade). Eu acho muito interessante a ideia do Austin de criar uma ‘árvore genealógica criativa’ pra você se inserir. Sabe? Você gosta de uma pessoa. Vamos dizer que você é fã de Justin Bieber (e quem não é?). Daí você estuda tudo sobre ele, como ele escreve as músicas, como é o processo de gravação que ele faz, o que ele come quando tá escrevendo uma música, se ele leva um caderninho no bolso pra anotar ideias de músicas… Tudo mesmo. Quando você acha que acabou, você pega três pessoas que o Justin gosta, que ele diz serem inspiradoras pra ele. E aí você estuda essas pessoas. E assim vai.

Você cria meio que um backup de pessoas criativas pra você. Assim, quando chegar a hora de você fazer alguma coisa, você tem toda essa galera por trás. É tipo um time de animadores de torcida. Quando você desanima, eles estão lá com as ideias e os processos deles pra você usar de inspiração.

2.Nada é original

Sabe quando você quer começar um *insira o projeto dos seus sonhos aqui*, mas você não consegue porque não acha que a ideia é original? Bom, newsflash: NADA É ORIGINAL! Nada. Nada, nada mesmo! Você só não sabe quais foram as referências usadas ali. Mas é garantia de que nenhuma ideia é original.

Isso não quer dizer que as suas ideias sejam boas, porém, saber que nada é original tira uma pressão e tanto das costas, que diz que a gente tem que ter ideias que ninguém nunca teve antes, caso contrário a gente ganha um grande carimbo escrito ‘PERDEDOR’ na testa. Fica muito mais fácil começar qualquer coisa quando você sabe que todo mundo teve alguma referência passada, que nenhuma ideia veio assim, do além. É por isso que eu acho a ideia do Austin de ‘roubar’ influências tão interessante. Você cria uma base, entende?

3.Você é capaz

Das coisas mais importantes que eu li nesse livro, a principal é essa: você é capaz. Eu já comentei no blog sobre um tal problema que eu tinha, que eu não conseguia ter ideias, e, meu Deus, como eu estava equivocada! A verdade não é que eu não tinha ideias (eu tenho, muitas!), mas eu não tinha a autoestima o suficiente para agir sobre elas. São coisas bem diferentes.

Você, com certeza, já pensou que também não tem capacidade de fazer coisa alguma, né? Que existem pessoas que são melhores e mais talentosas do que você em qualquer coisa. E pra isso eu digo: FODA-SE! Eu já pensei assim e hoje eu vejo que sou igual a todo mundo, e o que os outros têm, eu tenho também. O mesmo vale pra você. O talento que os outros parecem ter existe dentro de você, ele depende só da sua decisão de deixar de lado tudo o que você pensa sobre você.

Se você se interessou, vale a pena ler esse livreto maravilhoso. No mínimo, você vai terminar a leitura mais inspirada! Roube como um artista – 10 dicas sobre criatividade, de Austin Kleon, é da Editora Rocco e está à venda por R$20,60 na Amazon. #fikadik

Você já leu esse livro? O que mais te chamou atenção nele?

4 comentários

  1. Aline comentou:

    Oi Maki, eu já tinha visto esse livro é até então não tinha lido nada sobre ele, você me deixou curiosa e interessada nele ai vi na livraria e comprei. Depois te conto o que achei!
    Um beijo.

    1. Maki respondeu Aline

      Ahh sim! Me conta o que você achou depois! ;)

  2. Vi muita gente falando muito bem desse livro, e ele realmente parece incrível! É sempre bom ter um livro na coleção que te ajuda sempre que você precisa <3

    1. Maki respondeu Marcela

      Oi, Marcela!
      Sim, ele é ótimo! Vale a pena ler… E é baratinho também, então, mais um bônus!

deixe seu comentário