Como ser organizada trabalhando de casa?

Tem pouco mais de um ano desde que eu comecei a trabalhar de casa oficialmente – e, confesso, não sei se quero que isso mude num futuro próximo (mas isso já são outros 500).  No começo, uma das maiores dificuldades do home office era a organização: parecia muito mais tentador ficar na cama até o meio dia do que fazer o trabalho que eu tinha que fazer.

Como ser organizada trabalhando de casa?

A questão é que ser organizada, por mais que a gente não queria, é indispensável para quem trabalha de casa. Não tem como, é fácil demais a gente parar pra ver o que tem na geladeira a cada 5 minutos e ficar 3 horas assistindo vídeos de gatinhos no Youtube ao invés de fazer o que é preciso (e isso também tem outro motivo, mas é assunto pra outro post!).

Existem alguns hábitos que você pode adotar para tornar a coisa toda mais fluída e natural, mas, acima de tudo, você precisa manter em vista o seu propósito e prestar atenção na forma como organiza o seu dia e como as tarefas são dividas. Existem algumas dicas pra isso, ó:

1.Estabeleça prazos

Quando eu tenho uma matéria para entregar, mas ela não tem uma data certa, é só uma pauta que eu preciso desenvolver e entregar quando puder, eu estabeleço uma data limite. Tipo, até o dia X essa matéria tem que estar pronta. Se não eu vou empurrando a coisa com a barriga e passou um mês inteiro sem eu fazer nada pra terminar a tal pauta.

Estabelecer prazos para o trabalho pode parecer chato, mas é um incentivo pra você fazer o trampo sem ficar se culpando porque não para de adiar a tarefa. Se você tem uma data limite – mesmo que seja você quem estabeleceu – você meio que se esforça para cumprir a tarefa até o dia que você escolheu. Assim as tarefas não se perdem no limbo, sabe?

2.Escolha um método de organização

Pode ser um bullet journal, pode ser um calendário que você montou no Google Calendar, pode até ser o GTD (Getting Things Done). O importante é você ter um sistema que atenda as suas necessidades e que você consiga incluir na sua rotina. De nada adianta você ter um bullet journal que mais parece uma obra de arte se você não atualiza as suas tarefas e não usa o sistema ao seu favor, sabe? O mesmo vale para qualquer outra forma de organização que você escolha.

Vale a pena pesquisar e ler um pouco sobre as diferentes formas que existem por aí pra você saber qual vai se adaptar melhor ao seu dia a dia. Sem preguiça nessa hora, tá bem?

3.Monte uma rotina

Não canso de falar isso. Apesar de a vantagem de trabalhar de casa seja a flexibilidade a comodidade, a gente só funciona bem quando tem uma rotina mais ou menos certa. Não significa que você tem que seguir uma agenda super rígida e deixar de seguir o seu coração na hora de levar o seu dia (vai que você decide que tem que almoçar no parque um dia? Não vale deixar de fazer só porque você ‘tem que’ seguir os seus horários). Mas seguir um certo padrão – tipo tentar acordar sempre no mesmo horário, ter uma hora de almoço e outra pra parar de trabalhar é importante pra você não parar de fazer tudo o que gosta e só trabalhar o tempo todo (quem trabalha de casa tem dessas – tipo euzinha).

É aquele ditado… Não tem regra! Acho que o mais importante de tudo é você saber o que é importante pra você e manter em vista qual a sua meta com tudo isso. Dá pra trabalhar muito bem de casa, mas também dá pra arrancar os cabelos porque parece que você nunca consegue fazer trabalho algum. Nesses casos, respira fundo e lê esse post de novo, tá bem?

Você trabalha de casa? Como faz pra se manter organizada?

Internet > por

4 blogs que são fontes de inspiração

Sabe aqueles dias em que você precisa fazer um monte de coisa, escrever mil textos, mas simplesmente não consegue encontrar a inspiração pra colocar as ideias que estão na sua cabeça no papel? Então…

Eu, como jornalista e ~blogueira~, tenho muitos desses dias. Eu escrevo o dia inteiro, todos os dias, mas tem horas que nem por um decreto eu consigo começar a escrever coisa alguma. E aí, quando eu vejo, eu tô atualizando o feed do Twitter (melhor rede social, beijos!) pela milionésima vez ao invés de fazer o que eu preciso. Ou começo todos os textos usando as mesmas palavras. Argh.

4 blogs que são minhas fontes de inspiração

O que eu aprendi com o tempo é que, nessas horas, a gente precisa dar um passo para trás e respirar fundo. Tudo bem se naquele momento o que você tem que fazer/escrever simplesmente não está saindo. A questão é como contornar essa situação.

