como se tornar um freelancer maravilhoso

como ser freelancer

vou começar esse post dizendo que, sim, eu sou uma freelancer maravilhosa. se me perguntassem isso há dois anos eu diria ‘nunca, sou péssima‘, mas a essa altura do campeonato vocês já sabem que isso teria muito a ver com algumas doses de autoestima baixa e falsa modéstia. eu sou incrível, para ser sincera.

muitas pessoas me perguntam como é a vida de freelancer – ainda mais em uma área como o jornalismo – e eu posso dizer que sou bastante feliz com os trampos que faço. se vocês querem saber, boa parte dessa minha carreira de freela começou com cara de pau: sempre me achei muito tímida, mas nunca tive muito pudor pra soltar um #mandafreelas por e-mail de vez em quando. foi assim que eu comecei nessa rotina.

atualmente. eu tenho um trampo fixo e que funciona no sistema home office e um freela recorrente, além de alguns outros que faço de tempos em tempos. é muito trabalho, tem dias que eu fico maluquinha, mas eu gosto muito – principalmente pela flexibilidade de horário. com isso em mente (e atendendo aos pedidos da Caroline lá no Instagram!) usei a minha experiência pessoal para dar algumas dicas para quem quer começar esse caminho.

1.pense em um nicho

o mais fácil, pra mim, foi saber desde sempre que eu queria trabalhar com jornalismo de moda e/ou comportamento. isso tornou o processo mais fácil porque eu sabia para quem queria escrever, escolhi veículos que gostaria de tentar e saí mandando sugestões de pautas. foi assim que consegui muitos dos meus freelas. saber a área que você quer atuar é meio caminho andado.

2.seja organizada

o tanto que eu já falei isso aqui, né? mas, sim, para ser freelancer você precisa ser organizada, se não se perde nos prazos diferentes, datas de entregas variadas, dias de reuniões… pode acontecer até de não darem uma data certa de entrega (por exemplo: a pessoa precisa de uma matéria sobre um assunto, mas deixa você desenvolver livremente), daí é o seu trabalho se organizar para entregar esse texto em um período de tempo que você acha ok. o bullet journal virou meu melhor amigo porque foi MUITO importante nesse processo (eu comecei o meu pouco depois de virar freela em tempo integral).

3.tenha limites

ser freelancer implica que as pessoas vão achar que você trabalha todos os dias, o dia todo, afinal, você faz home office e não tem um horário fixo. você precisa saber equilibrar momentos de trabalho com outros de descanso, então estabeleça um horário para as suas funções e seja firme com ele! claro que existem exceções (eu já trabalhei até de madrugada, de fim de semana e feriado quando foi preciso), mas tente manter uma rotina que te deixa confortável e te dá espaço para fazer o que você tem vontade.

4.mantenha contato

eu sempre tento manter contato com pessoas com as quais já trabalhei. tanto para agradecer pelos trabalhos que eles me ofereceram quanto para saber se existem outras oportunidades. é importante para as pessoas saberem que você está disponível, entende?

5.cuide do seu dinheiro

vida de freela é assim: um mês você tem 30 trampos diferentes para entregar e no seguinte tem um ou dois. cuidar do dinheiro ajuda a garantir as próximas contas e não ficar no aperto. para mim essa parte foi fácil: eu comecei a freelar quando ainda era contratada e juntei uma grana que me deixou mais tranquila quando eu fiz essa transição.

6.seja disponível!

eu falei de pensar em um nicho e ter horários fixos, e isso é maravilho e muito essencial para esse processo. mas o que vale mesmo é você ficar disponível para as demandas que aparecem. pode ser que nem sempre você consiga escrever para aquela revista incrível, mas te convidem para fazer um trabalho de redes sociais bacanas na área. esteja aberta para o que aparecer e saiba o que aceitar e o que recusar. trabalhando de casa, é fácil a gente achar que consegue fazer absolutamente tudo, só para perceber que também precisa dormir direito e sair com os amigos para ficar bem. é aquela velha história: tenha um propósito e escolha os projetos que melhor se encaixem nele.

