4 tatuagens e 4 formas de ver o mundo

tatuagens

tatuagem é um troço que vicia – muito! eu fiz a minha primeira em 2011 e desde então já coloquei mais seis desenhos na pele. confesso que não penso em parar tão cedo, mas estou muito feliz com as sete que tenho até agora e queria compartilhar com vocês um pouco sobre algumas delas.

eu sou a única pessoa da minha família inteira que tem tatuagens e achei engraçado que, quando contei pra minha mãe, ela achou até divertido me acompanhar na primeira vez e ver de perto todo o processo. desde então, ela não foi mais comigo, mas dá risada e me manda mensagens surpresa toda vez que eu posto a foto de uma nova no Instagram.

então vamos, lá:

1.expecto patronum

Esse dia foi massa™ – (tem post sobre esse look lá no blog! LINK NA BIO)

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

Harry Potter sempre foi uma parte muito importante da minha vida. por muito tempo, eu encontrei nesses livros um refúgio pra solidão que eu sentia e acompanhei de perto cada um dos lançamentos – dos livros e dos filmes. me envolvi muito como fandom, escrevi fanfictions a respeito, li e reli os livros inúmeras vezes e até hoje tenho um carinho especial por tudo o que ele me trouxe. a minha primeira tattoo foi feita na semana seguinte ao lançamento do último filme da série – Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2. para mim, ‘expecto patronum’ é uma proteção, é um bálsamo, uma esperança. quando você acha que tá sempre sozinha, nada melhor do que buscar refúgio naquele lugar feliz e seguro na sua mente, onda a solidão não passa de uma ideia doida.

2.jamais desistiremos

às vezes, tudo o que a gente precisa é dessa lembrete: jamais desistiremos

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

acho que já falei algumas vezes por aqui que Romeo e Julieta é a minha peça predileta de Shakespeare. existe uma tradução que eu li quando fiz a Oficina de Teatro da Coexiste e que marcou muito, porque mostra como a intenção do autor sempre foi fazer com que as pessoas entendessem que existe muito mais da vida do que a gente conhece e imagina. ‘jamais desistiremos’ faz parte do prefácio e foi uma frase que me impactou tanto durante a oficina que até hoje eu leio e me emociono – é um lembrete da minha função no mundo e da minha essência.

3.flor de cerejeira

não teve do trio, mas teve foto minha tomando um balde de capuccino

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

a flor de cerejeira é a minha predileta, com certeza! essa tattoo foi tipo uma ode ao tanto que eu gosto e o tanto que fui influenciada pela cultura oriental em toda a minha vida. Sakura Card Captors sempre foi meu anime/mangá preferido (amo forte até hoje) e eu sempre adorei o simbolismo dessa flor: ela representa a frivolidade da vida no mundo, como as coisas passam rápido por aqui e como precisamos aprender a observar a beleza de tudo antes que seja tarde demais.

4.catavento

catavento, cata-sol, cata-chuva, cata até amor ❤

A post shared by maki de mingo (@desancorando) on

sabe a minha viagem pra França? então. na varanda da casa em que eu morei tinham vários cataventos e essa imagem – da varanda com os cataventos girando – ficou tanto na minha memória que eu decidi marcar essa viagem com uma tattoo também. claro, vocês já sabem que esse intercâmbio foi tipo uma montanha russa emocional pra mim, mas ainda assim, tiveram momentos de alegrar e lembrar deles me faz olhar pra essa experiência toda de uma outra maneira – com gratidão.

a tatuagem da flor de A Bela e a Fera (o meu xodó do momento) vocês já conhecem um pouquinho, né? mas, basicamente são essas que tem um significado mais marcante pra mim e que eu senti que seria legal de compartilhar com vocês.

você tem tatuagem também ou  já teve vontade de fazer alguma?