Eu gosto de fazer muitas coisas nesse momento que tiram a minha cabeça da obrigatoriedade de escrever e me levam pra um lugar de inspiração mesmo. E, dentre essas coisas está visitar alguns dos meus blogs preferidos. Visitar páginas que me inspiram de alguma forma é um jeito de eu mudar o foco e deixar a cabeça ‘descansar’ um pouco, digamos assim. É uma forma bem palpável para mim de ir atrás de inspiração.

Os meus blogs preferidos pra isso são esses ó:
blog-1Eu sou muito fã do blog da Gabi. Muito mesmo. Os textos são tão bem escritos que é impossível eu não me apaixonar por um texto dela. Sabe aquela coisa que dá muito gosto de ler? Então. E é tudo tão bem explicadinhos, os textos tão bem amarrados que você sente que não ficou nada sem ser dito num post. E isso é incrível! Normalmente, quando estou presa em texto mesmo, vou no blog dela ler um pouquinho, pra ver se entrar em contato com essa escrita me anima a sair do bloqueio. Costuma funcionar!

blog-2

Gente, o blog da Melina é a coisa mais amorzinho desse mundo. Eu sou encantada com as fotos que ela faz, é tudo criado com muito carinho sabe? Cada foto é super bem pensada, com elementos que conversam entre si e que criam uma vibe – toda foto dela transmite uma sensação que vai muito além do que está ali na foto, materialmente falando. O feed do Instagram dela é um dos meus favoritos da vida e eu sempre corro pra lá quando quero me inspirar para fazer fotos para o blog ou só pra ver coisas bonitas mesmo! Rsrs

blog-3

O blog da Lominha é incrível! Eu acompanho tem tanto tempo que eu nem sei mais quando foi que eu comecei a ler. Mas a Lominha fala sobre duas coisas que eu gosto muito: a cultura coreana e blogs! Como ela tem um material incrível de forte para blogueiras, eu sempre corro lá quando estou um pouco travada em relação ao Desancorando. Seja porque não tenho ideias para posts, como divulgar os que eu faço (alô, preguiça!), como fazer uma newsletter bacana. Enfim, tudo isso sabe?

 

blog-4

Esse blog não é brasileiro, mas britânico. A página da Rebecca é incrível e eu descobri sem querer nessas minhas andanças pela internet. O que eu mais gosto é o conjunto da obra do blog dela: as fotos incríveis e os textos muito bem feitos. Ela faz muito conteúdo com esse viés de inspiração também, o que eu gosto muito. Corro muito pra lá quanto estou sem ideias para posts, por exemplo.

Pode ter certeza que quando qualquer um desses blogs tem um post novo, eu leio. São páginas que me ajudam muito em muita coisa, mas, principalmente, a olhar de uma forma diferente e a fazer as coisas de um outro jeito. E isso é o mais legal.

E, verdade, quando a gente tem um propósito certo, tudo fica muito mais fácil, mas isso não significa que a gente não precisa de uma ajudinha de tempos em tempos, né? Um empurrãozinho não faz mal nenhum.

Você lê algum desses blogs? Quais você usa de inspiração?

Diário > por

Diário #60 – Oi, eu existo

Oi, eu tô aqui. Tá me vendo? Olha pra mim, não me ignora não. Toda vez que você faz isso eu morro um pouquinho.

Oi, eu existo! Olha pra cá, me vê pelo amor de Deus. Tem vida aqui dentro de mim, ela só tá meio escondida atrás de um monte de coisa que nem eu sei dizer o que é direito, mas que eu fui acumulando ao longo do tempo, sem saber o que fazer com essa tralha toda.

Diário #60 - Oi, eu existo

Oi. Oi. OI! Eu tô aqui! Tá ouvindo? Eu sei que é difícil olhar pra fora da sua própria cabeça, mas deixa tudo o que você pensa de lado, só por um minutinho, e tenta me ver de verdade. Eu preciso ser vista. Só assim eu vou ter certeza de que sou real mesmo.

Oi, eu te amo! Te amo muito. E eu tô te vendo. Eu sei quem você é de verdade e eu te amo. Me olha, por favor, me vê. Tira da sua cabeça essa ideia maluca que você criou de mim e me aceita. Só me aceita. Deixa eu fazer parte de você tanto quanto você faz parte de mim.

Ei, me olha no olho e diz que não me ama. Eu te desafio. É, eu sei. É impossível. Pronto, tá feito. Agora sim você me viu. Me viu e percebeu que é impossível de desver. Agora a gente se vê de verdade e agora você sabe que eu e você somos um só. Sempre fomos, na verdade, é que a gente andou se distraindo com uma coisa chamada ‘mundo’.

Oi, cê tá me vendo, né? De verdade. Pra valer. Dá um negócio, né? Uma quentura. E você me conhece que eu sei. Eu te conheço também. Sempre te conheci e o nosso tempo de convivência não tem nada a ver com isso.