7.faça com carinho

quando você é freelancer e as pessoas não gostam do seu trabalho, dificilmente vão te contratar de novo. fazer qualquer entrega com carinho, saber que você está oferecendo o seu máximo é o suficiente para criar uma rede de good vibes: se alguém não te chamarem novamente, com certeza vão te recomendar para alguém. e aí você começa a ficar conhecida na área, sabe? mais importante do que ser super requisitada é fazer um trabalho com carinho e amor, que transmita uma sensação bacana e atenda exatamente as necessidades de quem te contratou. e aí o fluxo não tem fim!

 

eu sinto que ser freela não é para todo mundo – já falei que trabalhar de casa tem os seus altos e baixos, né? para mim, funciona bem e eu não costumo entrar em neuras para conseguir trabalho, até que resolvo bem sem grandes preocupações. mas é assim que funciona: eu faço com carinho, me organizo e mantenho contatos. pronto! receitinha infalível para continuar entregando o meu amor por aí.

você é freela também? me conta como isso funciona pra você?

 

carta aberta para a maki de 15 anos

maki de mingo

querida Maki,

acho que o melhor que eu posso fazer, ao começar esta carta, é dizer um obrigada de coração cheio. repleto. pleno. transbordando. obrigada porque, olhando de onde eu vejo agora, eu sei que você não desistiu, que você seguiu em frente e que você, acima de tudo, persistiu. lembrando de você, acho que essa é a melhor coisa que eu posso dizer.

vou ser muito sincera e dizer que não me lembro muito de você. não lembro onde a gente estava em 2002. era sétima ou oitava série? a minha memória a respeito do passado me trai mais vezes do que gostaria de admitir. a raiva de mim mesma me cegou tanto que mais de uma vez me peguei pensando que eu não tenho lembranças de quando era mais nova. mentira, claro.

Maki,  do alto dos seus 15 anos, você está pensando em poucas coisas além de ler todos os livros que vê pela frente, ouvir os CDs gravados com músicas do Blink 182, Sum41 e Good Charlotte e estudar o máximo que pode para ir bem nas provas. o primeiro beijo ainda está um ano de distância (mas os crushes já são muitos – se bem que naquela época eles eram chamados apenas de ‘paqueras’).

você tá naquele meio do caminho. entre ser criança e adulta. o que eu posso adiantar é que a sensação de não querer crescer nunca vai embora e o seu lado criança vai com você firme e forte até os (quase) 30, onde me encontro agora. fique tranquila, o seu coração inocente vem junto comigo. você não perdeu a arte de sonhar, mas segue firme na incapacidade de pensar no futuro.

eu sei que você já passou por bastante coisa. a sua vida é confortável. seus pais estão juntos, seu irmão (ainda) é alegre, mas você encontrou demônios para lutar contra com todas as suas forças. conheço bem a nossa mente e sei as coisas ruins que você pensava – apesar da sua veia otimista pulsar tão forte.

você está à beira de uma mudança. no seu futuro – que já é meu passado – você vai passar por momentos difíceis. você vai chorar muito. você vai pensar em desistir muitas vezes – e quase vai ser bem-sucedida em uma delas. você vai sentir as supostas injustiças da vida em cada fio de cabelo, em cada crise nervosa e em cada lágrima. você vai achar que o mundo é cruel e que a melhor saída é você ficar no seu quarto lendo fanfictions de Harry Potter e ouvindo os CDs do McFly. você vai escrever muito para colocar para fora o que sente, vai tentar cortar os pulsos com a tesoura da cozinha (e desistir com a lâmina gelada já tocando a pele). você vai passar muitas e muitas horas chorando, encolhida, sentada no chão do banheiro de casa.

mas tudo bem. acho que essa é a segunda coisa que eu preciso falar: tá tudo bem com você. pode não parecer, levando em consideração o quadro triste e sombrio que eu pintei nos parágrafos acima, mas você tá bem. não tem nada errado. fica tranquila, a vida não é tão cruel quanto você pensa – e essa lição vai chegar em breve.

o meu primeiro impulso escrevendo essa carta seria dizer para você mudar tudo. para não se esconder, para enfrentar cada palavra que cortou esse seu coraçãozinho – e que começou a vida vermelho vibrante e todo redondinho, mas que vai se tornar uma massa sem forma e escura, quase sem vida, até voltar a ser o que era. saiba que isso é necessário e que você precisa passar por isso para chegar até mim. então, mais uma vez, eu agradeço a sua já tão grande coragem, de enfrentar tudo isso e, mais uma vez, não desistir.