20 coisas que você pode fazer tomando uma xícara de chá

xícara de chá

todo dia, lá pelas 16h, eu paro o que eu estou fazendo pra tomar uma xícara de chá. virou tipo um ritual de trabalho e também um momento pra eu me desconectar um pouquinho. pra quem passa mais de 10 horas por dia na frente do computador, é bom sair da frente da tela pra olhar pra outras coisas, dar um descanso pra cabeça.

eu já falei mutias vezes sobre o quanto eu amo chá e como esse é um momento muito gostoso pra mim. toda xícara é tipo um abraço apertado, tipo uma lembrança de que dá pra aproveitar tudo, de fazer as coisas de um jeito prazeroso, sabe?

no último fim de semana eu tive um desses momentos, mas de um jeito diferente: como parte do World Wide Insta Meet 15 (um encontro semestral de instagrammers) eu fui ‘desafiada’ a fazer uma postagem, relacionada ao tema: gentileza. a ideia era que eu convidasse alguém para tomar uma xícara de chá comigo, porque, segundo quem me desafiou, esse é um momento em que eu demonstro a minha gentileza.

como eu falei no Instagram, no fim isso não foi desafio algum, porque ser gentil é parte de quem a gente é de verdade e compartilhar isso com pessoas que eu amo foi muito natural e uma dádiva. aproveitei esse desafio para pensar 20 coisas que a gente pode fazer tomando uma xícara de chá, para lembrar dessa nossa gentileza e pra ficar mais pertinho de quem da gente mesma e dos outros, sabe? olha só:

  1. olhar a paisagem pela janela
  2. ouvir uma música gostosa (eu recomendo essa aqui que é meu vício eterno)
  3. conversar com alguém que você ama
  4. fazer carinho no seu gatíneo
  5. assistir um filme delicinha (já viu Love, Rosie? combina bem com uma xícara de chá – e uma caixa de lencinhos)
  6. ler um livro
  7. cuidar de alguém
  8. fazer carinho numa pessoa próxima
  9. se enrolar nas cobertas e aproveitar o quentinho do chá
  10. ligar para alguém com quem você não fala tem tempo
  11. ler uma revista
  12. escrever no seu bullet journal
  13. desenhar no seu bullet journal
  14. fazer qualquer coisa que você ame no seu bullet journal
  15. escrever uma carta (que você pode mandar ou guardar no coração)
  16. esquentar as mãos (amo/sou)
  17. ler os seus blogs preferidos
  18. fazer um dia de spa com hidratação no cabelo e máscara no rosto (euzinha ontem)
  19. treinar tocar um instrumento musical
  20. amar alguém

no fim das contas, fazendo isso tudo a xícara de chá deixa de ser uma xícara de chá pra se transformar em algo muito mais legal e gostoso. olhando com clareza, tudo isso vira uma forma de carinho, com as outras pessoas e com você mesma. e é isso que a gente precisa né? de mais carinho, de mais gentileza, de mais presença em todos os momentos e menos imaginações.

me conta o que você gosta de fazer enquanto toma uma xícara de chá?

 

porque A Bela e a Fera virou o meu filme preferido da vida

tatuagem a bela e a fera

A Bela e a Fera sempre foi uma das minhas animações favoritas da Disney. eu me identificava muito com a Bela porque era a louca dos livros e nunca achei que me ‘encaixava’ – sabe essa coisa de achar que você é diferente demais e que ninguém te entende? então.

eu sempre fui muito apaixonada pelos filmes da Disney, mas A Bela e a Fera era aquele para o qual eu sempre voltava quando precisava de uma afago. eu não só gosto muito da história, como da simbologia da rosa. no filme, ela é vista meio que como um mau agouro, cada pétala que cai é um sinal de que o tempo está acabando. mas pra mim ela é um presságio de esperança. ainda tem mais uma pétala, mais uma chance…. se essa rosa está aí é porque tem uma saída, a gente só precisa olhar de novo e tentar mais uma vez.

daí veio a versão live-action e ao mesmo tempo que eu fiquei muito empolgada, eu fiquei meio com um pé atrás. e se estragassem a minha história preferida? mas com um elenco tão incrível, eu achei muito difícil que isso acontecesse de verdade. veio a estreia e eu sai do cinema em prantos – o filme é uma das coisas mais lindas que eu já vi.

sabe quando eu falo de fazer as coisas com carinho? esse filme é cheio de carinho. cada detalhe, cada música nova, cada piada, cada adaptação das músicas originais…. só de ver o castelo da Fera logo no comecinho já me deu uma emoção que eu não consegui segurar… tem uma sensação envolvida que me conta o tanto de amor que tinha nesse projeto.

depois dessa experiência, A Bela e a Fera virou, mais uma vez, o meu filme preferido de todos os tempos. tanto a versão nova quanto a animação, porque ambas me mostram o poder do amor.