E agora? Ah, me leva com você pra onde você for. Agora você sabe que nunca mais tá sozinho, eu tô sempre com você. Quando você for comprar pãozinho na padaria no domingo de manhã, na hora daquela reunião com o chefe na quarta à tarde, até na fila do Poupa Tempo lá na Sé pra tirar a segunda via do seu RG.

Eu tô com você quando você sentir medo, quando quiser se esconder e sumir do mundo. E eu jamais vou te forçar a sair desse esconderijo. Vou apenas deixar a minha mão sempre muito bem estendida, quando você quiser, é só pegar.

Oi, tá me vendo? Eu existo. Tem vida pulsando dentro de mim e essa vida não acaba nunca. Ela é feita de mim e de você. É feita do amor que gente sente um pelo outro.

Oi, que olhos lindos que você tem. Olhando assim de pertinho dá pra ver que são parecidos com os meus. Eles tem esse brilho meio maluco, não sei explicar. Brilho de quem entrou em contato com o amor. Brilho de quem é feito de alegria.

Oi. Nem precisa perguntar se tá tudo bem. Eu já sei a resposta. Estando sempre com você é impossível não saber. Uma espiadinha nesses seus olhos e eu já sei de tudo. Um toque de mãos e eu já entendi o que tá passando por essa sua cabeça meio doida.

Oi, fica comigo? Me abraça, me beija, dorme agarrado comigo e não solta a minha mão nunca mais. Você existe também sabe, a minha vida é a sua e sem você… Sem você… Não dá nem pra pensar o que eu seria sem que os meus olhos fiquem cheios de lágrimas e o meu coração apertado. Você é importante assim.

Oi, quer vir junto? Vamos ali tomar umas várias xícaras de chá e aproveitar esse dia lindo. Pra quem ama de verdade o tempo não importa e a gente tem todo tempo do mundo pra entender que ser especial é démodé e que a nossa missão no mundo é muito maior do que o balde de café que você toma todas as manhãs.

Oi, senta aqui. Olha pra mim e sente. Sente o amor que eu sinto por você mandando o frio embora e te fazendo abrir aquele sorrisão que você tem vergonha de mostrar, porque vive achando que o buraco entre os seus dentes da frente é feio. Mas esse detalhe é só isso: um detalhe. E passa despercebido quando você sorri assim pra mim e entrelaça os seus dedos nos meus. Isso me dá certeza, sabe? Certeza de que o caminho é feliz e de que eu nunca mais vou andar sozinha. Porque eu existo, e consciente disso eu sei que a solidão simplesmente não é real.

15 respostas infalíveis para pensamentos de merda

Todo mundo tem aquele dia que acorda meio ‘blé’. Não deveria, mas isso é algo bem comum. E apesar de eu ter mudado a minha postura toda em relação ao ‘acordar’, isso não significa que eu não tenha mais um dia ou outro em que eu acordo com a perna esquerda (com todo respeito aos canhotos).

15 respostas infalíveis para pensamentos de merda

Sabe o que eu acho pior nisso tudo? O monte de pensamento porcaria que fica passando na nossa cabeça. Sabe? Aquela coisa que não para, aquela vozinha gritando milhões de coisas sem parar e que você acha que vai te engolir até você afogar num monte de palavras sem sentido e mentirosas.

Tenso.

A gente fica se duvidando e alimentando um monte de imaginações sobre a gente que só pioram a situação e não é à toa que o dia parece ir ladeira a baixo depois que o despertador toca.

Nessas horas, a gente tem que acionar o nosso ‘seguro anti-pensamento merda’ (patente pendente) e colocar pra rodar coisas que vão contra essa maré, pra não deixar a bad vibe dar uma de Dementador e sugar toda a alegria do nosso viver (um beijo pro time nerd que sacou a referência).

Se você precisa de uma ajudinha pra montar esse seu seguro, segue anexo abaixo algumas respostas incríveis para os pensamentos de merda™:

  1. TEU.CU
  2. O que a Beyoncé faria agora?
  3. Eu me amo (repetir ∞vezes)
  4. Eu me perdoo (idem)
  5. Isso é mentira
  6. Foda-se
  7. I’VE GOT NO CONTROL, NO CONTROOOOLLLL (música sempre resolve, né mores?)
  8. Eu sou importante
  9. EU CONSIGO!
  10. Expecto Patronum!
  11. Eu não estou sozinha (nunca. Nunca nunca nunca nunca nunca)
  12. Eu não sou errada
  13. Esse pensamento não muda o que eu sou (e eu não sou esse pensamento)
  14. CALA A BOCA!
  15. Eu não vou vender a minha paz por isso

Pode parecer o contrário, mas se você pensar em algumas dessas coisas sem raiva, mas com confiança, o efeito é imediato. Sabe, o nosso dia só fica ruim se a gente quiser mesmo. Se for isso mesmo, tudo bem, é uma escolha nossa. Mas saber que a gente pode mudar e sair desse loop de coisas horríveis que ficam passando pela nossa cabeça dia sim dia também dá um alívio…

Essas frases são só umas senhas que a gente pode usar pra sair dessa (eu uso todas praticamente todo dia, o dia inteiro) e ir treinando a nossa mente pra não aceitar mais esse tanto de lixo imaginário que a gente fica juntando. É possível viu?