eu sei que você se sente sozinha. que sente que é inútil e que as suas poucas amigas parecem não sentir a sua falta. mas isso tudo é invenção da sua cabeça. você é tão importante para elas quanto elas para você. cada uma dessas pessoas maravilhosas vão te ajudar nessa jornada. lembre-se de segurar na mão delas quando elas oferecerem. e só porque você se sentiu assim um dia, não significa que precisa manter isso pra sempre, viu?

eu sei que a superficialidade é algo que te incomoda muito – infelizmente, a gente ainda está aprendendo o que fazer com ela -, mas saiba que ela vai ser essencial para o treino que vai mudar a sua vida. preste atenção nela como eu sei que você vai prestar.

eu sei também que você sonha muito. continue sonhando. sonhe alto. invente histórias na sua cabeça o quanto quiser. eu sei que muitas vezes essas imaginações são a única coisa que te seguram no mundo. tudo bem você se aproveitar delas por agora. ande de um lado para o outro com o Discman na mochila e muitas ideias na cabeça. sonhe com um mundo melhor e uma vida mais divertida. por agora, eu sei que isso é tudo o que você pode fazer para ter certeza que está viva. é a única ligação que você consegue ter com a existência, então sonhe.

ouça as suas músicas tristes e chore lendo as letras no computador. leia todas as fanfics que puder, ande pela cidade com seus mangás de Sakura Card Captor e ouça de novo e de novo os seus álbuns preferidos da Avril Lavigne. acho que a terceira coisa que eu quero dizer com essa carta é: continue fazendo tudo o que faz agora. não mude nada. não seja mais nem menos. seja o que você é agora. tá tudo bem com a forma como a sua vida está caminhando.

as coisas vão complicar. você vai passar por momentos em que a escuridão vai parecer completa e, muitas vezes, esses momentos vão ser uma lembrança feliz, de tempos mais leves, e você vai revisitá-los de novo e de novo quando precisar de conforto. compre todos os All Star que quiser de todas as cores. use as milhares de pulseiras neon que você comprou iguais as da sua prima. sinta medo de ir mal na escola e de conversar com os seus pais. isso vai ser importante no futuro.

eu gostaria de dizer para você não se culpar. mas até isso eu sei que não vale a pena fazer diferente. talvez, se eu pudesse, eu diria apenas pra você lembrar de olhar em volta e agradecer de vez em quando. por estar viva, por ter tudo o que você tem e pelas pessoas que estão na sua vida. mas, sabe, isso você vai fazer naturalmente em algum momento nesse caminho. os dias ensolarados serão uma dádiva aos seus olhos (mesmo você detestando o verão).

que essa carta seja, então, um bálsamo. um lembrete de que você está bem quando a vida no mundo parecer demais e que, mesmo quando tudo parecer perdido, uma luzinha de esperança vai te guiar para onde você precisa ir. confie que você vai chegar lá, mesmo que, aos 15 anos, você não tenha ideia de onde ‘lá’ é. não se esqueça da sua risada, do seu sorriso, das fotos no pátio da escola e da viagem para Angra dos Reis. um dia, você vai olhar para cada um desses momentos e ficar com o coração emocionado, porque finalmente lembrou de quem você é de verdade. cada foto será uma memória presente e você vai se reconhecer em cada uma delas depois de tanto tempo perdida. e vai agradecer, como eu estou fazendo agora.

Maki, obrigada por não desistir e por me trazer até aqui. olhar pra você é a maior prova de que o tempo não existe e que a gente continua a mesma coisa – a gente só se perdeu no meio do caminho, antes de lembrar do porque a gente insistia em olhar pro céu azul e pensar que a vida é perfeita. (spoiler: ela é mesmo)

com carinho,

a Maki de 2017

foto: Luísa Chequer Fotografia

6 dicas para aproveitar o resto do ano (sem se sentir um fracasso)

como aproveitar o resto do ano

parece que a gente pisca e chega junho. daí pisca de novo e é outubro. daí pisca mais uma vez e tá se arrumando pra passar o Natal na casa da vó. tanto quanto é relativo, o tempo é muito doido e parece passar cada vez mais rápido (a velocidade aumenta exponencialmente com a idade – true story, bro).