é por isso que eu tatuei a rosa no braço, com a redoma e tudo mais. ela me lembra todos os dias que a resposta para todas as minhas dúvidas está no amor. e é atrás disso que eu vou. às vezes, a gente tropeça, cai no meio do caminho, acha que tá indo pro lado errado… as dúvidas e a desconfiança fazem parte do processo (apesar de não precisarem), mas a gente ajusta a rota conforme vai andando. tipo a Bela pensando de novo antes de deixar a Fera na neve depois do ataque dos lobos.

esse filme, pra mim, foi a maior prova de que é possível fazer as coisas com muito carinho, com amor, e passar uma emoção que a gente precisa sentir – é aquela coisa gostosa que não sabe explicar muito bem, mas que dá um quentinho no coração e faz a gente pensar que o mundo tem salvação (ele tem mesmo).

no mais: fiquei encantada com a Emma Watson cantando não por cona de potência vocal, mas porque ela foi muito honesta no talento dela para a música, cantou o tanto que podia, sem exageros e ficou perfeito. Josh Gad merece ser ovacionado de pé pelo papel de LeFou (um dos melhores personagens do filme inteiro) e a mesma coisa vale para o Luke Evans no papel de Gaston. Dan Stevens apareceu pouquíssimo como ele mesmo, mas ganhou meu coração mesmo assim.

outra coisa que eu simplesmente amei nesse filme é como ele dá um contexto histórico muito maior e explora mais a trama… até a Feiticeira aparece mais vezes no filme do que na animação.

enfim, é maravilhoso e se vocês puderem, por favor, assistam de coração aberto. eu garanto que você não vai sair do cinema decepcionada, mas sim cheia de amor.

você já viu A Bela e a Fera? me conta o que achou?

todas as canetas que eu uso no meu bujo

canetas bujo

muita gente me pergunta quais são as canetas que eu uso no meu bullet journal. por mais que eu ainda esteja em busca das canetas perfeitas (sonho meu) eu cheguei num consenso sobre algumas que tem sido boas o suficiente para fazer tudo o que eu quero/preciso com o meu bujo.

a questão das canetas parece mesmo um problema: por causa da gramatura (o peso) das folhas, é muito comum a tinta passar para o outro lado e a página ficar manchada. aí você escreve na parte de trás e fica tudo meio estranho, meio borrão, meio arte abstrata. e aí a gente se irrita e tem vontade de fazer um fogo cerimonial com o caderninho (quem nunca).

mas antes que a gente comece um hábito de incendiar os nossos bullet journals, o melhor conselho que eu posso dar é: faça testes. eu testei muitas canetas antes de achar uma que ficasse de acordo com o que eu tinha em mente – e ainda assim não estou 100% satisfeita. o truque é ter paciência e ir buscando a melhor caneta para o seu tipo de caderno e para o que você quer.

eu, por exemplo, já desisti de usar as canetas Stabilo que tenho aqui em casa. por mais que ache as cores lindas, elas sempre vazam na folha e o resultado não fica legal. prefiro usar para um detalhe de vez em quando, mas, no geral, as canetas que tenho usado são essas aqui:

canetas bujo

Uni PN Fine Line 0.05

eu amo escrita fina. minha letra é muito redonda e ‘grande’, então quanto mais fina a caneta, mais legível e bonita ela fica. até agora, a 00.5 é a caneta que ficou melhor para esse propósito, mas por ser uma caneta de desenho, é normal a força de escrever avariar a ponta e ela começar a falhar. foi um trampo medir a força na mão para não estragar a ponta e conseguir escrever direitinho. tem dado certo. me recomendaram usar a 0.1, que não dá esse problema, e acho que esse vai ser o meu próximo teste!

Sakura Pigma Micron 02

originalmente, eu tinha comprado essa caneta para escrever normalmente, mas ela é beeem mais grossa que a Uni 0.05. agora, eu uso mais para fazer quotes nas páginas, títulos e outros detalhes maiores no meu bujo.

lapiseira Pentel 0.3mm

como eu disse ali em cima, eu amo escrita fina e o mesmo vale na hora de escrever à lápis/lapiseira. usava muito a 0.3 na época da escola e segue sendo a minha preferida até hoje. escrita fininha e mais leve, sem marcar a página se precisar apagar.

canetas bujo

Tombow ABT 620, 451 e N65

a Tombow é super famosa: é uma caneta pincel, muito usada para fazer lettering e outros trabalhos artísticos. eu amo porque as cores são mais leves, ela não mancha a folha do outro lado e dá para brincar bastante com as duas pontas diferentes (uma é pincel a outra lembra as canetinhas esferográficas que a gente usava quando era mais nova). tenho três cores e acho o suficiente. consigo brincar bastante e colorir um pouquinho o meu bujo.