E, se nada disso funcionou pra melhorar o seu dia, eu deixo aqui, bem casualmente, esse gif de um baby panda com sono pra você ficar encarando pelos próximos 20 minutos. Foi receitado pelo médico, então, se eu fosse você, seguiria a receita:

Qual o seu seguro anti-pensamento merda?

Cotidiano > por

As desvantagens de imaginar

Eu sempre me orgulhei muito da minha capacidade de imaginar. Lembro de pensar muitas vezes assim ‘eu posso não ser boa em muita coisa, mas pelo menos eu sonho muito’ e sempre achei estanho as pessoas que não gostavam disso, que não curtiam sonhar sabe?

Mas eu andei percebendo que, mesmo que fosse divertido ficar imaginando mil coisas na minha cabeça, isso me fazia muito mal. Ainda faz. Porque quando eu imagino, eu deixo de estar presente e é como se eu não estivesse lá. Sabe? Tem só uma carcaça olhando pela janela do ônibus porque eu, de verdade, tô em outro lugar.

As desvantagens de imaginar

Uma coisa que eu ouvi e que me marcou muito é que o maior presente que eu posso dar pra qualquer pessoa em qualquer situação é a minha presença. O que dizer então dos momentos em que eu não estou presente?

Eu ainda estou aprendendo o que fazer com essa informação e como deixar de ficar perdida em imaginações na minha cabeça para ficar mais presente. Na verdade, tem horas que eu ainda gosto de ficar inventando histórias mirabolantes – eu estaria mentindo se dissesse que já superei isso –, mas eu achei que seria bem importante mostrar que nem tudo são flores no mundo da imaginação, então listei 3 coisas ruins que acontecem quando a gente fica imaginando:

1.A gente desvaloriza o que tem

Eu sou dessas que fica se imaginando em situações bem diferentes, fazendo coisas incríveis. Quem nunca achou que era a Beyoncé pelo menos uma vez na vida, né? Mas quando a gente faz isso, não presta atenção no que tem. A gente fica focando no que não tem (por exemplo, eu não sei dançar ou cantar como a Bey) e acaba se sentindo mal por isso. Entende? A gente acaba com a nossa própria autoestima assim, porque fica pensando nas coisas que não tem e gostaria de ter e esquece de trabalhar no que a tem e pode aprender.

2.A gente cria um matagal de expectativas

Daí que você tá lá esperando o sábado pra ir naquela festa e vai ser incrível e ai meu deus eu já sei o que vou usar e aquele cara vai e vai ser o melhor dia da minha vida e a gente vai conversar horas e vai ser maravilhoso e…. Daí você chega lá na tal festa e ela até que é legal, mas você já está frustrada porque nunca o que você imagina vai se concretizar 100%. Você deixa de aproveitar o que está acontecendo porque você criou esse monte de coisa na sua mente que te cega e te impede de aproveitar o que rolando ali na hora, sabe?

3.A gente sente medo

Tipo, é mais ou menos a mesma coisa que criar uma expectativa. Talvez dê pra dizer que os dois estão super relacionados. Pensa que o seu chefe te mandou uma  mensagem falando que precisa conversar com você. O que você pensa? Na hora deve vir um monte de coisas na cabeça: vou levar bronca, devia ter terminando o trampo a tempo, certeza que ele me viu no Facebook aquele dia, ele repara que tô sempre atrasada… Enfim, dá pra ir longe nessa brincadeira. E o que você sente quando vai, enfim, conversar com o chefe? Medo. Porque você vai pensar que alguma dessas ideias que passaram pela sua mente tem que ser verdade. E não tem como a gente saber se isso vai acontecer mesmo.

E como faz pra sair desse loop? Com treino. Como eu falei ali em cima, eu não me livrei totalmente disso. E por ‘livrar’ não pense que é algo ruim, pelo contrário. É muito bom ficar presente e aceitar as coisas que estão acontecendo. Não imaginar é bom, gente. Sabe por que? A gente para de sentir medo… E tenho certeza que, como era comigo, você sente medo o tempo inteiro.

A melhor coisa que a gente pode oferecer pra alguém é a nossa presença. Fica presente. Fica aqui comigo. Garanto que é legal (eu até faço um chá, se você pedir com carinho).

Você acha que imaginar tem desvantagens? Me conta?