e como faz pra aproveitar o resto do ano se você não fez nada do que se propôs em 1º de janeiro, quando jurou de pé junto que ia cumprir as suas metas? é, eu sei que parece difícil (na verdade, parece impossível) e até meio desmotivador. mas eu sou da teoria de que nunca é tarde demais pra gente fazer qualquer coisa e, já que o tempo é maluco mesmo, a gente pode contornar as regras e ter um ano novo pessoal em pleno junho.

mais ou menos como se recuperar de uma semana ruim, você precisa de um plano de ação. e eu sei que fazer listas e pensar em tarefas e metas outra vez pode ser a coisa mais chata do mundo inteiro (ou o tipo de coisa que nunca vai ajudar), por isso o primeiro item da minha lista é:

1.queira de verdade

olha, eu vou falar a real. eu já fiz muitas listas de resoluções de ano novo que ficaram mofando na minha carteira por um motivo: eu não queria fazer de verdade nada do que tinha me proposto ali. e eu sei disso porque nunca tirava nenhum desses planos do papel. por isso, se você sente que o seu ano tá meio parado e que você não fez o que escreveu na sua agenda no começo do ano, pergunte, de verdade verdadeira, se você quer fazer alguma dessas coisas. se a resposta for ‘não’, não precisa se desesperar. agora é só pensar em coisas que você quer fazer mesmo, que te empolgam, te animam e aí pensar num plano pra colocá-las em prática.

2.agora sim, planeje

eu sou péssima com prazos e datas. mas só quando o assunto são projetos pessoais, porque com trabalho eu sou mega certinha. isso é uma benção e uma maldição. benção porque nunca na vida atrasei a entrega de um trampo, maldição porque todos os meus projetos pessoais (e isso inclui o blog) ficavam em segundo plano. quando eu percebi que queria de verdade verdadeira que o blog fosse incrível, esse planejamento virou quase algo natural: eu passei a encaixar nos meus horários pequenas tarefas – como agendar as redes sociais ou fazer fotos pra posts – que me ajudassem com isso. ficou fácil, sabe?

3.aproveite os pequenos momentos

eu tenho pavor de zumbis, mas, curiosamente, Zumbilândia é um dos meus filmes favoritos. nele tem uma regrinha que diz ‘enjoy the little things‘ (ou ‘aproveite as pequenas coisas’, em português) e eu acho que esse é um dos maiores aprendizados que a gente pode ter. ao invés de reclamar que você só fica no celular quando sai com as suas amigas, preste atenção nelas e largue a telinha! é mais fácil do que a gente imagina, sabe? preste atenção nas coisas que estão acontecendo, aproveite os momentos que você sai de casa (e os que fica enrolada nas cobertas também). você não precisa pular de paraquedas ou abrir o seu próprio negócio para aproveitar o resto do ano. basta reconhecer as coisas incríveis que você já vive e todas as oportunidades de aprendizado que cada dia te oferece, entende? mas, aí, a gente volta pro item 1 dessa lista: tem que querer.

4.comece um projeto novo agora!

você não precisa de 1º de janeiro para mudar alguma coisa que não gosta na sua vida ou começar um novo projeto. tem um professor que me fala de novo e de novo que cada segundo é uma nova oportunidade da gente fazer diferente do que fez até agora. e é verdade! você é capaz de começar aquele blog que tanto quer, a dieta que vai te fazer bem (mas fala com um profissional antes, tá?), o livro que você sempre sonhou em escrever (cof, euzinha, cof) ou aquele curso incrível que você vive adiando.

5.organize as suas finanças já!

você escreveu lá na sua agenda (ou no seu bullet journal lindão) que ia guardar dinheiro esse ano, só pra ver cada um dos seus suados dinheirinhos saírem pela janela. fazer uma poupança é questão de disciplina, mas é o tipo de coisa que você também pode começar a hora que quiser! olhe direitinho onde você gasta mais, em que lugar pode segurar a grana e comece pequeno. 50 reais por mês já vale, viu? não precisa guardar uma fortuna pra construir uma poupança legal. isso leva tempo mesmo. se você quiser uma abordagem mais ‘agressiva’, pode sempre fazer uma meta progressiva. por exemplo: começar guardando 50 reais, depois 100, depois 150 e assim por diante. ah, uma dica de ouro: joga o dinheiro na poupança assim que ele entrar na sua conta, viu? não deixa ele ali, te tentando a gastar em blusinha e chocolates (meu caso, óbvio).