canetas bujo

marcadores de texto Pilot Lumi Color e Oval

tenho três marcadores de texto diferentes porque uso cada um com funções diferentes. o amarelo é para datas, o rosa é para coisas importantes que eu preciso lembrar  e o azul eu uso às vezes como um complemento às canetas Tombow. dessas três, a única que eu uso todos os dias é a rosa, porque uso como um alerta de coisas importantes – como sou uma pessoa bem visual, ter uma cor ‘gritando’ comigo ajuda.

 

isso não significa que eu levo essas canetas todas comigo o tempo inteiro. não, não. normalmente eu faço tudo com a Uni e a minha lapiseira e depois complemento com as cores e outros detalhes. na hora de montar o meu dia, por exemplo, eu sou muito básica e preciso de praticidade. se não a coisa perde a mão e, principalmente, o propósito.

que tipo de canetas você usa no seu bujo? me conta?

tudo o que eu levo na minha deeda

tudo na deeda

posso ser meio louca e falar que eu amo arrumar a minha mochila pra trabalhar? uma coisa que eu tenho pensado muito ultimamente é em cuidado, e como eu tenho colocado cuidado nas minhas coisas. no dia a dia é muito fácil eu sentar para trabalhar e digitar freneticamente, com raiva, e escrever um texto totalmente estranho (de feeling, saca?).

desde que eu comecei a dar mais atenção para as coisas bonitas e fui atrás da minha mochila Deeda, da Kipling, eu percebi como era possível cuidar das minhas coisas com mais carinho e cuidado. então, montar a minha mochila para trabalhar em outro lugar que não a minha casa é um ato de carinho também.

mas o que eu levo tanto nessa mochila? decidi compartilhar com você um pouquinho do vai nesse meu dia a dia e o que entra na minha Deeda. vamos lá:

computador:

dur! meu laptop é meu melhor amigo de trabalho e eu levo ele para todos os lugares. como eu tenho as mãos meio grandes e os dedos compridos, e sou muito míope (MUITO MESMO), eu prefiro um modelo com tela e teclados maiores, é uma questão de conforto, sabe?

bullet journal

Mais um momento dur. Não saio de casa sem o meu bujo porque sem ele eu não sei nem metade das coisas que eu tenho que fazer no dia.

estojo

Eu costumava levar um pequenininho só com o necessário, mas adotei o hábito de levar um maior não só para caber as minhas canetas Tombow, como também para acomodar o mouse. Eu não gosto de trabalhar com o mousepad do laptop porque ele força muito o punho, fora que o mouse é mais confortável para cortar fotos no Photoshop e fazer as minhas coisas do dia a dia.

tudo na deeda

carteira

apaixonada com essa carteira que também é da Kipling e da mesma cor da minha Deeda (sou dessas). Ela é super espaçosa e tem um monte de divisórias incríveis. cabe tudo e não ocupa muito espaço.

necessaire

eu levo uma necessaire com o essencial na bolsa: escova e pasta de dentes, os meus batons preferidos, um blush, absorvente, um remedinho para dor de cabaça… enfim, tudo o que possa precisar durante o dia.

creme de mão

o meu preferido é da nívea, que tem proteção solar, um cheirinho beeeem suave (me incomoda coisa com cheio demais na mão) e absorve rápido. pra quem usa o dia inteiro enquanto digita isso é importante pro computador não ficar todo melado, né.

celular

dispensa muitos comentários, né? celular virou tipo uma extensão do meu braço, ainda mais trabalhando homeoffice, porque eu falo com todo mundo por Whatsapp e tô sempre checando email e redes sociais pra ver se tem alguma coisa rolando.

carregador / cabo de força

também dispensa comentários. já aconteceu de eu esquecer em casa e correr contra o tempo pra consegui fazer o trabalho no tempo que a bateria do laptop dura.

 

não sou de carregar muito peso nas costas para não me machucar também (ninguém merece andar pela cidade inteira com uma mochila de 300 quilos, ?). o mais incrível dessa mochila é que ela me permite dispor todas essas coisas com carinho e sem estragar nada. a agonia que me dava quando as chaves batiam no tampo do computador era real.

me conta o que você leva na sua bolsa quando vai trabalhar? quero saber ♥