 

acho que todo mundo tem na cabeça essa ideia de que pro ano ser incrível ele tem que ser ÉPICO e você tem que fazer coisas maravilhosas que ninguém mais fez e tudo mais. beleza, pode ser assim, claro, mas pode também ser você aprendendo a olhar com mais atenção pras coisas que acontecem ao seu redor, lembrando que você tá viva e que não tá sozinha, e aprendendo aos pouquinhos a aproveitar o que você tem.

o que você gostaria de fazer esse ano ainda? me conta nos comentários!

 

5 blogs que me inspiram a escrever (e um bônus)

blogs que me inspiram

quando eu fiz o post com dicas para escrever melhor, uma leitora (beijo, Carolina!) perguntou se eu não poderia compartilhar os blogs ou livros que me inspiram na escrita. enquanto os livros eu ainda vou ficar devendo (tô voltando com o hábito da leitura agora), os blogs eu posso falar com um pé nas costas, de olhos fechados.

essas fontes de inspiração mudam com o tempo – é por isso que eu gosto tanto da internet, você sempre acha um lugar novo para buscar aquela faísca de criatividade, a até os meus blogs favoritos variam de tempos em tempos. e, por mais que eu sinta que essa fagulha para escrever venha de mim mesma, existem alguns blogs que me inspiram a ter novas ideias e escrever melhor.

1.from roses

o from roses é o meu blog preferido DA VIDA. eu amo os posts da Rebecca, as ideias que ela têm e a forma como ela escreve. são textos leves e bem pessoais, sempre com uma proximidade grande com quem lê. é isso que eu sempre busco aqui no desancorando, sabe? essa conexão com você que está aí do outro lado da tela. as fotos que ela faz para o blog e o próprio Instagram também são maravilhosas e me inspiram a tentar fazer fotos diferentes também. mas, principalmente, eu amo as temáticas que ela aborda e como são desenvolvidas. essa é a minha maior fonte de inspiração, com certeza.

leitura recomendada: why i’m not a girlboss and that’s ok

2.hey cute

a Ká é minha amiga há tanto tempo que eu já nem lembro mais. nos últimos meses, ela voltou a postar no blog e eu fiquei super feliz, porque amo o jeito como ela escreve e as ideias que ela têm para posts. eu gosto do texto dela porque sempre tem opiniões muito fortes – não é que ela escreve textos polêmicos, mas, sim, que ela banca o que pensa e coloca toda essa vibe escorpiana dela (miga, um dia você tem que me ensinar sobre signos) nas palavras. é um texto que não passa despercebido.

leitura recomendada: estamos desconstruindo certas regrinhas de moda – finalmente

blogs que me inspiram

3.modices

o Modices já é quase um patrimônio da internet. eu conheço há tanto tempo que nem lembro mais quando ele entrou no meu feed a primeira vez (com certeza, na época a palavra ‘feed’ não existia ainda). o blog da Carla tem toda uma equipe que escreve junta, e apesar de cada texto ter uma autora, todos mantém um padrão de escrita que eu acho incrível. isso não é algo fácil de conseguir. é um texto leve, altamente opinativo e posicionado e que sempre busca essa ligação com a leitora.

leitura recomendada: aceitar elogios é normal ou falta de humanidade?

4.coffee & flowers

eu gosto taaaaanto do blog da Karine! quando você lê os posts dela, parece que ela tá sentadinha do seu lado explicando tudinho que o texto propõe. é muito próximo, sabe? é uma linguagem de amiga conversando com você na mesa de um café na Paulista num domingo à tarde. e gosto que ela coloca uns detalhes mais casuais (tipo um ‘muuuuuuuuuuito‘ e hashtags) de uma forma muito natural no texto. e as fotos são maravilhosas, né? nem comento.

leitura recomendada: mulheres na fotografia

5.leuxclair

amo a clarinha de paixão ♥ ela é mais uma das coisas deliciosas que a internet me trouxe. o que eu mais gosto na escrita dela é como ela evolui com o tempo – dá para perceber que ela se dedica, que ela lê com carinho o que escreve e tenta sempre melhorar para e pelos seus leitores. todo esse esforço compensa!

leitura recomendada: a boyish look

6.bônus: newsletters

sim, eu sei que uma newsletter não é um blog, mas eu tenho lido e assinado muitas! as principais, que eu abro sempre que aparecem na caixa de entrada, são as da Gabi Barboza (#voltaTeoriaCriativa!), da Stephanie Noelle, e da Duds. são textos bem pessoais, nem sempre sobre a mesma temática, mas que são gostosinhos de ler, sabe?

 

basicamente, é isso que eu tenho consumido de inspiração de texto ultimamente. eu tenho uma listinha de blogs favoritos que eu leio sempre, todos os dias, mas tem aqueles que eu volto vez ou outra quando preciso de uma inspiração extra para escrever. eu acho legal dizer, porém, que a minha maior inspiração é sempre lembrar do meu propósito, que a linguagem vem do jeitinho que ela tem que sair. mas quando até essa lembrança parece meio difícil, eu recorro à esses cantinhos cheios de amor na internet para me inspirar.

me conta quais blogs te inspiram ultimamente?

eu virei o tipo de pessoa que toma proteína

agora eu tomo proteína

acho que eu já comentei em algum momento que eu tinha umas questões com alimentação. se não, lá vai: eu tinha algumas questões com alimentação. basicamente, eu me sentia inchada o tempo inteiro, eu sentia muito sono durante o dia e parecia que o meu corpinho tava sentindo falta de algumas coisas que são importantes pra ele (tipo vitaminas ou algo assim).

não é que eu comia de todo mal – apesar do desejo constante de jantar pizza todas as noites e encher a cara de chocolate depois do almoço dia sim, dia também, eu me alimentava bem ok. nunca fui muito de legumes e verduras, e eu era do tipo que se alimentava com os olhos e colocava muito mais no prato do que precisava de verdade, mas, fora isso, era uma alimentação bem razoável.

mas, de uns tempos pra cá, eu comecei a perceber que o meu corpo tava mais esquisito do que de costume. parece que ele tava fora do lugar e precisava de uma sacudida pra voltar a funcionar direito. tipo quando o computador travava e você precisava dar uns soquinhos na CPU pra ver se ele funcionava de novo (isso ainda existe?).

então, lá fui eu pro nutricionista. já tinha ido tantas outras vezes, e comecei e terminei inúmeras dietas diferentes (por conta própria, claro). mas, dessa vez, senti uma vontade diferente: queria cuidar do  meu corpo porque eu preciso dele pra cumprir a minha missão, pra fazer o que eu preciso fazer. ele tem que estar bem, sabe?

fui. conversamos. eu não como mal, só preciso ajustar algumas coisinhas e perder um pouco de gordura. agora eu tenho que comer exatamente as porções indicadas. toma também todos esses suplementos e vitaminas de manhã, em jejum, vai ajudar. um litro de chá de hibisco por dia e completa com água o que faltar, tá? toma proteína depois de treinar. sim, isso mesmo, proteína. em pó, daquelas que leva na garrafinha. e aprende a jantar, menina! nada de doce ou açúcar por enquanto, viu? esse primeiro mês a gente tem que dar um sacolejo no seu organismo mesmo, pra ele entrar no eixo. depois disso a gente vê.

e é isso. agora eu tomo proteína depois de treinar. quase não como carboidrato e zero açúcar. sigo tudo como ele falou (salvo alguns momentos de descanso aos finais de semana). já vejo uma diferença enorme (o sono sumiu, coisa doida). e a vontade de doce também caiu pra zero (minha TPM agradece). tô me sentindo bem melhor, mas principalmente, tô feliz de aprender a cuidar do corpitcho como ele merece.

quero falar mais sobre esse processo por aqui, mas ainda não sei como – ou o quê, exatamente! mas o mais legal vai ser o comparativo na minha próxima consulta. aí eu compartilho com você também, tá bom?

no mais: tem sido muito divertido pesar minha comida e descobrir que eu amo mamão papaya com canela (sério, você já experimentou essa combinação? é maravilhosa) e que tomar proteína não é tão ruim assim (mas evitem a de baunilha, #realoficial).

me conta: como é a sua relação com a comida?